fb-embed

Sustentabilidade

3 min de leitura

Capitalista sim. Consciente? Nem tanto

Para transformar a teoria ESG em prática, muitas vezes é necessário falar o óbvio: liderança e cultura consciente devem ser pilares do capitalismo e toda empresa é capaz de gerar impacto social

Colunista Neivia Justa

Neivia Justa

17 de Agosto

Compartilhar:
Artigo Capitalista sim. Consciente? Nem tanto

Há três anos venho abordando o capitalismo consciente e os objetivos de desenvolvimento sustentável do planeta nas minhas aulas sobre liderança. Para minha surpresa, esses temas ainda são desconhecidos por uma ampla parcela da nossa elite empresarial, assim como o tão recentemente falado ESG, ou ASG – Ambiental, Social e Governança, em português. E, infelizmente, muitos daqueles que já são fluentes nesses assuntos ainda estão longe de transformar o discurso em prática.

O capitalismo consciente é um movimento global criado nos Estados Unidos a partir de um estudo acadêmico conduzido por Raj Sisodia, Jaf Shereth e David Wolf, cujo objetivo era verificar como algumas empresas conseguiam manter alta reputação e fidelidade dos clientes sem ter investimentos exorbitantes em publicidade e marketing.

Antes do livro ser publicado, John Mackey, CEO da Whole Foods, identificou no conteúdo muitas características e atitudes que há anos ele já aplicava em seu negócio e, com sua contribuição, o estudo evoluiu para o livro Firms of Endearment (Empresas Humanizadas, aqui no Brasil), publicado em 2007, que discorre sobre como as empresas lucram a partir da paixão e do propósito. Iniciava-se então, ali, o movimento capitalismo consciente. O Instituto capitalismo consciente Brasil foi criado em 2013.

O movimento preconiza que negócios conscientes são regidos por uma liderança consciente que tem um propósito maior, cria e retroalimenta uma cultura consciente, sempre com a orientação para os stakeholders, ou seja, os públicos ou partes interessadas na empresa para quem ela gera diferentes valores.

Liderança consciente

Líderes conscientes são aquelas pessoas responsáveis por servir ao propósito da organização, criando valor para todos (e não somente para os acionistas), cultivando uma cultura consciente de respeito, confiança, inclusão, colaboração e cuidado.

Propósito maior

O propósito é a causa pela qual a empresa existe. O lucro é uma consequência desse propósito que sensibiliza, engaja e move as pessoas que fazem parte ou se relacionam com a empresa.

Cultura consciente

A cultura consciente é a incorporação e a prática dos valores, princípios e comportamentos que conectam as pessoas umas às outras, constroem, alimentam, reforçam e transformam, sempre que necessário, a forma de ser e agir da empresa. O óbvio ululante, não?

Esses não deveriam ter sido os pilares fundamentais do capitalismo? Deveriam. Mas não foram. Então, sempre é tempo de resgatar o óbvio.

Assim como é óbvio que toda empresa é um negócio de impacto social. Ou existe empresa em algum espaço fora da sociedade, com ações que não impactam a vida das pessoas? A questão é que esse impacto tem sido danoso, predatório, parasitário, desigual e desumano.

Precisamos enfrentar e trocar a inconsciência, inconsequência, imediatismo e o “curtoprazismo” de gestões empresariais privadas e públicas, com evidente impacto negativo, por modelos que tenham uma governança ambiental e social verdadeiramente responsável.

Em tese, nada de novo. A não ser a urgência, já que ainda não existe um Planeta B e o desenvolvimento sustentável do Planeta A, primeiro e único, é responsabilidade minha, sua, nossa.

Espero que essa “resiglagem” - ESG e ODSs - nos impulsione a agir, transformar teoria em prática, fazer acontecer o que é óbvio, urgente e necessário para gerar impacto positivo e garantir um futuro sustentável para todas as pessoas. E que, em breve, sejamos todos capitalistas conscientes.

Gostou do artigo da Neivia Justa? Saiba mais sobre capitalismo consciente e práticas ESG assinando gratuitamente nossas newsletters. Aproveite e ouça nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Neivia Justa

Neivia Justa

Neivia Justa

Fundadora da #JustaCausa, do programa #lídercomneivia e dos movimentos #ondeestãoasmulheres e #aquiestãoasmulheres

Artigos relacionados

Imagem de capa Mais um risco para a saúde: metas sem propósito

Sustentabilidade

24 Dezembro | 2023

Mais um risco para a saúde: metas sem propósito

Pesquisa global do Gartner revela que 70% das empresas têm metas e KPIs inúteis – “metas-bullshit”, como as denominou um livro. O problema é que a suposta “performance” vem com uma série de efeitos colaterais, sendo tudo menos sustentável

Lisia Prado

3 min de leitura

Imagem de capa Cinco iniciativas para sua empresa aderir à sustentabilidade digital

Sustentabilidade

01 Maio | 2023

Cinco iniciativas para sua empresa aderir à sustentabilidade digital

É possível proteger o meio ambiente sem comprometer o sucesso corporativo. A digitalização com foco na sustentabilidade permite que as organizações desenvolvam e implantem tecnologias para garantir competitividade e crescimento de longo prazo

Fábio Trimarco

4 min de leitura

Imagem de capa A convergência entre inovação e sustentabilidade é o caminho para o futuro

Sustentabilidade

29 Novembro | 2022

A convergência entre inovação e sustentabilidade é o caminho para o futuro

De 30 de novembro a 1º de dezembro, 20ª Conferência de Inovação da Anpei discute o desenvolvimento sustentável nos eixos temáticos de pessoas, tecnologia e novos modelos de negócios

Marcela Flores

3 min de leitura

Imagem de capa COP 27 e o custo real da moda

Sustentabilidade

16 Novembro | 2022

COP 27 e o custo real da moda

O assunto é urgente e é preciso que todos os setores minimizem seus rastros no meio ambiente

Guilherme Weege

3 min de leitura

Imagem de capa Como mostrar às pessoas que pequenas ações importam

Sustentabilidade

13 Outubro | 2022

Como mostrar às pessoas que pequenas ações importam

Engajamento e meio ambiente devem caminhar juntos. Mas nem sempre é fácil enxergar um problema no “macro”

Candice Pascoal

2 min de leitura