fb-embedOs três pilares da empregabilidade HSM Management

Carreira

5 min de leitura

Os três pilares da empregabilidade

Currículo, narrativa e networking são os pilares para recolocação no mercado de trabalho. Contudo, o cultivo desse tripé vai muito além da busca por uma oportunidade de emprego

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

28 de Abril

Compartilhar:
Artigo Os três pilares da empregabilidade

Nos muitos papos e aconselhamentos que fiz nesses últimos meses, comecei a me dar conta de que existem três coisas – na verdade, tenho certeza que são muitas mais, mas essas são as que tenho me aprofundado – que fazem toda a diferença quando o assunto é empregabilidade. Dessa forma, precisamos colocar energia e intenção para que elas estejam bem afiadas. Eu as chamo de os três pilares da empregabilidade, são eles: currículo, narrativa e networking.

Entender que o currículo já não é mais só um pedaço de papel, que contar a sua narrativa de forma positiva em uma entrevista pode ser o diferencial entre conseguir ou não a vaga, e que networking é uma construção de longo prazo, melhora incrivelmente a sua imagem como profissional e, consequentemente, suas chances de trocar de emprego ou se recolocar no mercado.

Currículo: questão de conteúdo e estilo

Quando falamos em currículo, a primeira coisa que vem em mente é aquele arquivo doc. guardado em alguma pasta do seu computador pessoal que, de tempos em tempos, damos uma atualizada. Sim, esse aí é bem importante também e precisamos sempre ter um quentinho para quando a gente precisar. Há muitos modelos disponíveis e não vou aqui dizer o que é ou não melhor, deixo isso para um profissional de recolocação. Contudo, gosto - e uso há pelo menos uns 15 anos, um modelo bem simples e fácil de usar.

Além do seu velho e bom CV, há também uma nova (ou não) tendência: o uso do seu perfil do LinkedIn como currículo. Há muitas empresas que já dão a opção de se aplicar apenas com o seu perfil na ferramenta, sem a necessidade do velho e bom arquivo de Word. Eu adoro essa opção, já que criar um perfil no LinkedIn dá espaço para adicionar muito mais coisas do que você não colocaria em um currículo tradicional, sem contar o uso de criatividade, boas práticas e a possibilidade de produzir – ou interagir com – conteúdos da sua indústria. É como se fosse um CV que tomou esteroides.

Hoje em dia, com as empresas buscando mais praticidade e automação, não dá para não ter o seu. Não apenas ter, mas ter um bem feito. Há dezenas de sites e perfis lá mesmo no LinkedIn que dão dicas e melhores práticas para criar um perfil poderoso. Então, a dica é use e abuse dessa vantagem.

Você sabe contar a sua história?

Sempre que vou entrevistar alguém, peço para a pessoa contar a sua história nos primeiros cinco minutos. A maneira como falamos sobre o nosso histórico profissional diz muito sobre a gente e a nossa carreira, além de ser uma ferramenta poderosa para se conectar com o entrevistador. Aqui, não vou explicar como nós, seres humanos, somos programados para contar e ouvir boas histórias, e isso vale também em uma entrevista de emprego.

Trabalhei com um profissional que era ótimo, mas, quando falava sobre o seu passado e como chegou onde chegou, trazia vários elementos importantes (ter trocado de faculdade, ter feito um concurso e trabalhando em algo que não gostou, etc) de forma negativa.

Uma boa narrativa para contar sobre nossa trajetória precisa estar em uma crescente até culminar no profissional que você é hoje. Mesmo que tenha que passado por alguns desafios, coloque-os de forma positiva.

Teve que trocar de faculdade no meio do caminho? Conte como você finalmente descobriu o que queria fazer e como isso o impactou positivamente. Ficou alguns anos em um emprego que não era o que queria? Conte como lá você aprendeu tudo o que tinha que aprender e estava pronto para crescer e dar o próximo passo. Coloque um tom positivo em sua narrativa.

Ter uma boa narrativa requer prática, e sempre aconselho todos a terem uma que caiba em cinco minutos, outra em dez e por aí vai. Um bom lugar para praticar é o espelho do banheiro, e vale também chamar alguém de confiança – familiar ou amigo – para escutar e dar uns palpites. Pratique muito.

Networking não se constrói em um final de semana

Um dos maiores erros que observo quando as pessoas querem construir networking é tentar fazer isso de forma rápida e, geralmente, de maneira urgente. O profissional é demitido e sai correndo adicionando todo mundo no LinkedIn, mandando currículo para pessoas que mal conhece e querendo fazer parte de turma que nunca interagiu antes. Saiba que essa é a pior maneira de fazer isso.

Networking é um processo que se constrói no longo prazo. São as conexões que você cria durante as suas interações profissionais, os eventos que participa, os clientes que conhece e qualquer outro profissional que cruze o seu caminho de alguma forma. Pense em todas as pessoas que você já conheceu até hoje por causa do seu trabalho. Com quantas dessas você se conectou? Trocou cartões? Telefone? Cada interação de qualidade que já teve é uma oportunidade de conexão a ser criada. Ela foi? Se a resposta é não, uma oportunidade se perdeu.

As chances das pessoas aceitarem conexões quando vestimos a camisa de uma empresa é alta, quando estamos na rua, “em busca de recolocação”, muito menor. Não espere estar em necessidade para fortalecer a sua rede, veja o networking como um investimento de longo prazo que vai render bons juros. Ele vale tanto quanto dinheiro no banco.

PEGUE SEU BÔNUS

Esses são os 3 pilares da empregabilidade que precisamos refletir e trabalhar para sempre estarmos preparados para um futuro sempre incerto. Tenho os meus bem afiados. Tenha os seus também. Para finalizar, deixo aqui um bônus: gravei uma aula especial sobre o tema que pode ser assistida através deste link.

Gostou do texto do Luciano Santos? Saiba mais sobre gestão de carreira assinando gratuitamente nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

Luciano Santos

Luciano possui +20 anos de experiência no mercado digital tendo iniciado sua carreira no portal UOL, trabalhou 10 anos no Google Brasil em diversas áreas e foi diretor no Facebook Brasil a frente de uma equipe de vendas em São Paulo. É escritor e autor do livro "Seja Egoísta com sua Carreira", embaixador da Escola Conquer e faz parte do conselho consultivo da Agile.Inc.

Artigos relacionados

Imagem de capa Como transformar a aposentadoria em novos rumos na carreira

Carreira

12 Março | 2022

Como transformar a aposentadoria em novos rumos na carreira

Pensar em se aposentar pode gerar bastante medo e um sentimento de nostalgia diante dos anos de serviço prestado a uma empresa. Mas, a aposentadoria pode ser muito mais do que apenas parar de trabalhar, pode ser uma transição de carreira

Ricardo Maykot

4 min de leitura