fb-embed

Diversidade

6 min de leitura

Estratégias para gerenciar seus “botões quentes”

Você sente raiva, frustração ou outro tipo de contrariedade quando alguém age de certa maneira? Entenda suas emoções conhecendo as forças de caráter | Por Ryan Niemiec

30 de Abril

Compartilhar:
Artigo Estratégias para gerenciar seus “botões quentes”

Todo mundo tem “botões quentes” das forças de caráter, ou seja, áreas sensíveis em que a utilização das forças de outra pessoa (frequentemente, superutilização ou subutilização) é percebida, e desencadeia desconforto ou frustração. Normalmente, isso decorre das crenças do observador sobre as próprias forças de caráter. É como se as forças da pessoa impactada tivessem sido questionadas. 

Botões quentes podem ser uma fonte de conflitos, colisão de forças, e/ou podem até mesmo explicar por que um problema está ocorrendo. Eis alguns exemplos reais de botões quentes das forças de caráter de alguns dos meus pacientes e ex-alunos:

•• Uma jovem com alta bondade e generosidade sente-se angustiada pela falta de participação em uma reunião da equipe.

•• Um homem com alta curiosidade sente-se frustrado pela aparente falta de interesse mútuo e falta de perguntas recíprocas.

•• Uma mulher com alta imparcialidade sente-se enraivecida pelo desprezo notório de um indivíduo em relação ao bem-estar de outros.

•• Um colega com alto trabalho em equipe sente-se frustrado pela falta de participação e contribuição de um dos membros da equipe, que deixa o restante fazer o trabalho.

•• Um jovem com alta honestidade sente-se ofendido pelas pessoas que dão desculpas, culpam, exageram e desviam-se da verdade, sem serem diretas, especialmente os políticos!

•• Uma subordinada com alta gratidão sente-se decepcionada quando não é reconhecida no trabalho por seu chefe, ao fazer um esforço adicional nos projetos de trabalho semana após semana.

Estratégias globais

Agora que você entendeu o que acontece, pode tentar assumir o controle dessas questões sensíveis com duas táticas:

1. Gestão retrospectiva. Você já reagiu, mas reconhece a realidade dos botões quentes – essa é uma questão essencialmente sua. Da próxima vez, quer agir melhor. Então, você deve fazer uma reflexão, com as seguintes perguntas: 

•• O que você fará diferente da próxima vez que estiver em uma situação semelhante?

•• Que força de caráter você pode utilizar para atenuar o modo como sentiu-se ofendido?

2. Gestão prospectiva. Esse tipo de providência refere-se a olhar para uma situação no futuro, em que você acredita que poderá ofender-se, e então tomar medidas preventivas. Talvez em breve você esteja em uma reunião com uma pessoa difícil, e terá de confrontar alguém ou realizar um projeto com uma pessoa preguiçosa. Para preparar-se para um funcionamento ótimo no calor do momento, considere essas perguntas:

•• Que resultado você busca com essa situação/interação? O que você espera que aconteça?

•• Como você pode adotar uma abordagem de compreender/aprender, em vez de mudar a visão do outro?

•• Que forças de caráter você precisará empregar? Como poderá desenvolvê-las?

•• Que forças de caráter você precisará utilizar para permanecer no relacionamento com a pessoa sem tentar mudá-la (por exemplo, utilizar o perdão em pequenas doses)?

•• Que forças de caráter você precisará deixar de lado (por exemplo, afrontas a sua força da imparcialidade), como um sacrifício, para a melhora do relacionamento?

•• A implantação planejada de uma força de caráter particular seria útil? De que força? Como você utilizará essa força na situação?

Estratégias específicas

1. Escuta plena e fala consciente. Ouvir o outro com atenção plena mantendo o completo foco no momento presente, e ouvir e observar em vez de julgar, analisar, ou deter-se na emoção pode transformar o momento. As interações envolvem uma coleção de momentos que podem ser transformados. Quando falamos, podemos praticar a fala consciente – do coração – que seja clara, direta, específica e empática.

2. Seja especialmente forte nos “primeiros três minutos”. O pesquisador de relacionamento de casais John Gottman chama os primeiros três minutos de uma discussão de período crítico para

se estabelecer conversas sobre conflitos, o que prediz resultados conjugais bem ou malsucedidos. Gottman sugere empregar um início brando em que haja uma abertura gentil para discussões sobre o conflito. Ele apresenta razões pelas quais esses minutos iniciais são cruciais para a conversa:

•• É sobre gerir as emoções potencialmente “quentes” e a fisiologia corporal alterada (autocontrole).

•• Ter tato ao iniciar a conversa (prudência).

•• Demonstrar um estado mental de abertura, em vez de constrito (curiosidade e discernimento/mente aberta).

•• Gerir a reatividade emocional (autocontrole e inteligência social).

