fb-embed

Dossiê HSM

7 min de leitura

Disrupção possível quando o melhor da tecnologia encontra o melhor do humano

Nas próximas duas décadas, muitas tecnologias sintéticas ganharão escala. Associadas aos novos humanos – frutos da ampliação da consciência humana em curso –, dão origem às tecnologias humanas, que não apenas são a base para novos ecossistemas disruptivos como também um fator de segurança para algoritmos mal-intencionados.

Ligia Zotini

14 de Janeiro

Compartilhar:
Artigo Disrupção possível quando o melhor da tecnologia encontra o melhor do humano

Desde a descoberta do fogo, toda a tecnologia incentiva, de um lado, o progresso, e de outro desconstrói realidades culturais, sociais e pessoais e provoca certa desconexão de tempo e espaço nas pessoas. Para alguns, é o presente, e para (muitos) outros, ainda algo distante. Para que os futuros se disseminem igualmente, são necessários movimentos público-privados, no campo coletivo, e de educação e expansão da consciência, no lado pessoal.

O processo de transformação digital (e seus impactos culturais e sociais) se acentuou nos últimos dois anos, levando a Unesco 2020 a considerar a alfabetização de futuros (futures literacy) uma habilidade essencial para que as pessoas entendam melhor o papel que o futuro desempenha na realidade atual. Com exercícios de cenários futuros, olhamos simultaneamente para o desenvolvimento humano e o tecnológico e podemos projetar novas formas de trabalho, negócios, economia e sociedade. Para criar esses cenários, é preciso conhecer as novas tecnologias que estão chegando e seu potencial de impacto. Vamos lembrar os anos 2010, quando duas tecnologias maduras – smartphones e internet acessível – foram a origem de unicórnios até a transmissão de pensamentos com alguns cliques.

Tendo isso em mente, vejamos a lista das principais tecnologias esperadas para os próximos anos.

Tecnologias maduras

(5 A 10 anos)

5G nos moverá para geração “Doors” Realidades imersivas, potentes assistentes virtuais (IA) e internet em todas as coisas serão comuns. Das janelas (windows), o acesso ao mundo digital passa para as portas (doors).

Inteligência artificial como assistente de atividades & dados rotineiros Do lembrete da reunião até o apagar das luzes com a voz, a automatização de atividades rotineiras é a melhor forma de experimentar a busca pela voz, que substituirá a busca via navegador.

Tecnologias imersivas são portas para o metaverso Antes restritos à ficção científica, os multiuniversos imersivos e digitais fundem a realidade e o mundo virtual.

Escritórios infinitos são realidades Óculos VR transportam você para um escritório virtual, grande ou pequeno. Tudo depende do desejo e da necessidade do momento.

IA e realidades imersivas criam influenciadores atemporais Clones digitais rompem a barreira de tempo-espaço e da comunicação. Seus “gêmeos digitais” fazem apresentações ou aulas em qualquer lugar e no idioma local. Afinal, falam qualquer idioma e não precisam descansar.

Realidades mistas: holoportação & Compartilhamento holográfico Projete-se em seu eu mais realista por realidade mista e interaja como se estivesse fisicamente presente com a holoportação (teletransporte holográfico) e com o compartilhamento holográfico.

Inteligência artificial e realidades imersivas criando ponte espaço-tempo Memórias 2D serão recriadas pixel a pixel e se transformarão em álbuns 3D, que permitem explorar o passado, revisitar momentos e pessoas e viajar na linha do tempo em mídias sociais.

RV como meio digital de transporte Com realidade virtual, o viajante viverá experiências digitais imersivas. Viagens ganharão outra dimensão e escala. Que tal um destino interplanetário?

TECNOLOGIAS MADURAS

(10 a 20 anos)

Computação quântica Aplicações da computação quântica podem encontrar novas formas de modelar dados financeiros, isolar fatores de risco e fazer, em três minutos, cálculos matemáticos que levariam 10 mil anos para ser processados na computação binária.

Blockchain como tecnologia de transparência radical Protocolos de blockchain serão a base da Economia da Confiança, pois exigem dados altamente organizados e processos radicalmente transparentes. Uma poderosa força de combate à corrupção no planeta.

