fb-embedLíder: chegou o fim de ano, agora é hora de empatia e reconhecimento HSM Management

Liderança

3 min de leitura

Líder: chegou o fim de ano, agora é hora de empatia e reconhecimento

Lideranças erram ao exigir demais dos colaboradores no final do ano, pois o momento exige empatia e reconhecimento; essa postura serve também para que os liderados sejam solidários e compreendam o peso que seus líderes carregaram ao longo do ano

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

18 de Dezembro

Compartilhar:
Artigo Líder: chegou o fim de ano, agora é hora de empatia e reconhecimento

O ano de 2021 está terminando, e que ano, não? Em uma conversa com uma colega de trabalho na semana passada, ela fez uma pequena confissão: está absurdamente cansada do ano que passou. Não é só ela, já escutei essa mesma reclamação de dezenas de pessoas entre as minhas sessões de mentoria, conversas com amigos, desabafos de muitos leitores e mensagens nas redes sociais.

Estamos todos exaustos, e eu estou também.

É o fechamento do trabalho, a economia que não vai bem, o familiar que precisa de ajuda, mais um teste de covid-19 para descartar qualquer suspeita daquela tossezinha que não vai embora e muitas outras tarefas que a vida joga no nosso colo. Como não ficar cansado com tantas forças disputando a nossa energia, tempo e atenção?

Por isso, mais do que nunca, é hora de os líderes fazerem um esforço para aliviar a tensão que todos estamos passando e trazer um pouco de energia e inspiração. Para isso, vou falar de duas boas práticas essenciais para o líder usar e abusar nesse momento de transição: empatia e reconhecimento.

Empatia

Com toda pressão acumulada até esse momento, é muito importante mostrar que você sabe bem o que está acontecendo. Como já disse neste mesmo artigo, a grande maioria das pessoas está exausta, mostre que você é sensível a esse momento.

Não é hora de pegar no pé por besteira, por um atraso de 10 minutos, uma pequena escorregada ou por um e-mail não respondido. Não é hora de ser "firme", de cobrar em excesso e esperar que tudo funcione perfeitamente. Não vai funcionar.

Quando algo acontecer, pense antes de reagir. Ao invés de dizer: "por que você não respondeu meu pedido ontem?", pergunte: "vi que você não conseguiu responder meu pedido ontem, tem algo que possa fazer para ajudar?"

É hora de mostrar empatia, de pegar na mão, de abusar nos elogios (já vamos falar sobre isso), de perguntar se está tudo bem, de baixar a guarda, engolir o ego, esquecer a hierarquia e trabalhar junto do time que faz parte.

A energia que você projeta e emana vai ter um impacto gigantesco em seus liderados, e o que mais precisamos agora é equilíbrio, empatia, flexibilidade e um largo sorriso no rosto. Faça isso e veja a maravilha que irá acontecer com toda a equipe.

Reconhecimento

Agora também é momento de reconhecer as pessoas por todo o trabalho duro do ano todo. Uma boa prática que gosto é fazer uma lista de todos os projetos, metas bem batidas, bons exemplos de colaboração, momentos de destaque e trabalho bem-feito de cada pessoa da equipe e ter uma conversa de fechamento.

Pegue alguma reunião existente — ou marque uma para isso — e repasse com o profissional cada item da sua lista e diga o quanto aquilo foi importante para o time, a empresa e para você. Olhe bem nos olhos da pessoa e solte um profundo e autêntico “obrigado por todo o trabalho duro e contribuições deste ano”.

Receber um elogio já é uma fonte incrível de energia e inspiração, e quando esse elogio vem do nosso líder — ainda mais estruturado da forma que coloquei — essa energia se multiplica muitas vezes.

Sei que o ano foi muito duro para todos, incluindo você, líder, mas temos a oportunidade de fazer com que a equipe vire o ano lembrando da empatia e reconhecimento recebidos, ou apenas da pressão e do cansaço acumulado.

Eu já escolhi a primeira opção, o meu conselho é que você escolha também.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luciano Santos

Luciano Santos

Divã Corporativo

Luciano possui +20 anos de experiência no mercado digital tendo iniciado sua carreira no portal UOL, trabalhou 10 anos no Google Brasil em diversas áreas e desde 2016 é diretor no Facebook Brasil a frente de uma equipe de vendas em São Paulo.

Artigos relacionados

Imagem de capa Autoconhecimento para as novas lideranças

Liderança

29 Dezembro | 2021

Autoconhecimento para as novas lideranças

Quer obter resultados únicos e se diferenciar no mercado? Entenda como e por que a autoliderança ajuda a fomentar sua capacidade de inovar na gestão de si mesmo e da sua equipe

Heloísa Capelas

5 min de leitura