fb-embed

Empreendedorismo

2 min de leitura

Como contornar a taxa de mortalidade de novos negócios no Brasil

Para furar a bolha do empreendedorismo é preciso esforço e persistência, além de muito conhecimento sobre o setor

Colunista Candice Pascoal

Candice Pascoal

23 de Novembro

Compartilhar:
Artigo Como contornar a taxa de mortalidade de novos negócios no Brasil

Empreender está na moda! Pelos mais variados motivos, investir no próprio negócio, sonho este de milhões de pessoas, está bastante em alta. Dados do boletim do Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, referente ao primeiro quadrimestre de 2022, por exemplo, mostram que mais de 1,3 milhão de empresas foram criadas no Brasil em apenas quatro meses.

Quando pensamos no ambiente digital, essa mesma tendência segue firme. Empreender de forma online tem se apresentado como algo bastante promissor desde 2020, quando a pesquisa Panorama de Negócios Digitais Brasil 2020, da HeroSpark, apontou que 54% dos empreendimentos digitais tinham menos de um ano de vida.

Em contrapartida, também são os novos e pequenos negócios que mais sofrem com as altas taxas de mortalidade, sejam os microempreendedores individuais (MEI) ou as microempresas. Dados do Sebrae e da pesquisa Sobrevivência de Empresas (2020), realizada com base em dados da Receita Federal e com levantamento de campo, os MEIs apresentam a maior taxa de mortalidade de negócios em até cinco anos, com 29%, já os microempreendimentos têm taxa, após cinco anos, de 21,6% e as empresas de pequeno porte, de 17%.

Há alguns motivos para a alta taxa de falha de negócios com esses perfis, e vamos refletir agora sobre este cenário. A verdade é que o empreendedorismo no nosso País é bastante gourmetizado. Por mais que o número de pessoas que decidiram investir no próprio negócio tenha crescido, isso não significa que tenham atingido todo o seu potencial, muito pelo contrário. Quase 90% dos empreendedores não têm funcionários e metade ganha só um salário mínimo, aponta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, do IBGE.

Não é fácil, mas também não é impossível

Começar o próprio negócio é mais difícil do que muitos imaginam. Demanda tempo, sacrifícios e conhecimento sobre o setor em que se pretende atuar. Por vezes, vejo empresas sendo fundadas na euforia, sem qualquer planejamento, pesquisa de mercado ou conhecimento de público-alvo. O resultado disso é a falha, já que torna-se quase impossível sustentar um negócio no longo prazo sem esses pilares básicos.

Empreender não está no nosso DNA, e isso significa que devemos nos aperfeiçoar. Há diferentes formas de nos prepararmos para tocar um empreendimento que tenha, de fato, potencial para prosperar. Entre várias técnicas que ensino no Você.Expert, aqui vamos partir do óbvio. Ame o que você faz. A sua ideia irá te perguntar, por meio de muitos altos e baixos, durante a longa jornada que está entre começar e ter sucesso, se é isso mesmo que você deseja.

O empreendedor, que vence, nem sempre é o mais preparado. Mas sempre é o mais esforçado e persistente. Para vencer no empreendedorismo, lembre-se que o mercado se vence na quilometragem. Quando a sua ideia lhe perguntar se é isso mesmo que você deseja, você precisa estar preparado para essa resposta.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Candice Pascoal

Candice Pascoal

Candice Pascoal é fundadora da maior plataforma de crowdfunding do Brasil (Kickante), executiva de nível internacional com grande experiência na expansão de empresas americanas no exterior e best-seller do livro Seu Sonho Tem Futuro.

Artigos relacionados

Imagem de capa Inovação não é sobre criar castelos no ar. É sobre renovar padrões de desempenho

Empreendedorismo

22 Junho | 2024

Inovação não é sobre criar castelos no ar. É sobre renovar padrões de desempenho

A inovação transforma a performance, otimizando processos e modernizando tecnologias. No entanto, durante crises, a inovação é essencial para a prosperidade pós-crise. A estratégia de inovação deve ser clara e contínua, alinhando-se à visão de longo prazo da empresa, como demonstrado pelos CVCs.

Felipe Novaes

5 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura

Imagem de capa Gestor de gestores: os desafios da transição de gerente para diretor

Gestão de pessoas

27 Março | 2024

Gestor de gestores: os desafios da transição de gerente para diretor

Em mais um texto, Valeria Pimenta traz uma reflexão necessária sobre questões relacionadas às promoções e o papel de gestores e líderes, que se diferencia das questões de mérito ou produtivas de uma função

Valéria Pimenta

3 min de leitura