fb-embed

Liderança

5 min de leitura

Líder, você possui uma agenda de liderança?

Agenda consigo mesmo, com o time e com os resultados. Descubra três caminhos de desenvolvimento complementares que diferenciam o líder de média e alta gerência

Valéria Pimenta

25 de Outubro

Compartilhar:
Artigo Líder, você possui uma agenda de liderança?

A agenda de qualquer líder é sempre disputada. Ao chegar ao topo da hierarquia corporativa, os compromissos se tornam mais constantes e exigem dedicação maior de tempo. Podemos dizer, em linhas gerais, que a pandemia intensificou ainda mais essa agenda, já que – apesar de evitar perdas em deslocamentos - as reuniões online se multiplicaram (e muito).

Absorvidos fortemente pelo dia a dia, muitos líderes, seja por comodismo, excesso de controle, microgestão ou falta de confiança nos times, se esquecem de criar uma agenda de liderança. Isso, a médio e longo prazo, pode ser muito prejudicial para qualquer companhia. Os líderes têm uma missão importante para com os liderados: ser o agente de (estratégicas) mudanças. Seja comportamental, cultural ou mercadológica, é vital que este profissional tenha clareza sobre esse desafio.

Leia também:

No entanto, uma pesquisa recente, da Reconnect Happiness at Work em parceria com a Feedz, traz um dado preocupante sobre esse tema. O estudo revela que os profissionais estão desengajados e sobrecarregados com seu trabalho. E, do total de entrevistados, mais da metade (55,6%) estão em papéis de liderança. Outro levantamento, este realizado pela consultoria empresarial Betania Tanure Associados, e que vai ao encontro dessa constatação, diz que os líderes notam estar presos em ações que pouco contribuem para que seu papel principal seja desempenhado.

A gestão do tempo, segundo a pesquisa, é considerada o maior desafio profissional enfrentado pelos líderes (24%), superando, inclusive, a gestão de pessoas (18%). Dados deste tipo auxiliam a jogar luz sobre esse tema. É vital que, seja ao assumir uma posição de liderança ou mesmo se aprimorar durante esta jornada, o líder tenha em mente a importância de criar sua própria agenda de liderança. Com ele, primeiramente, com o time, e com os resultados.

Primeiro passo: como criar uma agenda consigo mesmo?

Olhar para o próprio desenvolvimento é essencial. É fortemente recomendado que, nessa agenda consigo mesmo, os líderes busquem o autoconhecimento. Um líder comprometido com a autoliderança investe tempo para entender suas próprias forças, fraquezas, valores, crenças e motivações. Isso o auxilia a tomar decisões alinhadas com seus objetivos e valores pessoais.

Estabelecer metas pessoais claras é essencial nesta agenda consigo mesmo. Isso inclui metas relacionadas à carreira, desenvolvimento pessoal, saúde e equilíbrio entre vida pessoal e profissional. É importante que um líder saiba como gerenciar suas próprias emoções, buscando o autocontrole emocional, evitando reações impulsivas e tomando decisões ponderadas, especialmente em situações de alta pressão.

O apoio de uma consultoria externa, como o trabalho sério e profissional de coaching, fora dos muros da empresa, pode ser um fator positivo e decisivo nesse processo. A disciplina para se manter firme em busca dessa agenda de liderança é vital para que o looping diário não o tire da direção correta.

Agenda com o time – trabalho vital de qualquer líder que preze o desenvolvimento da equipe

Há diferentes possibilidades para criar uma agenda de liderança com o time. Diariamente, de maneira muito objetiva, verificar as atividades e responsabilidades da equipe é um dos caminhos que pode estreitar o relacionamento com os liderados. Vale, porém, reforçar que isso é diferente “do líder descer à operação”. Semanalmente, é vital que os líderes revisitem atividades, entendam as “dores” da equipe e, em conjunto, ouçam os liderados para resolver os problemas.

As reuniões individuais com os colaboradores, as conhecidas reuniões 1:1 (one-on-one), também precisam ser implementadas. Em relação à periodicidade, vale destacar que não há regras. É preciso avaliar diferentes questões, como a maturidade profissional do colaborador, já que algumas pessoas podem estar a menos tempo na função e precisar de acompanhamento mais próximo, outros, embora mais maduros, podem estar enfrentando dificuldades no relacionamento com pares.

