fb-embed

Diversidade

2 min de leitura

Referências: checar ou não checar?

Se o candidato for bom demais para ser verdade, cheque suas referências. Se não for, cheque também

Colunista Joseph Teperman

Joseph Teperman

30 de Julho

Compartilhar:
Artigo Referências: checar ou não checar?

Certa vez, entrevistamos uma pessoa que foi muito bem na entrevista. Pedimos referências e ela passou o contato de um importante líder corporativo, alguém que ainda não fazia parte da nossa rede. Avisou que deveríamos ligar em um horário específico. Foi o que fizemos e as referências foram excelentes.

Entretanto, tivemos uma sensação estranha. Estava tudo bom demais para ser verdade. Como uma amiga da Inniti conhecia o tal líder, perguntamos se aquele número passado pelo candidato era o mesmo que ela tinha. A essa altura, você já sabe o final da história. Era uma fraude, e evitamos um problema grande. Para você não correr este risco, tenho algumas dicas.

Se for contratar com consultoria, não feche o processo antes de receber as referências. Além dos contatos informados pelo candidato, é importante que a consultoria pegue também algumas ‘blind references’, com pessoas que não tenham sido sugeridas por ele.

Se for contratar sem consultoria, ligue no telefone fixo da empresa (PABX) ou inicie o contato via email corporativo. É importante que você tenha em mãos um roteiro, como este que sugiro a seguir:

  • Qual era a sua relação profissional com o candidato? (Empresa, cargo, duração)
  • O que você destaca como pontos fortes, fracos e/ou a desenvolver?
  • Como os pontos fracos afetavam a performance?
  • Como você descreveria o estilo de liderança dele? O quão forte ele era em construir e desenvolver times? E em trabalhar em equipe (liderança lateral)? Você pode me dar exemplos?
  • Competência técnica é uma fortaleza real?
  • Por favor me fale sobre entrega nos prazos e confiabilidade. Pode me dar um exemplo de entrega sob pressão?
  • Em uma escala de 0 a 10, em que patamar você encaixa essa pessoa? E em relação a outras pessoas que conheceu na mesma função? O que faria mover um ponto para cima?
  • Qual foi o motivo da saída ou desligamento?
  • Trabalharia novamente com ele?

Por fim, lembre-se que os profissionais não são fortes ou fracos de maneira absoluta. Pontos fracos ou a desenvolver podem não impactar em nada a função que a pessoa tem que desempenhar na sua empresa nesse momento.

Referências são uma parte importante de um processo de seleção e escolha. Mas apenas uma parte.

A propósito, um bom profissional também pegará referências da sua empresa. Mas isso já é assunto para uma das próximas colunas. =)

Compartilhar:

Autoria

Colunista Joseph Teperman

Joseph Teperman

CEO da Amrop INNITI, Board Member, Lifelong Learner, Anticarreirista

Artigos relacionados

Imagem de capa Taxa de desemprego é 50% maior entre as mulheres; está na hora de buscarmos soluções práticas para transformar essa realidade

Gestão de pessoas

11 Março | 2024

Taxa de desemprego é 50% maior entre as mulheres; está na hora de buscarmos soluções práticas para transformar essa realidade

Programas de diversidade, recrutadores humanizados e investimento na capacitação dos funcionários estão entre iniciativas de empresas que querem fazer a diferença no mercado de trabalho

Ellen Murray

5 min de leitura

Imagem de capa Fragmentos da longevidade e etarismo na sociedade

Gestão de pessoas

09 Março | 2024

Fragmentos da longevidade e etarismo na sociedade

Reflexões sobre limites etários nas empresas e sociedade: como reconhecer a necessidade de atualizar o nosso software

Fran Winandy

8 min de leitura

Imagem de capa Desempenho e juventude, a associação a superar?

Diversidade

24 Dezembro | 2023

Desempenho e juventude, a associação a superar?

É nos esportes que o preconceito contra pessoas mais experientes no mercado de trabalho fica mais evidente. É possível combatê-lo? Até quando agiremos como se a maior longevidade não fosse uma realidade que chegará à maioria?

Fran Winandy

9 min de leitura