fb-embed

Liderança

5 min de leitura

Por que reter talentos coloca empresas na dianteira em tempos incertos

O crescimento é criado por pessoas e, para que a economia e as empresas se recuperem, é necessário realizar um investimento ponderado na retenção, na transferência e na requalificação de funcionários.

Débora Brewer

24 de Agosto

Compartilhar:
Artigo Por que reter talentos coloca empresas na dianteira em tempos incertos

Em meio à mudança brusca para o trabalho remoto durante a pandemia, muitas empresas se viram obrigadas a mudar suas prioridades. Em vez de trabalhar para aumentar a retenção de talento, foram priorizados procedimentos que garantem a continuidade dos negócios e combatem a incerteza criada pela pandemia do coronavírus.

No entanto, agora que já estamos há alguns meses vivendo neste “novo normal” e começamos a caminhar rumo a uma recuperação, é necessário que gerentes voltem a pensar na retenção de funcionários como uma ferramenta para o crescimento de suas empresas em tempos incertos.

Por que a retenção eficaz é necessária?

Antes da crise, a retenção era uma preocupação crescente. Uma pesquisa realizada no começo do ano com CEOs descobriu que a maior preocupação interna era atrair e reter os melhores talentos. Isso foi ofuscado quando os líderes das empresas entraram no modo de sobrevivência, tendo de remanejar seus quadros de funcionários e interromper as contratações.

Ainda assim, o crescimento é criado por pessoas e, para que a economia e as empresas se recuperem, é necessário realizar um investimento ponderado na retenção, na transferência e na requalificação de funcionários. 

Benefícios do aumento da retenção

Os empregadores que tratarem bem seus funcionários durante este período colherão os benefícios no longo prazo, pois as pessoas se lembram das empresas que sempre priorizaram e mantiveram os funcionários. 

A retenção traz também outros benefícios, na redução dos custos de recrutamento e no aprimoramento da agilidade da força de trabalho. No clima atual, com orçamentos cada vez mais apertados, o corte dos custos com recrutamento será uma ação interna comum. 

Mobilizar funcionários para retê-los

Assim, melhorar a mobilidade interna e a agilidade são duas medidas que caminham lado a lado. Ao aumentar a colaboração e a troca de habilidades entre as equipes, os empregadores facilitam a transferência rápida dos funcionários para novas funções e áreas de negócios conforme o necessário – seja devido à demanda repentina, à troca de funções ou à automação. 

No início da quarentena, o TD Bank, com sede em Toronto, transferiu 2 mil de seus funcionários da linha de frente para posições de atendimento telefônico. Assim, eles foram transferidos de suas funções no varejo do banco, que foram fechadas, e passaram para as tarefas de atendimento ao cliente que repentinamente entraram em demanda. 

Estar atento às necessidades do mercado é imprescindível. Alguns dos nossos clientes no Brasil operando no setor de varejo constataram que durante a pandemia os esforços deveriam ser centrados no treinamento de seus funcionários na área de e-Commerce. Rapidamente, eles conseguiram preparar a força de trabalho para se adaptar a uma nova realidade, focando em vendas online e pelo WhatsApp. É fundamental ter essa agilidade na aprendizagem. É preciso aprender rápido porque o mercado está sempre se transformando e o que faz sentido hoje pode ser diferente amanhã. 

O maior desafio a enfrentar aqui é o de aumentar a visibilidade sobre as oportunidades de carreira e identificar as pessoas corretas para as funções relevantes. Se as pessoas não conseguirem acessar informações oportunas sobre carreira e oportunidade de aprendizagem quando estiverem analisando o próximo passo na carreira, procurarão externamente.

Aumentar a visibilidade sobre as habilidades 

Para os empregadores, isso é feito pelo aumento da visibilidade sobre as habilidades que já estão disponíveis dentro de seu quadro de funcionários, mapeando as aptidões das pessoas de acordo com os trabalhos e a aprendizagem disponíveis, incluindo essas informações no planejamento para o futuro. Como explica Abdul Uddin, líder de negócios, infraestrutura e fabricação na Hay Group: “Não basta preencher as funções para o momento, é preciso atrair, reter e envolver os talentos adequados, que enfrentarão os desafios da força de trabalho nos próximos cinco a dez anos”.

É essencial ter uma estrutura de habilidades dinâmica e ativa para que os empregadores consigam rastrear e medir as habilidades na força de trabalho. Para isso, é preciso ter um consenso claro do que constitui uma habilidade, como são definidas, como elas se relacionam entre si e como mudam com o tempo.

Como extrair o máximo dos talentos atuais

Retendo os talentos, os empregadores extrairão também o máximo das habilidades atuais da força de trabalho no período de paralisação das contratações durante a crise. Se antes a reação imediata às necessidades de um projeto ou função era buscar externamente, os cortes nos orçamentos de recrutamento obrigaram os gerentes a serem criativos. 

A busca por possíveis candidatos internamente é uma solução, assim como o upskilling e o reskilling das pessoas para alcançar o mesmo resultado, com o mesmo quadro efetivo.

Melhorar o emprego das habilidades aumenta também as chances de o funcionário permanecer com o empregador. Uma pesquisa realizada no Reino Unido indicou que os funcionários com qualificação superior à exigida estão duas vezes mais propensos a pedir demissão, em comparação com seus colegas cujas habilidades são compatíveis com o trabalho que desempenham (22% contra 12%).

Transparência é fundamental

Dito isso, os tempos atuais podem exigir decisões difíceis no que diz respeito a remanejar o quadro de funcionários. É imprescindível que a comunicação com os trabalhadores seja clara e transparente quando novas medidas e estratégias forem implementadas.

Os funcionários querem sentir que fazem parte do plano de longo prazo do empregador, especialmente durante as incertezas que vivenciamos. Os empregadores que conseguirem isso colherão os benefícios oriundos da maior satisfação no trabalho, do alinhamento às metas da empresa e de uma força de trabalho dedicada e fiel. 

É hora de priorizar a retenção

Os empregadores estão enfrentando no momento, e enfrentarão nos próximos meses, muitos desafios referentes à força de trabalho. A retenção, embora ignorada nos estágios iniciais da reação à crise, precisa ser colocada agora na dianteira. As pessoas vão estimular a recuperação e aumentar a resiliência, e é por isso que é necessário retê-las para que, no momento seguinte à crise, sua empresa volte a crescer e prosperar.

Compartilhar:

Autoria

Débora Brewer

Vice-Presidente para a América Latina e Caribe da Degreed, a principal plataforma de upskilling e requalificação da força de trabalho.

Artigos relacionados