fb-embedNão terceirize a sua carreira HSM Management

Carreira

3 min de leitura

Não terceirize a sua carreira

Não espere que alguém seja empático a ponto tirar você e sua carreira da estagnação. Apesar das inúmeras variáveis, você é o único responsável pela sua trajetória profissional

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

28 de Maio

Compartilhar:
Artigo Não terceirize a sua carreira

"Luciano, estou há três anos na empresa sem nenhuma perspectiva de mudança. Eles não têm plano de carreira ou oferecem qualquer oportunidade de crescimento. O que fazer?"

É bem comum eu receber a questão acima dos meus leitores, vejo algo igual ou parecido quase todas as semanas. Crescer em nossas carreiras é normal e saudável. Aprendemos que temos que fazer esse trajeto. É o que nos motiva e traz uma sensação boa sobre como estamos evoluindo. Quando isso acontece, saímos da tal zona de conforto e, na maioria das vezes, somos jogados em um terreno desconhecido onde o aprendizado e novas experiências acontecem. É lá que nós queremos estar.

Entretanto, às vezes isso pode demorar ou não acontecer da forma que imaginamos. Quando ficamos estagnados, para usar as palavras do próprio leitor, é preciso ter ação e um plano para voltar aos trilhos. É aqui que vejo muita confusão. Afinal, quem é responsável pela minha carreira? Eu, meu chefe ou a empresa? A resposta vai ser curta e grossa: você e mais ninguém.

Sim, eu sei, em um mundo ideal todas as empresas teriam bons planos de carreira, transparência no processo, suporte pleno do time de recursos humanos e um grupo de liderança bem treinado para guiar os times na direção do crescimento. Infelizmente isso existe na maioria das empresas, é a realidade do nosso mercado.

Quando nos vemos nessa situação, é nossa a responsabilidade tomar as rédeas de nossa carreira e fazer com que ela vá à direção correta. O contrário disso é ficar passivamente esperando, sabe-se lá quantos anos a mais, para que alguém venha ao resgate e tire você da apatia profissional. Espere sentado, isso não vai acontecer.

Mexa-se!

Quando recebo esse questionamento, faço a minha clássica pergunta: o que você está fazendo a respeito disso? Geralmente as respostas são bem similares, e variam entre nada e quase nada. Se o emprego que você está não te oferece o que gostaria para o futuro de sua carreira, você é responsável por mudar essa situação.

Lembro de um dos primeiros empregos que eu tive, em uma transportadora de valores. No começo dos meus vinte e poucos anos, eu trabalhava como assistente de vendas e adorava estar naquele mundo de planilhas, terno e gravata, ligações para clientes, problemas de todos os tipos a cada minuto. No dia a dia, sentia que eu gerava valor para os que estavam ao meu redor. Eu amava aquele ambiente.

Um dia, por causa de uma reorganização, a minha função foi encerrada e tive a opção de ir para a parte logística, longe dos escritórios que tanto curtia. Eu tinha duas opções: (1) ficar e fazer algo que eu não gostava ou (2) procurar uma nova oportunidade.

Escolhi a segunda opção. Sim, eu sei, nem todos têm o privilégio de sair de um emprego sem ter outro à vista e arriscar ficar algum tempo parado. Se esse for o seu caso - era o meu, mas arrisquei assim mesmo – comece a construir sua próxima oportunidade ainda trabalhando no seu emprego atual. Faça cursos, estude inglês, comece a aplicar para alguns processos seletivos para testar sua empregabilidade e coloque energia e intenção na mudança. Acredito que o maior obstáculo para o nosso crescimento profissional não é a falta de oportunidade do local onde trabalhamos, mas a falta de nossa própria ação em criar a mudança quando essa é a realidade.

Quero fechar essa reflexão com a minha frase de abertura: não terceirize sua carreira. E, como diz o escritor Paulo Vieira, “tem poder quem age”. E você, já está agindo?

Gostou do texto do Luciano Santos? Saiba mais sobre gestão de carreira assinando gratuitamente nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

Divã Corporativo

Luciano possui +20 anos de experiência no mercado digital tendo iniciado sua carreira no portal UOL, trabalhou 10 anos no Google Brasil em diversas áreas e desde 2016 é diretor no Facebook Brasil a frente de uma equipe de vendas em São Paulo.

Artigos relacionados

Imagem de capa Protagonistas do futuro

Business content

30 Dezembro | 2021

Protagonistas do futuro

Programa de estágios da Sodexo utiliza metodologias ágeis e inovadoras na formação de jovens talentos para a empresa e o mercado de trabalho

Paulo César Teixeira

5 min de leitura

Imagem de capa Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez?

Desenvolvimento pessoal

23 Dezembro | 2021

Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez?

Em um mundo em constante transformação, nunca é cedo ou tarde demais para aprender algo novo

Gustavo Mançanares Leme

3 min de leitura

Imagem de capa Pós-pandemia: as expectativas dos millennials e da geração Z

Business content

22 Dezembro | 2021

Pós-pandemia: as expectativas dos millennials e da geração Z

Jovens brasileiros estão otimistas com o futuro pós-pandemia, mas exigem comprometimento social e ambiental dos empregadores

Luiz Eduardo Kochhann

4 min de leitura

Imagem de capa Linguagem corporal “digital”: como diminuir mal-entendidos e aumentar a conexão no trabalho híbrido

Business content

14 Dezembro | 2021

Linguagem corporal “digital”: como diminuir mal-entendidos e aumentar a conexão no trabalho híbrido

A comunicação se tornou mais digital do que nunca. Adotar uma nova postura em e-mails e chamadas de vídeo abre caminho para a sensação de inclusão e pertencimento nas empresas

Leonardo Pujol

4 min de leitura