fb-embedComo você constrói sua imagem pessoal nos ambientes digitais? HSM Management

Desenvolvimento pessoal

4 min de leitura

Como você constrói sua imagem pessoal nos ambientes digitais?

Cuidar da imagem pessoal ainda é fundamental na construção de carreiras. Desse modo, compartilho sete orientações para que você possa melhorar a sua imagem e a sua comunicação no LinkedIn e no ambiente de trabalho

Colunista Viviane Mansi

Viviane Mansi

25 de Fevereiro

Compartilhar:
Artigo Como você constrói sua imagem pessoal nos ambientes digitais?

Dedico o tema do mês a um assunto desconfortável para muitos e tido como desnecessário por alguns: imagem pessoal. O mundo é grande e aceita diversas opiniões. A minha é que cuidar da imagem pessoal é fundamental e fará bastante diferença na sua carreira.

Quando pensamos num contexto presencial, nossa imagem se expressa por meio das roupas que usamos, do tom de voz, da polidez, do nosso repertório. Não leva ampla vantagem, ao contrário do que se pode pensar, quem tem mais recursos financeiros.

Escolher boas roupas, por exemplo, não depende exclusivamente das marcas que você pode comprar. Tem a ver com estilo, com criar uma mensagem coerente entre o que somos e o que transmitimos para os demais. Não é à toa que os serviços de assessoria nessa área estão em franco crescimento.

Repertório também muda tudo. Se você tem um conhecimento restrito a uma ou duas áreas, provavelmente suas interações serão mais restritas também.

Criar uma boa imagem pessoal no ambiente digital traz ainda outros desafios. Se a sua rotina hoje ainda está muito mais ligada ao Zoom/Teams, cuide disso. Esteja num ambiente que esteja em sintonia com o que você deseja transmitir. Ah, não dá? Então busque imagens de fundo – hoje bastante aceitas – que estejam em harmonia com o que você deseja transmitir.

Etiquetas ainda são necessárias

Vale também algum cuidado com as suas roupas, mas obviamente com mais atenção na parte de cima, que fica exposta num vídeo. O fato de o seu “nowhere office” ser na praia, não libera automaticamente você aparecer de saída de banho, ou com as alças do maiô/biquini aparecendo.

Se sua empresa permite um traje mais informal, ok. Se sua empresa não permite, esteja com a vestimenta de acordo. Está com clientes? Idem. Qual a vestimenta faz mais sentido? Cada ambiente e situação define a pertinência das suas escolhas.

Aí entra outro tema que vale a pena investir: Linkedin. “ah, mas é muito fake”. “As pessoas simulam uma vida que não têm, está cheio de motivação fajuta”, etc. Pode até ser verdade, pois há esse tipo de comportamento. Da mesma forma que também convivemos com comportamentos como este ao vivo e em cores. E há muita coisa boa também, por isso a rede conta hoje com 660 milhões de pessoas, das quais 10 milhões estão em posição executiva.

Além disso, compartilhar suas ideias, participar de conversas interessantes, e ter a chance de contar um pouco das suas crenças faz a diferença para se posicionar.

Passos simples para começar

1. Tenha uma boa foto. Há páginas que até avaliam a qualidade da foto, como o Snappr.

2. Preencha o seu perfil completo. Coloque imagens que te representem, o resumo das suas habilidades, empresas pelas quais já passou, publicações, etc.

3. Se você quer ser visto(a) como especialista, publique posts longos. Há um campo específico para eles no Linkedin.

4. Aceite os convites que chegarem. É um direito que você tem não querer se conectar com quem você não conhece pessoalmente, e nesse caso você pode gerenciar suas preferências para que somente quem tenha o seu e-mail possa se conectar contigo.

5. Siga as hashtags do seu interesse e use-as nas suas publicações (nesse caso, três ou quatro são mais que suficientes). Quando você usa uma hashtag, sua postagem aparece para toda a rede que segue o mesmo assunto, aumentando a chance de você se conectar com pessoas que têm os mesmos interesses.

6. Participe da rede: viu um assunto que te chamou a atenção? Comente, curta, acrescente sua ideia e reconheça quem escreveu.

7. Comece a escrever também. Se você tem receio de isso se tornar uma narrativa de “eu, eu, eu”, comece falando de temas gerais, não das suas atividades específicas. Ou comece a partir das postagens de onde você trabalha ou dos temas que te interessa.

Você não precisa necessariamente falar do seu trabalho. Pode falar dos temas que te interessam para além do trabalho, particularmente se ele está ligado ao mundo do trabalho.

Veja meu próprio exemplo: meu trabalho é bastante vinculado à comunicação corporativa, à sustentabilidade e à docência. Contudo, além desses temas, falo muito de ambiente de trabalho. Falo desses temas porque me interessa, e porque penso que todas as pessoas em posição de liderança precisam se importar com isso.

Na prática, não há certos ou errados absolutos. Mentira — grosseria e falta de respeito são completamente equivocadas nas interações pessoais ou digitais. O restante é um espaço aberto para você construir. Aproveite! Ah, se quiser me seguir por lá, fique à vontade: Viviane Mansi.

Gostou do artigo da Viviane Mansi? Saiba mais sobre comunicação, imagem e desenvolvimento pessoal assinando gratuitamente nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Viviane Mansi

Viviane Mansi

Liderança na ponta da língua

Viviane é relações públicas e trabalha com comunicação há mais de 20 anos. Ela dedica parte do seu tempo livre à criação de conteúdo. Hoje é diretora regional de Comunicação e Sustentabilidade da Toyota, diretora da ABRH e conselheira da revista HSM Management. 

Viviane escreverá mensalmente para a coluna Liderança na ponta da língua.