Leitura de pensamento por pulso Pensamentos geram micromovimentos, que serão capturados por uma pulseira que reconhece um clique e possibilita navegar na internet com comandos feitos pelas mãos ou mente.

Transmissão de pensamento Os avanços na restauração das funções sensorial e motora e no tratamento de distúrbios neurológicos um dia poderão levar à transmissão de pensamento consentida.

Teletransporte quase instantâneo Viajar por levitação eletromagnética permite a sensação de teletransporte.

Novos humanos

A aceleração digital na última década levou à desmaterialização e à democratização de acessos e, em contraponto, à pluralidade de pontos de vista e de busca por educação, autoconhecimento e expansão da consciência. Na mesma medida que o desenvolvimento das máquinas se acelerou, os humanos começaram a expandir seu autoconhecimento e sua consciência, formando os “novos humanos”. E é o que nos diferenciará, no futuro, das máquinas.

Toda tecnologia avançada mimetiza ou copia funções e partes do corpo físico, mas não do emocional e do energético. Quanto mais praticamos autoconhecimento, mais profundamente nos reconectamos com os diferentes níveis de tecnologias que podemos produzir.

“Novos humanos”, integrados com “novas tecnologias”, dão origem a “tecnologias humanas”. Algoritmos e máquinas apoiarão o desenvolvimento do bem-estar, da democracia e do ambiente de informação livres, para que humanos busquem suas melhores versões. Essa consciência expandida nos torna mais imunes a processos de manipulação pessoal ou algorítmica, como contraponto de segurança para uma inteligência artificial mal-intencionada. E do encontro desses novos humanos e das novas tecnologias, surgem novas formas de trabalho e novos ecossistemas.

Quando o Fórum Econômico Mundial diz que “65% das profissões do futuro não existem hoje”, um dos principais motivos para esse percentual tão alto é porque o uso massivo das tecnologias não chegou ao ponto de dar origem a esses novos “fazeres”.

Como não temos repertórios abundantes para traduzir o que está por vir, exatamente por ser algo tão disruptivo, os exercícios de cenários futuros se mostram tão importantes. Eles nos ajudam a visualizar, no presente, os sinais fracos e fortes nas mais diversas áreas.

Encerro lembrando que estamos saindo do padrão mecanicista a passos largos. Na última década, o mundo já entendeu a necessidade de corpos e emoções saudáveis. Energias saudáveis são a próxima fronteira a ser integrada nessa década.

Em um mundo onde pós-verdades e deep fake coexistirão com verdades pessoais e sutis, será essencial ter fluência energética, sinestésica e empática. Somente os sentidos físicos não serão suficientes para navegar nesses futuros altamente imersivos, artificialmente inteligentes e interconectados por biossensores e multiversos.

Conheça as tecnologias destacadas neste artigo

Imagens-04





Como inovar colocando o cliente no centro de tudo

por Ricardo Garrido

Falar do futuro da tecnologia é falar de nossos clientes. Na Amazon, esses dois fatores sempre caminharam – e seguem caminhando – juntos. É o princípio, o meio e o fim de nossa cultura: colocar o cliente no centro de tudo. Por isso, trabalhamos percorrendo o caminho inverso, iniciando o processo de inovação a partir de quem compra com a gente e dos vendedores parceiros, que também consideramos nossos clientes.

Mas ser obcecado pelo cliente é mais do que ouvir o consumidor e entregar o que ele deseja e como ele deseja. É preciso entender profundamente os clientes e inovar proativamente em nome deles. Pode-se dizer que 90% das inovações da Amazon surgiram a partir dos anseios de nossos consumidores. Os outros 10% foram criados com base em necessidades que eles não verbalizaram diretamente, mas que foram detectadas nas sutilezas e nas nuances de seus depoimentos.

