fb-embed

Diversidade

1 min de leitura

Mulheres nos conselhos de administração: qual é a parte que te falta?

Grandes empresas devem ter mínimo de 30% de assentos femininos

Colunista Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

20 de Junho

Compartilhar:
Artigo Mulheres nos conselhos de administração: qual é a parte que te falta?

Na União Europeia, a representatividade feminina nos conselhos de administração de companhias listadas em bolsa vai deixar de ser apenas sinal de boas práticas. Vai passar a ser lei.

O Conselho e o Parlamento Europeu chegaram a um acordo para criar a legislação que impõe metas de equilíbrio de gênero para as empresas de capital aberto do bloco. Em conselhos com funções executivas, o mínimo será de 33%. Em ambos os casos, o prazo de adequação às metas é 2026. O texto prevê ainda que, em colegiados sem função executiva, o percentual mínimo de mulheres deve ser de 40% dos assentos.

No mesmo mês em que o bloco europeu avança mais um passo em direção à equidade em cargos de liderança, o Instituto Mulheres do Imobiliário firmou seu compromisso com o “30% Club”, uma campanha global liderada por presidentes e CEOs que atuam de forma voluntária para aumentar a diversidade de gênero nos níveis de diretoria e gerência sênior.

O “30% Club Chapter Brazil” foi lançado oficialmente em 2019. Desde então, serve para “influenciar a promoção do equilíbrio de gênero nos conselhos das 100 maiores companhias de capital aberto listadas na B3”, afirma a presidente da iniciativa no Brasil, Anna Guimarães.

Alguns setores já possuem 30% de conselheiras, com destaque para varejo e telecomunicações. Outros, menos preparados, estão se preparando para a mudança, como é o caso do imobiliário.

Guimarães indica que os fundadores de uma companhia que deseja abrir seu capital devem dar atenção à composição do seu conselho de administração. Afinal, é ele que irá governar a organização dali em diante.

Como a tendência europeia pode impactar quem ainda não se preparou para a mudança? Fique atento à parte que lhe falta e busque chegar, no mínimo, a 30%.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal é a diretora presidente do Instituto Mulheres do Imobiliário. LinkedIn Top Voices, TEDx Speaker, produz e apresenta o podcast Vieses Femininos. Autora de Proprietárias: A ascensão da liderança feminina no setor imobiliário.

Artigos relacionados

Imagem de capa Desempenho e juventude, a associação a superar?

Diversidade

24 Dezembro | 2023

Desempenho e juventude, a associação a superar?

É nos esportes que o preconceito contra pessoas mais experientes no mercado de trabalho fica mais evidente. É possível combatê-lo? Até quando agiremos como se a maior longevidade não fosse uma realidade que chegará à maioria?

Fran Winandy

9 min de leitura

Imagem de capa Duas tendências para evolução da governança colaborativa

Diversidade

24 Outubro | 2023

Duas tendências para evolução da governança colaborativa

A crescente busca por participação feminina e a preocupação com a sustentabilidade são cruciais para o constante avanço do cenário da governança colaborativa. Essas tendências estão transformando o modo como empresas e governos conduzem suas operações e tomam decisões

Farias Souza

2 min de leitura

Imagem de capa D&I: como adotar medidas para melhorar a dinâmica da equipe

Diversidade

10 Outubro | 2023

D&I: como adotar medidas para melhorar a dinâmica da equipe

O compromisso da liderança é promover uma cultura inclusiva em todos os níveis da organização. Para uma abordagem prática do tema, devem ser estabelecidas metas mensuráveis, medidas concretas e políticas de responsabilização transparentes nas organizações, além da escuta ativa

Raquel Braga

3 min de leitura

Imagem de capa Investimentos em startups difere pelo gênero da liderança: como mudar o cenário

Diversidade

25 Agosto | 2023

Investimentos em startups difere pelo gênero da liderança: como mudar o cenário

Startups fundadas por mulheres recebem menos investimentos do que as lideradas por homens, mas elas faturam mais. Organizações precisam tomar a iniciativa de investir mais no empreendedorismo feminino

Carolina Gilberti

2 min de leitura