fb-embed

Empreendedorismo

3 min de leitura

Explorar novos horizontes pode ser transformador para as empresas

O envolvimento das empresas no comércio exterior pode estimular a inovação e o aprendizado intercultural, crucial neste processo constante de globalização

Colunista Luiz Soria

Luiz Soria

27 de Fevereiro

Compartilhar:
Artigo Explorar novos horizontes pode ser transformador para as empresas

O comércio exterior emerge como uma poderosa força capaz de influenciar profundamente empresas de todos os portes e segmentos. Em um exemplo eloquente desse impacto, em 2023, as exportações brasileiras alcançaram uma marca histórica de US$ 339,67 bilhões, marcando um aumento de 1,7% em relação ao ano anterior. Esse crescimento foi catalisado pelo aumento de 8,7% no volume exportado, apesar de uma queda de 6,3% nos preços.

Por outro lado, as importações sofreram uma redução significativa de 11,7%, totalizando US$ 240,83 bilhões. Os preços dos bens importados também experimentaram uma diminuição de 8,8%, enquanto o volume diminuiu em 2,6%. Essa combinação de fatores resultou em um saldo comercial notável de US$ 98,8 bilhões, superando em impressionantes 60,6% o recorde anterior estabelecido em 2022.

Esse desempenho expressivo foi impulsionado, dentre outros fatores, pela crescente participação das empresas brasileiras no comércio exterior. Em 2023, o número total de empresas exportadoras cresceu 2%, atingindo um recorde de 28,5 mil companhias.

Essa narrativa evidencia claramente como as empresas podem alavancar um crescimento exponencial, acesso a novos clientes e oportunidades de inovação ao ingressar no universo do comércio exterior. Por exemplo, uma empresa de moda brasileira que opta por exportar seus produtos para outro país tem a chance de experimentar um aumento significativo na demanda e no reconhecimento da marca, impulsionando suas vendas e receitas.

Mas as vantagens não se restringem a isso. Esse cenário também oferece às organizações a oportunidade de diversificar seus riscos, reduzindo sua dependência de um único mercado ou fonte de receita. Uma empresa de tecnologia chinesa que exporta seus produtos para diversos países da Europa e Ásia, por exemplo, pode proteger-se contra flutuações econômicas em um mercado específico, garantindo um crescimento mais estável e sustentável.

Além disso, o envolvimento das empresas no comércio exterior pode estimular a inovação e o aprendizado intercultural. Ao entrar em novos mercados, as empresas são desafiadas a adaptar seus produtos, serviços e estratégias de marketing às necessidades e preferências locais, promovendo, assim, a criatividade e a adaptação.

Muitas marcas buscaram novos mares Várias empresas em todo o mundo se destacaram por sua abordagem inovadora e bem-sucedida no comércio exterior. A gigante de tecnologia Apple, por exemplo, expandiu globalmente sua cadeia de suprimentos e operações de varejo, revolucionando a indústria de eletrônicos. Outro exemplo inspirador é a empresa de e-commerce chinesa Alibaba, que transformou o comércio eletrônico global ao conectar milhões de compradores e vendedores em todo o mundo.

Não podemos deixar de mencionar a Havaianas, criada em 1962, que se tornou um caso de sucesso no comércio exterior. Inicialmente considerada um produto de nicho, a marca passou por uma renovação em 1994, quando a Alpargatas implementou um projeto de modernização da linha de calçados.

A estratégia de expansão para outros países envolveu, inicialmente, parcerias com distribuidores locais. A entrada nos mercados europeus, em 2000, começou pela Espanha, França e Itália, sendo estes dois últimos fundamentais para avaliar a aceitação do produto pelos europeus. Posteriormente, as exportações chegaram ao Reino Unido e a Portugal, formando um grupo de cinco grandes mercados europeus para a marca.

Em 2008, ao estabelecer uma sede em Madrid, a empresa deu início a uma operação própria na Europa. Atualmente, conta com escritórios e showrooms em Londres, Lisboa, Bolonha (Itália), Paris, Amsterdã e Düsseldorf (Alemanha). A marca também tem presença forte nos Estados Unidos, Austrália, Filipinas e, mais recentemente, Índia e China.

Hoje em dia, as sandálias são comercializadas nos cinco continentes, e as exportações respondem por 20% do volume de pares vendidos e 35% da receita da empresa.

Esses casos confirmam uma realidade inegável: o comércio exterior oferece uma infinidade de oportunidades para as empresas expandirem seus negócios, alcançarem novos clientes e impulsionarem a inovação. Ao adotar uma abordagem estratégica e centrada no cliente para o comércio internacional, as companhias podem colher os benefícios de um crescimento sustentável e transformador em escala global.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Luiz Soria

Luiz Soria

CEO da Skymarine

Artigos relacionados

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura

Imagem de capa Gestor de gestores: os desafios da transição de gerente para diretor

Gestão de pessoas

27 Março | 2024

Gestor de gestores: os desafios da transição de gerente para diretor

Em mais um texto, Valeria Pimenta traz uma reflexão necessária sobre questões relacionadas às promoções e o papel de gestores e líderes, que se diferencia das questões de mérito ou produtivas de uma função

Valéria Pimenta

3 min de leitura

Imagem de capa A importância dos conselhos no plano de sucessão de empresas familiares

Gestão de pessoas

25 Março | 2024

A importância dos conselhos no plano de sucessão de empresas familiares

Sucessão de organizações familiares muitas vezes se tornam uma questão delicada e complexa. Nesse sentido, qual a importância de um conselho nesse trabalho estratégico em um momento crucial?

Farias Souza

4 min de leitura

Imagem de capa Amplie o olhar da inovação pelos números: o que há além do eixo Sul/Sudeste?

Empreendedorismo

16 Março | 2024

Amplie o olhar da inovação pelos números: o que há além do eixo Sul/Sudeste?
Amure Pinho

3 min de leitura