Um exemplo real de inovação da Amazon ajuda a entender essa ideia na prática. O FBA – Logística da Amazon, conhecido em outros países como Fulfilment by Amazon, é um programa em que a empresa se torna responsável por todo o processo logístico do vendedor: desde o armazenamento e empacotamento do produto, até o envio e o atendimento ao cliente. Lançado no Brasil em dezembro de 2020, o serviço permite que vendedores parceiros possam aderir ao FBA de forma automatizada e que agendem a coleta ou enviem seu estoque de produtos para a própria Amazon, tornando todo o processo ainda mais simples e rápido.

A partir do momento que a Amazon disponibiliza sua infraestrutura para cuidar de toda logística, o vendedor parceiro pode se concentrar naquilo que é de fato o núcleo de seu negócio: expandir suas vendas, cuidar de sua marca e ampliar a variedade de produtos para seus consumidores. Ou seja: ao tornar a vida do vendedor mais ágil, consequentemente a experiência do cliente também é aprimorada.

Quando um consumidor fala, em geral ele revela suas necessidades individuais. Com a visão macro de diversos depoimentos, podemos visualizar as necessidades coletivas. Provavelmente nenhum consumidor da Amazon pediria um programa de logística da Amazon – é evidente que o consumidor não tem essa visão. Mas ao cruzar os dados das necessidades de toda a cadeia, ficou nítido que oferecer benefícios para os pequenos e médios empresários que vendem conosco seria a estratégia inovadora correta a ser adotada.

Uma coisa é certa: apesar de as necessidades das pessoas mudarem o tempo todo, elas jamais abrirão mão de três fatores: bons preços, ampla seleção de produtos e conveniência. E é essa tríade que nos dá a sustentação necessária para enxergar além e, junto de nossos clientes, cocriar as invenções que pavimentam essa sinuosa estrada rumo ao futuro.



Compartilhar:

Autoria

Ligia Zotini

Pesquisadora de futuros e fundadora do Voicers, promove experiências de futuros através de palestras, workshops, treinamentos e curadorias de festivais, com os temas novas tecnologias, novos humanos e novos ecossistemas.

Artigos relacionados

Imagem de capa Chief of staff, o quinto elementoAssinante

Dossiê HSM

24 Agosto | 2023

Chief of staff, o quinto elemento

O papel de promover o hábito do aprendizado contínuo e gerar abertura a mudanças tem um dono nas empresas mais tecnológicas: o chief of staff (CoS). Mais de 40% das principais empresas globais já têm um CoS na equipe de liderança. Essa taxa segue aumentando à medida que as organizações percebem o valor estratégico do cargo

Suzyanne Oliveira
Imagem de capa Empresas tech inovam de modos diferentesAssinante

Dossiê HSM

24 Agosto | 2023

Empresas tech inovam de modos diferentes

A área de pesquisa e desenvolvimento tradicional é um silo. Isola-se de prioridades corporativas e novidades do mercado, e não tem a mesma velocidade dos negócios. Isso está mudando, sobretudo nas organizações que se posicionam como tecnológicas

Sandra Regina da Silva e Ariadne Gatolini
Imagem de capa Toda gestão deve ser para empresas de tecnologiaAssinante

Dossiê HSM

24 Agosto | 2023

Toda gestão deve ser para empresas de tecnologia

O Dossiê da 158ª edição da HSM Management tem como tema principal que toda empresa é uma empresa de tecnologia, assim como todo profissional

Redação HSM Management
Imagem de capa Dados: a arte de interrogá-losAssinante

Dossiê HSM

24 Agosto | 2023

Dados: a arte de interrogá-los

Existem as pessoas que tomam decisões baseadas unicamente em dados e aquelas que equilibram dados com experiência e intuição. Como? Fazendo as perguntas certas. Conheça a abordagem “intuição quantitativa” (QI, na sigla em inglês), criada em Stanford. Ela contém três passos para tomar decisões melhores.

Christopher Frank, Paul Magnone e Oded Netzer
Imagem de capa O avanço silencioso da impressão 3DAssinante

Dossiê HSM

24 Agosto | 2023

O avanço silencioso da impressão 3D

De objetos decorativos a próteses ósseas, a impressora 3D já é realidade. E cada vez mais indústrias estão adotando a chamada manufatura aditiva. Conheça os novos casos mais emblemáticos em andamento no Brasil

Ricardo Cavallini