fb-embed

Cultura organizacional

3 min de leitura

A inclusão obrigatória de medicamentos nos planos de saúde afeta as empresas?

A resposta é sim. Mas as organizações não devem ficar esperando o impacto dessa decisão da ANS no custo do plano de saúde de seus colaboradores, é preciso agir e ter um bom processo de gestão

Colunista Karen de Boer

Karen de Boer

14 de Março

Compartilhar:
Artigo A inclusão obrigatória de medicamentos nos planos de saúde afeta as empresas?

Recentemente, a Agência Nacional de Saúde (ANS) anunciou a inclusão de mais quatro medicamentos no rol de coberturas obrigatórias dos planos de saúde. Apesar da medida ser direcionada às operadoras e seguradoras de plano de saúde, certamente haverá impacto direto nas empresas e na gestão da saúde dentro destas companhias. Do ponto de vista humano, a cobertura é fantástica; já do ponto de vista da saúde financeira das operadoras e desses impactos nos custos da manutenção do plano de saúde pelas empresas existe ainda uma grande discussão do efeito positivo da medida.

Afinal, esta decisão é boa ou ruim? Tenho escutado essa pergunta com uma enorme frequência desde o anúncio da ANS, e a verdade é que considero um grande avanço do ponto de vista do cuidar das pessoas. A saúde está sempre em primeiro lugar, e ter acesso a medicamentos, exames e qualquer tipo de recurso que assegure o direito do usuário do plano de saúde é essencial.

Mas, por outro, lado, as empresas não precisam ficar de braços cruzados apenas esperando o impacto dessa medida no custo do plano de saúde de seus colaboradores, é preciso agir, ter processo de gestão para o bom uso do plano para que não haja nenhum tipo de equívoco, processos truncados ou desperdícios de qualquer ordem.

Tudo isso ajuda na saúde financeira, na previsibilidade de gastos, nos altos índices de sinistralidade e, consequentemente, nos abusos dos reajustes das apólices de seguro-saúde. Para isso, é preciso fazer gestão, acompanhar indicadores de utilização, verificar dados, números, inteligência de dados com BI para enxergar a utilização do benefício dentro da companhia, fazendo seu uso de forma humana, correta, racional e justa para quem usa e para quem paga pelo benefício.

Existem, claro, várias especulações no mercado de que os planos de saúde podem aumentar os preços, pois um dos medicamentos, o que é indicado para atrofia muscular espinhal, por exemplo, é um dos tratamentos mais caros do mundo e, segundo as operadoras, não há como absorver o seu custo sem impactar no preço dos planos no mercado. Hoje existem aproximadamente 700 operadoras e, sem dúvida, boa parte delas sentirá muito o impacto do custo da compra desses medicamentos.

Ou seja, a decisão pode sim afetar diretamente quem contrata um plano de saúde e, no caso das empresas que oferecem esse benefício para os seus funcionários, o aumento poderá ter um impacto significativo nas finanças da companhia. E perceba, não é de hoje, esses custos já eram altos antes da medida recém anunciada pela ANS. Sabe-se que os gastos com o benefício saúde dos colaboradores é o segundo maior custo para as empresas, ficando atrás apenas da folha de pagamento.

Não existe neste momento a melhor equação para resolver o anúncio dessa nova resolução, mas o mercado terá de, alguma forma, se adaptar, buscando medidas multidirecionais para não ter que sacrificar a saúde em prol da manutenção do mercado ou vice-versa; de não fazer do direito à saúde um vilão para a saúde financeira das empresas.

Até a implementação na prática da nova medida, as empresas precisam revisitar seus KPIs de gestão de saúde, implementado tecnologia, processos e ferramentas para equacionar ainda mais a utilização do benefício de forma a atender colaboradores e a si própria como negócio, trazendo tecnologia, previsibilidade de gastos, ajustes de rotas, programas de manutenção de saúde etc.

Não há como escolher um lado, é preciso encontrar o meio para ligar os dois extremos, considerando e priorizando as pessoas e as empresas para que as mesmas consigam manter o benefício saúde para seus colaboradores, mas que se mantenham saudáveis e perenes do ponto de vista financeiro também. Ainda temos um longo caminho pela frente, mas é possível percorrê-lo com sensibilidade e inteligência.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Karen de Boer

Karen de Boer

Karen de Boer é diretora operacional da Safe Care, empresa especializada na área de gestão de benefício saúde que oferece soluções completas de administração e consultoria em saúde.

Artigos relacionados

Imagem de capa Cultura de desenvolvimento para o crescimento sustentável da organização

Cultura organizacional

27 Novembro | 2023

Cultura de desenvolvimento para o crescimento sustentável da organização

Empresas que buscam progresso sustentável e relevância no mercado atual, aplicam a cultura de desenvolvimento investindo no crescimento dos colaboradores. A estratégia é fundamental para a formação de líderes capazes de guiar a organização rumo ao futuro

Fabiana Ramos

3 min de leitura

Imagem de capa Franchising, varejo e cultura: de gestor para gestor

Cultura organizacional

21 Novembro | 2023

Franchising, varejo e cultura: de gestor para gestor

Para criar uma cultura de franchising sólida, a empresa deve ter clareza de papéis e responsabilidades de todas as partes envolvidas na cadeia. E isso só é possível a partir da orquestração de conhecimento técnico específico, engajamento das partes envolvidas e decisão estratégica de fazer dar certo

Ana Flavia Martins

4 min de leitura

Imagem de capa Sete medidas para economizar na gestão de viagens corporativas

Cultura organizacional

16 Novembro | 2023

Sete medidas para economizar na gestão de viagens corporativas

É possível reduzir os custos e despesas das viagens corporativas, mas precisa de estratégia, planejamento de longo prazo, análise de dados, e muita pesquisa. A otimização dos recursos da empresa vai além de procurar por passagem aérea mais barata

Guilherme Rizzi

6 min de leitura

Imagem de capa Para melhorar a comunicação interpessoal, design de relacionamentos

Cultura organizacional

15 Novembro | 2023

Para melhorar a comunicação interpessoal, design de relacionamentos

Relacionamentos saudáveis permitem que as pessoas se expressem genuinamente, reconhecendo e compartilhando esforços, mesmo quando o resultado não é alcançado. Com orientação e design intencional, o potencial de comunicação pode trazer boas conexões, crescimento e sucesso

Daniela Cais

6 min de leitura

Imagem de capa Como acabar com a era de lavagem de valores humanos

Cultura organizacional

14 Novembro | 2023

Como acabar com a era de lavagem de valores humanos

Exibir a dedicação de uma organização a princípios éticos, diversidade e responsabilidade social sem implementar genuinamente esses valores no ambiente de trabalho desgasta a confiança dos colaboradores, clientes e partes interessadas, além de trazer consequências negativas no futuro

Aline Sousa

2 min de leitura

Imagem de capa Melhores empresas para trabalhar no Brasil em 2023: mudanças e curiosidades

Cultura organizacional

10 Novembro | 2023

Melhores empresas para trabalhar no Brasil em 2023: mudanças e curiosidades

Algumas transformações ocorreram ao longo do ano nas empresas consideradas as melhores para trabalhar no País. Em formato de vídeo, são listadas cinco curiosidades e mudanças que aconteceram nessas organizações em 2023

Daniela Diniz

0 min de leitura