fb-embed

Diversidade

4 min de leitura

Protagonismo feminino: quatro estratégias para ocupar seu lugar sem máscaras

Ganhamos menos que os homens e estamos em menor número nas lideranças, mas não adianta combater fogo com mais fogo. Assuma sua posição de protagonista sem perder sua essência

Colunista Lisia Prado

Lisia Prado

31 de Março

Compartilhar:
Artigo Protagonismo feminino: quatro estratégias para ocupar seu lugar sem máscaras

O mês de março sempre traz discussões sobre a valorização das mulheres no ambiente profissional. E os resultados de diversas pesquisas realizadas tanto no Brasil quanto mundo afora provam que ainda há um Monte Everest a ser conquistado quando o assunto é igualdade.

As mulheres ocupam apenas 38% de todos os cargos de liderança no Brasil. Ganhamos 20% a menos que o sexo masculino, estamos em 35% dos postos de CEO e somos 47% das lideranças financeiras. Os dados são do IBGE e da Grant Thornton, que realizou uma pesquisa com mais de 250 empresas brasileiras em 2022.

A escalada em direção ao topo é bem mais difícil e cheia de obstáculos únicos. Nos preparamos mais, tanto que somos maioria nos cursos de graduação, MBA e não há dúvida de que talento e habilidades não têm gênero. Tanto que empresas com uma maioria de mulheres na liderança vê um resultado operacional 48% maior e até 70% de crescimento no faturamento, de acordo com pesquisa da Mckinsey Group.

O hype da pauta da agenda ESG, que inclui uma melhor distribuição entre homens e mulheres na empresa, poderia ser uma maneira de tornar o acesso aos cargos mais igualitário, mas nada mudou até agora.

Outro estudo da McKinsey observou que as mulheres líderes tendem a enfrentar micro agressões que prejudicam sua autoridade. Colegas homens que levaram o crédito pelas suas ideias, ameaças veladas e insinuações de que não somos qualificadas são apenas alguns exemplos do que pode acontecer.

A resposta a esse ambiente hostil vem na forma de uma masculinização das mulheres como maneira de conseguir espaço em cargos de liderança. Afinal, não há melhor maneira de combater fogo com mais fogo. Mas será mesmo?

Já provamos nossa capacidade tanto intelectual quanto produtiva, e é triste perceber que ainda é necessário interpretar o papel de pessoa forte, decidida e sem sentimentos para assumir posições de decisão.

Assumir uma posição de protagonismo pode não ser fácil. Mas com as estratégias certas, é possível conservar sua essência sem colocar uma máscara.

1. Dê o primeiro passo mesmo antes de se sentir pronta

Um estudo da Hewlett-Packard descobriu que os homens se candidatam a uma promoção ou novo trabalho quando atendem a 60% das qualificações, e as mulheres apenas se atendem a 100% delas.

As mulheres inconscientemente acreditam que, se não atenderem exatamente aos critérios do trabalho, não serão adequadas para o cargo. Deixe a sua zona de conforto! Na maioria das vezes, você não vai se sentir 100% pronta, preparada ou sem medo.

2. Não se compare com os outros

Como disse Brené Brown, pesquisadora em vulnerabilidade e vergonha: “a comparação mata a criatividade”. É difícil, mas não se compare com os outros, porque isso irá bloquear seu potencial criativo e a sua capacidade de manter uma visão para os outros.

Se você se surpreender no ato de comparação, experimente o exercício em que lista todas as coisas que estão indo bem em seu papel de liderança. Lembre-se de quão longe você chegou para sustentá-lo na longa estrada até o topo.

3. Demonstre força com graça e bondade

Você não precisa ser mandona, rude ou condescendente para demonstrar força. Na verdade, as líderes mais fortes que conheço são inclusivas, colaborativas, gentis e atenciosas. Comunique-se com atenção plena. Dê crédito aos outros. Seja dura, mas justa. Tenha integridade, ouça com a intenção de entender. Seja honesta.

E lembre-se, ser um líder não é fácil. Caso contrário, todos fariam isso!

4. Ofereça apoio e não críticas

A maior barreira para o sucesso de líderes femininas é a competição, a crítica e a negatividade de outras mulheres! Faça um favor a todos ao seu redor e ofereça apoio, não críticas. Quando você encontrar outra mulher tendo sucesso, torça por ela! Ela está abrindo caminho para você e tantas outras meninas. Então ofereça a ela sua mão, seu aplauso e sua generosidade.

O sucesso é encontrado fora da zona de conforto, mas muitas vezes ele é prejudicado pelo medo do desconhecido. A melhor maneira de superar o medo é reconhecer que ele existe e fazer o que te assusta mesmo assim.

Quando você se sentir incapaz, lembre-se de todas as suas conquistas e dos feedbacks positivos que já recebeu. Não torne a insegurança um impeditivo para o seu crescimento. Só depende de você ocupar um lugar na história.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Lisia Prado

Lisia Prado

É sócia da House of Feelings, primeira escola de sentimentos do mundo.

Artigos relacionados

Imagem de capa Taxa de desemprego é 50% maior entre as mulheres; está na hora de buscarmos soluções práticas para transformar essa realidade

Gestão de pessoas

11 Março | 2024

Taxa de desemprego é 50% maior entre as mulheres; está na hora de buscarmos soluções práticas para transformar essa realidade

Programas de diversidade, recrutadores humanizados e investimento na capacitação dos funcionários estão entre iniciativas de empresas que querem fazer a diferença no mercado de trabalho

Ellen Murray

5 min de leitura

Imagem de capa Fragmentos da longevidade e etarismo na sociedade

Gestão de pessoas

09 Março | 2024

Fragmentos da longevidade e etarismo na sociedade

Reflexões sobre limites etários nas empresas e sociedade: como reconhecer a necessidade de atualizar o nosso software

Fran Winandy

8 min de leitura

Imagem de capa Desempenho e juventude, a associação a superar?

Diversidade

24 Dezembro | 2023

Desempenho e juventude, a associação a superar?

É nos esportes que o preconceito contra pessoas mais experientes no mercado de trabalho fica mais evidente. É possível combatê-lo? Até quando agiremos como se a maior longevidade não fosse uma realidade que chegará à maioria?

Fran Winandy

9 min de leitura

Imagem de capa Há cura para o machismo que o câncer de mama escancara

Diversidade

27 Outubro | 2023

Há cura para o machismo que o câncer de mama escancara

A campanha #OutubroRosa não pode ser só de fachada nas empresas e nem direcionada apenas às mulheres. Os líderes homens precisam estar atentos à essa doença tanto quanto às mulheres, cuidando de suas companheiras e colaboradoras na organização o ano todo

Neivia Justa

5 min de leitura