fb-embed

Diversidade

3 min de leitura

Onde estão as mulheres da sua empresa?

A sustentabilidade dos negócios depende diretamente das posições que as mulheres ocupam dentro das organizações e na sociedade; cabe a todos nós, e principalmente aos homens mais privilegiados, defender a promoção de lideranças femininas

Colunista Neivia Justa

Neivia Justa

25 de Janeiro

Compartilhar:
Artigo Onde estão as mulheres da sua empresa?

Você, assim como eu, é fruto de uma sociedade machista. Desde a infância, você aprendeu que existem coisas “de mulher” e coisas “de homem”, assim como cores, comportamentos, atitudes, sentimentos, profissões, carreiras e lugares, de maneira explícita ou implicitamente, atribuídos aos gêneros de maneira binária e distinta.

É muito provável que você tenha crescido ouvindo e rindo de piadas que ofendem quem é diferente de você: mulheres, pessoas negras, LGBTQIA+, nordestinas, pessoas com deficiência, velhas, gordas, portuguesas, japonesas, entre outras. Piadas essas que você, inconscientemente, reproduz até hoje.

Se você é um homem branco, heterossexual, sem nenhuma deficiência aparente, que teve acesso a uma educação de qualidade e às melhores oportunidades de trabalho e carreira, o mundo sempre foi construído para você. A meritocracia, na qual você acredita, defende e promove com tanta convicção, foi feita por todos os homens brancos que te antecederam no comando das nações, governos, instituições e empresas públicas e privadas, desde sempre.

A culpa não é sua. No entanto, já está passando da hora de você assumir sua responsabilidade, indelegável e intransferível, de usar seu lugar de poder para mudar a realidade à sua volta.

Retrocessos entre avanços

Você deve ter percebido que, nos últimos 60 anos, nós, mulheres, temos avançado na ocupação do mercado de trabalho. Se, até 1962, precisávamos da autorização dos nossos maridos para trabalhar, hoje, milhões de nós somos donas da nossa história, maioria nas universidades e estamos em todos os lugares, mesmo que ainda longe de ter as mesmas condições que você.

Nossos salários ainda são em média, 20,5% menores que os dos homens nas mesmas funções. Continuamos sendo duramente penalizadas quando escolhemos doar nosso corpo para gerar uma nova vida e dar seguimento à humanidade. Lembra que foi isso que sua mãe fez para te trazer ao mundo? Infelizmente, 50% das mulheres são demitidas em até dois anos da volta da licença maternidade.

Ainda temos que enfrentar uma jornada dupla de trabalho, uma vez que cuidar das tarefas domésticas e da criação dos filhos ainda são responsabilidades atribuídas principalmente às mulheres.

Sofremos todo tipo de violência pessoal e profissional, desde a infância: assédio, maninterrupting, bropriating, mansplaining, gaslighting — foi final deste artigo, acrescento um glossário sobre esses termos —, estupro, violência doméstica, psicológica, patrimonial, culminando no feminicídio.

Apesar disso tudo, a Microsoft, SAP, IBM, Twitter, Intel, Google, WeWork, Uber, Bayer, BP, Fleury, Sabin, Pfizer, Eli Lilly, Novo Nordisk, Citroen, P&G, UPS, GE, Equinor, Adidas, OAB SP, Gerdau Summit, Swarovsky, Sephora, Hinode, Travelex Bank, UBS, Deutsche Bank, Standard Bank, BMG, Rede e o Nubank, entre tantas outras empresas, são hoje lideradas por mulheres aqui no Brasil e/ou na América Latina.

Mulheres que sustentam negócios

Todavia, apesar dessas lideranças femininas, essa parcela representa tão-somente 3,5% do contingente de empresas presentes no Brasil. Como se não bastasse, representamos apenas 11,5% do total de conselheiros, e seis em cada dez empresas com ações na Bolsa de Valores brasileira não têm nenhuma mulher no conselho de administração.

O que você está esperando para acelerar a inclusão e ascensão das mulheres nas posições de liderança da sua empresa? Lembre-se: representamos 52% da população, somos 67 milhões de mães, responsáveis por 38,7% dos lares e 80% das decisões de consumo do País. A sustentabilidade da sua empresa depende de nós.

No entanto, para garantir essa sustentabilidade, você tem que estar genuinamente comprometido com a mudança da realidade, promovendo a igualdade de gênero (ODS) como valor da cultura e da liderança da sua empresa, com metas claras e mensuráveis, políticas afirmativas, cotas e igualdade salarial.

Além disso, é necessário estimular a corresponsabilidade das tarefas e criação dos filhos com a licença parental, por exemplo, assegurando que as mulheres façam parte dos planos de sucessão. Em outras palavras, isso significar colocar o ESG na prática, com coragem e agilidade. No mais, não existe futuro sem mulheres, e você sabe disso.

Para aprender e não esquecer

Maninterrupting: interrupções constantes das nossas falas.

Bropriating: apropriação indevida das nossas ideias.

Mansplainning: homens nos explicando o óbvio.

Gaslighting: homens minando nossa autoconfiança.

ODS: Objetivo de Desenvolvimento Sustentável do Planeta

Compartilhar:

Colunista

Colunista Neivia Justa

Neivia Justa

Neivia Justa

Fundadora da #JustaCausa, do programa #lídercomneivia e dos movimentos #ondeestãoasmulheres e #aquiestãoasmulheres

Artigos relacionados

Imagem de capa Desempenho e juventude, a associação a superar?

Diversidade

24 Dezembro | 2023

Desempenho e juventude, a associação a superar?

É nos esportes que o preconceito contra pessoas mais experientes no mercado de trabalho fica mais evidente. É possível combatê-lo? Até quando agiremos como se a maior longevidade não fosse uma realidade que chegará à maioria?

Fran Winandy

9 min de leitura

Imagem de capa Duas tendências para evolução da governança colaborativa

Diversidade

24 Outubro | 2023

Duas tendências para evolução da governança colaborativa

A crescente busca por participação feminina e a preocupação com a sustentabilidade são cruciais para o constante avanço do cenário da governança colaborativa. Essas tendências estão transformando o modo como empresas e governos conduzem suas operações e tomam decisões

Farias Souza

2 min de leitura

Imagem de capa D&I: como adotar medidas para melhorar a dinâmica da equipe

Diversidade

10 Outubro | 2023

D&I: como adotar medidas para melhorar a dinâmica da equipe

O compromisso da liderança é promover uma cultura inclusiva em todos os níveis da organização. Para uma abordagem prática do tema, devem ser estabelecidas metas mensuráveis, medidas concretas e políticas de responsabilização transparentes nas organizações, além da escuta ativa

Raquel Braga

3 min de leitura

Imagem de capa Investimentos em startups difere pelo gênero da liderança: como mudar o cenário

Diversidade

25 Agosto | 2023

Investimentos em startups difere pelo gênero da liderança: como mudar o cenário

Startups fundadas por mulheres recebem menos investimentos do que as lideradas por homens, mas elas faturam mais. Organizações precisam tomar a iniciativa de investir mais no empreendedorismo feminino

Carolina Gilberti

2 min de leitura