Em linhas gerais, podemos dizer que esse tipo de reunião ajuda os líderes a evitar ruídos na comunicação, ausência de feedbacks, lentidão na carreira ou no desenvolvimento dos liderados, falta de confiança no líder, frustrações não geridas e, por fim, conflitos interpessoais.

Criar uma agenda de resultados pode ser o diferencial nesse tripé de liderança

Além das duas agendas de liderança citadas acima, é vital também que os líderes foquem nos resultados da companhia. O comprometimento do líder com os resultados é um elemento crítico para o sucesso de qualquer equipe ou organização. Quando um líder está genuinamente comprometido com a obtenção de resultados, ele demonstra uma série de comportamentos e atitudes que influenciam positivamente a equipe. E o líder que conduz o time para esse objetivo tende a ser, na maioria dos casos, visto com outros olhos.

A agenda de resultados do líder deve ter, primeiramente, metas claras e alcançáveis, olhando sempre para o negócio. O líder deve comunicar as metas, expectativas e prioridades de forma clara e regular. Ele deve garantir que todos na equipe entendam o que está em jogo e como seu trabalho contribui para os resultados globais do negócio.

É fundamental destacar, no entanto, que os líderes implementem essas três agendas em paralelo. Assim como em muitos aspectos da vida, é necessário encontrar um equilíbrio que permita que esses caminhos estejam em harmonia e sejam desenvolvidos de forma conjunta.

É sempre válido lembrar, porém, que nenhuma receita milagrosa pode encurtar esse caminho, por isso, evite se iludir com soluções rasas. Identificar seu tipo de gestão, as lacunas do time que podem estar prejudicando sua performance como líder e ter um plano de ação para inverter esse círculo vicioso é o primeiro passo para criar uma agenda de liderança eficaz, que conduza, não somente o líder, mas todos os liderados para a direção correta.

Compartilhar:

Autoria

Valéria Pimenta

Valéria Pimenta é diretora de negócios na Thomas International Brasil, provedora de avaliações comportamentais, presente em 60 países.

Artigos relacionados

Imagem de capa Liderança com propósito e ambidestria são chaves para seguir empreendendo em 2024

Liderança

07 Fevereiro | 2024

Liderança com propósito e ambidestria são chaves para seguir empreendendo em 2024

Compreender o passado, para refazer o futuro e alinhado com propósitos necessários que 2024 precisa

Fábio Hayashi

4 min de leitura

Imagem de capa Caito Maia e o perfil do CEO da nova economia

Liderança

08 Dezembro | 2023

Caito Maia e o perfil do CEO da nova economia

Os líderes de empresas de tecnologia não têm o monopólio da liderança adequada à nova economia. Confira o porquê nesta conversa aberta sobre tecnologia, sustentabilidade, arte, negócios e gestão de pessoas com o fundador e CEO da Chilli Beans

Leonardo Pujol

9 min de leitura

Imagem de capa Autoconhecimento para liderar: a diferença entre o estar e ser um grande líder

Liderança

09 Novembro | 2023

Autoconhecimento para liderar: a diferença entre o estar e ser um grande líder

O autoconhecimento precisa ser desenvolvido com foco na liderança. A pessoa-líder deve entender sua história, seus gatilhos, suas perspectivas futuras e a construir a autoliderança para assim exercê-la com empatia e inteligência emocional em seus liderados

Heloísa Capelas

3 min de leitura

Imagem de capa Líder, você possui uma agenda de liderança?

Liderança

25 Outubro | 2023

Líder, você possui uma agenda de liderança?

Agenda consigo mesmo, com o time e com os resultados. Descubra três caminhos de desenvolvimento complementares que diferenciam o líder de média e alta gerência

Valéria Pimenta

5 min de leitura

Imagem de capa Quem não sabe fazer, não sabe liderar

Liderança

31 Julho | 2023

Quem não sabe fazer, não sabe liderar

A liderança de uma empresa deve ser capaz de inspirar os colaboradores, agregar valor e ser resiliente, contribuindo para o engajamento da equipe e, consequentemente, para melhores resultados

Matheus Danemberg

4 min de leitura