3. Pratique a reavaliação focada na compaixão. Isso refere-se a uma prática específica e à maneira de perceber alguém que lhe ofendeu. Envolve enfatizar a humanidade complexa do ofensor e interpretar a ofensa como evidência de que ele precisa experimentar crescimento positivo ou transformação. Isso pode trazer benefício tanto físico quanto mental para a pessoa que foi ofendida.

4. Personalize a utilização das forças de caráter para gerenciar os botões quentes da situação. Aqui estão alguns exemplos de meus clientes ou alunos:

•• Lembro-me de uma cliente que tinha o perdão particularmente alto e ofendia-se pelos membros da família que não perdoavam e eram muito rancorosos. Ela tentou utilizar a bondade e o amor com eles (isto é, “mate-os com bondade”), mas isso não pareceu atenuar a falta de perdão. A inteligência social para agir apropriadamente e a prudência para ter cautela com as palavras e ações ajudaram a prevenir o conflito, mas não corrigiram o nó no

estômago em relação ao botão quente do perdão. Então, ela reconheceu isso e que poderia utilizar a própria força do perdão – a mesma força que estava causando seu sofrimento! Ela “perdoou” deliberadamente os membros de sua família por suas ações, ignorância e escolhas ruins. Embora muito disso tenha sido interno e não expresso de forma interpessoal, ela percebeu que tinha uma ferramenta que poderia utilizar cada vez que o botão quente fosse acionado.

•• Uma nova funcionária tinha seu botão quente da criatividade acionado regularmente no trabalho quando falava sobre um assunto interessante e alguém a interrompia ou mudava de assunto. Utilizou a humildade para voltar mais a atenção para outros e o perdão para deixar de lado qualquer arrependimento sobre isso. Ela acrescentou que, para restaurar um equilíbrio maior, suas forças da imparcialidade e bondade em relação aos outros também precisavam ser um pouco mais elevadas.

•• Um jovem teve um novo e empolgante insight e quis compartilhar com sua esposa enquanto ela via TV. Ela olhou para ele, mas não estava escutando. Ele deixou a sala chateado porque não recebeu a empatia ou o envolvimento que havia esperado. Ele pausou, procurou o botão quente e reconheceu que sua imparcialidade estava sendo ativada. Ele acrescentou ter descoberto que foi parcial com sua esposa, pois interrompeu seu fluxo e manteve expectativas sobre ela. Explicou que a força da perspectiva foi útil para ver a situação de sua esposa mais claramente e sua força do autocontrole o ajudou a gerir seus sentimentos e encontrar equilíbrio na situação.

A próxima vez

Quando você sentir o comportamento de um indivíduo como uma afronta pessoal e deliberada, lembre-se dos “botões quentes”. Veja se isso não se aplica a você e se essas estratégias de gerenciamento não podem ajudá-lo. O principal beneficiado será você mesmo. 

* Artigo baseado nos highlights do livro Intervenções com forças de caráter, de Ryan Niemiec (ed. Vida Integral).

Compartilhar:

Autoria

Artigos relacionados

Imagem de capa Taxa de desemprego é 50% maior entre as mulheres; está na hora de buscarmos soluções práticas para transformar essa realidade

Gestão de pessoas

11 Março | 2024

Taxa de desemprego é 50% maior entre as mulheres; está na hora de buscarmos soluções práticas para transformar essa realidade

Programas de diversidade, recrutadores humanizados e investimento na capacitação dos funcionários estão entre iniciativas de empresas que querem fazer a diferença no mercado de trabalho

Ellen Murray

5 min de leitura

Imagem de capa Fragmentos da longevidade e etarismo na sociedade

Gestão de pessoas

09 Março | 2024

Fragmentos da longevidade e etarismo na sociedade

Reflexões sobre limites etários nas empresas e sociedade: como reconhecer a necessidade de atualizar o nosso software

Fran Winandy

8 min de leitura

Imagem de capa Desempenho e juventude, a associação a superar?

Diversidade

24 Dezembro | 2023

Desempenho e juventude, a associação a superar?

É nos esportes que o preconceito contra pessoas mais experientes no mercado de trabalho fica mais evidente. É possível combatê-lo? Até quando agiremos como se a maior longevidade não fosse uma realidade que chegará à maioria?

Fran Winandy

9 min de leitura

Imagem de capa Há cura para o machismo que o câncer de mama escancara

Diversidade

27 Outubro | 2023

Há cura para o machismo que o câncer de mama escancara

A campanha #OutubroRosa não pode ser só de fachada nas empresas e nem direcionada apenas às mulheres. Os líderes homens precisam estar atentos à essa doença tanto quanto às mulheres, cuidando de suas companheiras e colaboradoras na organização o ano todo

Neivia Justa

5 min de leitura