fb-embed

Diversidade

3 min de leitura

Fale para o seu time que está tudo bem

Se você também está em um papel de liderança, nunca esqueça de dizer isso para o seu time: está tudo bem. Talvez seja isso que eles precisam escutar em um momento delicado.

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

10 de Março

Compartilhar:
Artigo Fale para o seu time que está tudo bem

Esses dias uma pessoa da minha equipe nos contou que está grávida. Onde eu trabalho o nascimento de bebês é motivo de grande alegria e ficamos todos muitos felizes por ela. Eu, pai que sou, nem disfarcei a minha empolgação. Sempre falo pra todo mundo que ser pai foi o melhor e mais desafiador momento da minha carreira.

Quando nasceu a minha pequena, tanto o meu gerente quanto a empresa foram sensacionais. Eu tive quatro meses de licença paternidade e o total apoio do meu líder. Ele me deu muita flexibilidade para usar esse período como eu quisesse e fez uma coisa que mostrava bem o bom líder que ele é: deixou claro que essa pausa não iria interferir na minha carreira, nos meus projetos e nem no meu crescimento.

Contudo, eu sei que isso não é a reação comum no mercado. Longe disso. Ainda temos muito preconceito - velado ou não - para quem embarca nessa jornada.

Principalmente para as mulheres.

Por isso fiz questão de dizer duas coisas para a futura mamãe do meu time: que eu estava muito feliz pela notícia e pela chegada de um novo pequeno no nosso time e que ela está em uma das melhores empresas do mundo para se ter um filho.

Eu queria que ela escutasse de mim, o líder do time, que está tudo bem. Depois, fui além. Em uma conversa sobre o seu futuro disse que sua carreira nunca seria prejudicada por isso, que ela poderia ter o seu pequeno em paz e saber que, quando voltar, vamos recebê-los de braços abertos.

Por que eu fiz isso?

Porque, como contei, já estive do outro lado dessa história em menores proporções e sei que o mercado é cruel com as novas mães. Se você é uma, com certeza sabe do que estou falando. A demissão na volta da licença maternidade, as perguntas indiscretas sobre filhos nas entrevistas e a remoção de cargos/responsabilidades porque agora você é uma mãe.

E o mercado não é apenas cruel com as novas mães, ele é cruel com qualquer circunstância que o tire da grande ilusão do funcionário “perfeito” e presente o tempo todo.

Esses dias me escreveu uma pessoa que não sabia o que fazer ou como falar com o seu gerente. O motivo? Ele foi diagnosticado com depressão e ia começar um tratamento que envolveria ficar um tempo fora. Estava absolutamente apavorado em ter que abrir a história para a empresa e sofrer algum tipo de retaliação ou até mesmo ser demitido mais para frente.

Quando eu perguntei porque ele achava que isso poderia acontecer, não sabia me dizer. Falamos um pouco e ele me contou alguns casos em que a empresa foi bem parceira em situações parecidas e ofereceu todo o suporte necessário. Contudo, não sabia se o mesmo aconteceria com ele e o pensamento em perder o emprego o apavorava.

É aqui que entra o papel do líder.

Diga para o seu time que está tudo bem.

Seja pela boa notícia de que um novo membro da família vai chegar, pelo infortúnio da doença ou qualquer outro evento inesperado (ou não) da vida. Quando isso acontecer com alguém do seu time, seja o primeiro a chamar a pessoa para uma conversa e diga que está tudo bem. Explique quais os prováveis cenários que podem acontecer e como vocês estão do lado dele nessa jornada.

Escutar isso da boca do líder do time não é apenas reconfortante, pode ser a força, alívio ou palavras necessárias para passar por aquela fase.

Eu tive um líder que fez isso comigo, hoje faço isso com minha equipe e espero o mesmo de qualquer gerente que esteja no meu time. Quero que todos saibam que está tudo bem, que somos um time e estamos juntos para o que der e vier.

Se você também está em um papel de liderança, nunca esqueça de dizer isso para o seu time: está tudo bem. Talvez seja isso que eles precisam escutar em um momento delicado.

O seu time nunca esquecerá disso.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

Luciano Santos

Luciano possui +20 anos de experiência no mercado digital tendo iniciado sua carreira no portal UOL, trabalhou 10 anos no Google Brasil em diversas áreas e foi diretor no Facebook Brasil a frente de uma equipe de vendas em São Paulo. É escritor e autor do livro "Seja Egoísta com sua Carreira", embaixador da Escola Conquer e faz parte do conselho consultivo da Agile.Inc.

Artigos relacionados

Imagem de capa Desempenho e juventude, a associação a superar?

Diversidade

24 Dezembro | 2023

Desempenho e juventude, a associação a superar?

É nos esportes que o preconceito contra pessoas mais experientes no mercado de trabalho fica mais evidente. É possível combatê-lo? Até quando agiremos como se a maior longevidade não fosse uma realidade que chegará à maioria?

Fran Winandy

9 min de leitura

Imagem de capa Duas tendências para evolução da governança colaborativa

Diversidade

24 Outubro | 2023

Duas tendências para evolução da governança colaborativa

A crescente busca por participação feminina e a preocupação com a sustentabilidade são cruciais para o constante avanço do cenário da governança colaborativa. Essas tendências estão transformando o modo como empresas e governos conduzem suas operações e tomam decisões

Farias Souza

2 min de leitura

Imagem de capa D&I: como adotar medidas para melhorar a dinâmica da equipe

Diversidade

10 Outubro | 2023

D&I: como adotar medidas para melhorar a dinâmica da equipe

O compromisso da liderança é promover uma cultura inclusiva em todos os níveis da organização. Para uma abordagem prática do tema, devem ser estabelecidas metas mensuráveis, medidas concretas e políticas de responsabilização transparentes nas organizações, além da escuta ativa

Raquel Braga

3 min de leitura

Imagem de capa Investimentos em startups difere pelo gênero da liderança: como mudar o cenário

Diversidade

25 Agosto | 2023

Investimentos em startups difere pelo gênero da liderança: como mudar o cenário

Startups fundadas por mulheres recebem menos investimentos do que as lideradas por homens, mas elas faturam mais. Organizações precisam tomar a iniciativa de investir mais no empreendedorismo feminino

Carolina Gilberti

2 min de leitura