fb-embedMisoginia e omissão: a comunicação como ferramenta de retrocesso HSM Management

Liderança

2 min de leitura

Misoginia e omissão: a comunicação como ferramenta de retrocesso

O discurso do combate à misoginia, ao sexismo e ao machismo dura pouco quando olharmos para realidade dentro e fora das empresas, e na emissão de mensagens contra mulheres nas redes sociais

Colunista Neivia Justa

Neivia Justa

24 de Fevereiro

Compartilhar:
Artigo Misoginia e omissão: a comunicação como ferramenta de retrocesso

Que futuro tem um País em que a vilania distorce a realidade, construindo narrativas falsas a serviço da manutenção de interesses espúrios de grupos específicos?

Como é possível que autores de qualquer tipo de comunicação, que exponha e ofenda pessoas, manchando ou comprometendo suas reputações, possam permanecer impunes?

Onde está a justiça? E quando essa máquina de comunicação falsa utiliza requintes de misoginia com uma clara motivação política?

Antes de prosseguir nessa conversa, vale esclarecer alguns conceitos: misoginia é um termo usado para definir sentimentos de aversão, repulsa ou desprezo pelas mulheres e valores femininos. A palavra é oriunda do grego “miseo” - ódio e “gyne” - mulheres.

Misoginia, machismo e sexismo são três conceitos interligados que, infelizmente, seguem fundamentando a violência contra a mulher aqui no Brasil.

A misoginia é um sentimento de aversão patológico pelo feminino, traduzido em comportamentos, opiniões e atitudes machistas que visam a manutenção das desigualdades e da hierarquia entre os gêneros, alimentando a crença de superioridade do poder e da figura masculina.

O sexismo é o conjunto de atitudes discriminatórias e de objetificação sexual, fundamentado em estereótipos, para estabelecer o papel social que cada gênero deve exercer.

Embora tenhamos avançado bastante, nos últimos 50 anos, no combate à misoginia, machismo e sexismo aqui no Brasil, volta e meia nos deparamos com episódios públicos repugnantes que cheiram a naftalina e a enxofre, tamanho é o retrocesso e a violência que eles retratam do nosso atual momento.

Engajamento machista, de efeito sexista e misógino

Fevereiro começou com um desses tristes e grotescos episódios: um vídeo anônimo, debochado e ofensivo, construído a partir de falas descontextualizadas de mulheres da concessionária responsável pela obra da linha 6 do metrô de São Paulo, foi criminalmente viralizado nas redes sociais para nos fazer acreditar que o acidente ocorrido na obra é responsabilidade e fruto da incompetência dessas mulheres.

Episódios como esse deveriam inspirar indignação e mobilização coletiva. E por que não inspiram? Por que a esmagadora maioria das manifestações de repúdio e apoio tem vindo das mulheres?

Onde estão os homens líderes que não se posicionam? Por que eles não usam seu lugar de poder e sua influência para demonstrar solidariedade e repúdio a um ato criminoso como esse?

Cadê o discurso, na prática? O que explica a omissão e o silêncio ensurdecedor de incontáveis líderes empresariais que se dizem antimachistas, inclusivos e promotores da igualdade de gênero?

Por que eles permanecem calados, mantendo-se alienados da realidade? Cadê a empatia e o respeito à diversidade de que tanto falam? E se uma dessas mulheres violentamente ofendidas fosse a mãe, a esposa, a filha, a nora, a sobrinha, a afilhada deles, será que se engajariam nessa justa causa?

Como dizia Martin Luther King, “o que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons".

Gostou do artigo da Neivia Justa? Confira conteúdos semelhantes assinando nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Neivia Justa

Neivia Justa

Neivia Justa

Fundadora da #JustaCausa, do programa #lídercomneivia e dos movimentos #ondeestãoasmulheres e #aquiestãoasmulheres

Artigos relacionados

Imagem de capa Representatividade e fidelização de talentos nas empresas

Diversidade

18 Julho | 2022

Representatividade e fidelização de talentos nas empresas

É tempo de as organizações irem além do discurso da diversidade por resultado e olharem para a experiência que proporcionam aos colaboradores no dia a dia

Zeni doVale

4 min de leitura

Imagem de capa Contratação de minorias e LGPD: como lidar com a insegurança jurídica

Diversidade

30 Junho | 2022

Contratação de minorias e LGPD: como lidar com a insegurança jurídica

Lei Geral de Proteção de Dados impõe limites ao tratamento de dados pessoais na contratação de minorias. Mas isso não quer dizer que empresas devem deixar de buscar a inclusão e a diversidade

Priscila Novis Kirchhoff, Jackeline Gomes Falcão e Rafaella Medina Peres

5 min de leitura

Imagem de capa Como sua organização pode ser para todos e todas

Diversidade

29 Junho | 2022

Como sua organização pode ser para todos e todas

Esse é um longo caminho que passa ainda por inclusão, equidade e pertencimento

Fred Alecrim

3 min de leitura

Imagem de capa LGBTI+: as melhores empresas para trabalhar

Diversidade

29 Junho | 2022

LGBTI+: as melhores empresas para trabalhar

No Mês do Orgulho, foram divulgadas as 38 empresas reconhecidas por oferecem um ambiente mais inclusivo no mercado de trabalho brasileiro

Sandra Regina da Silva

3 min de leitura