fb-embedCinco estratégias para aprimorar o diálogo em equipe HSM Management

Estratégia e execução

3 min de leitura

Cinco estratégias para aprimorar o diálogo em equipe

No segundo semestre que se inicia, a construção de um futuro mais promissor e cheio de possibilidades passa pelo diálogo em equipe, seja de maneira presencial ou remota

Colunista Viviane Mansi

Viviane Mansi

06 de Agosto

Compartilhar:
Artigo Cinco estratégias para aprimorar o diálogo em equipe

Começou o segundo semestre. Faço o mesmo rito do começo de ano: passar a régua, fazer um balanço, rever metas, comemorar o que já foi construído e planejar o que será. Precisa de tudo isso? Acho um bom jeito de a gente não perder as rédeas da vida, num contexto em constante transformação. Planejar é preciso, sempre, mas planejamento bom é aquele que ajuda a navegar, mas não nos amarra com nenhum objetivo que não faça mais sentido.

Como levamos esse pensamento à empresa? Ou, para ser mais precisa, como levamos esse pensamento para as pessoas com as quais trabalhamos e que fazem parte do nosso time?

“Onde estamos e para onde vamos” é sempre um bom tema para tratar com a equipe, por muitas razões. As mais importantes delas são quase chavões:

1. Ninguém se engaja naquilo que não conhece;

2. Se não sei para onde ir, qualquer caminho serve.

Pode parecer uma bobagem, mas diante da tonelada de informação que recebemos e do isolamento que vivemos, é importante repetir o que realmente importa muitas e muitas vezes. Algumas pesquisas (como da Edelman Trust Barometer) apontam que a média das pessoas precisa ouvir uma informação de quatro até sete vezes para acreditar nela.

Minha experiência prática reforça o peso dessa estatística: quanto mais falamos sobre um tema, mais o tornamos palpável, concreto, possível. É uma forma de diminuir a insegurança que o desconhecido pode trazer. É uma forma de pensar junto, ouvir insights, ajustar nossa narrativa para trazer mais conforto para quem vai ter que ralar forte para que esse futuro desejado se torne concreto.

No entanto, como fazer isso? Aposto sempre no velho e bom diálogo. Lembrando, claro, que diálogo é falar e ouvir (resumidamente, pois vocês sabem que diálogo vai para muito além disso).

Estratégias cotidianas

A partir dessa perspectiva em prol do diálogo, compartilho algumas estratégias para serem utilizadas e adaptadas no dia a dia:

1. Esteja junto do time: a gente comunica de forma contínua, ainda que não use palavras. Mas estar junto fala bem alto sobre dar apoio, valorizar o trabalho do time e “estar no mesmo barco”;

2. Observe as pessoas: dê espaço para que contem suas histórias, suas perspectivas. Faça da escuta atenta um hábito diário;

3. Pergunte: essa é uma forma simples e contundente de demonstrar que você se importa.

4. Faça o seu depoimento: conte também suas histórias. Suas crenças. Seus anseios. Seus medos. É muito bom saber que a comunicação é uma via de mão dupla. É mais legal trabalhar com gente de carne e osso do que com super-heróis.

5. Agenda: Tenha tempo para uma reunião individual, para estar junto, para uma reunião de time. A convivência, pura e simples, é uma cola importante para fazer de um conjunto de pessoas um verdadeiro time. Mesmo que o regime de trabalho da sua empresa ainda seja (e continue sendo) remoto, sempre bom lembrar que tempo é diferente de espaço. A gente pode não estar junto no mesmo escritório, mas pode viver muitas coisas sensacionais junto.

Aproveite essas dicas estratégicas e que o seu segundo semestre comece com tudo.

Gostou do artigo da Viviane Mansi? Confira outros conteúdos como esse assinando gratuitamente nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Viviane Mansi

Viviane Mansi

Liderança na ponta da língua

Viviane é relações públicas e trabalha com comunicação há mais de 20 anos. Ela dedica parte do seu tempo livre à criação de conteúdo. Hoje é diretora regional de Comunicação e Sustentabilidade da Toyota, diretora da ABRH e conselheira da revista HSM Management. 

Viviane escreverá mensalmente para a coluna Liderança na ponta da língua.

Artigos relacionados

Imagem de capa O que são o nomadismo e localismo e porque eles devem fazer parte da agenda das organizações

Gestão de pessoas

20 Outubro | 2021

O que são o nomadismo e localismo e porque eles devem fazer parte da agenda das organizações

Em uma dinâmica de trabalho cada vez mais anywhere office, sua empresa pode estimular vivências em diferentes locais do mundo como espaço de desenvolvimento dos colaboradores

Alex Lima

3 min de leitura

Imagem de capa O last mile depende mais de “all previous miles” que do tempo de entrega

Estratégia e execução

19 Outubro | 2021

O last mile depende mais de “all previous miles” que do tempo de entrega

O tempo de entrega será fator determinante para o consumidor apenas se ele tiver uma boa experiência com seu app ou site. Neste artigo, proponho algumas reflexões essenciais para garantir que ele chegue a esta etapa de compra

Christian Abramson

3 min de leitura

Imagem de capa O sucesso do trabalho híbrido no mundo pós-pandemia

Gestão de pessoas

30 Setembro | 2021

O sucesso do trabalho híbrido no mundo pós-pandemia

No futuro do trabalho híbrido, líderes, gestores de RH e demais colaboradores podem seguir estratégias que equilibram as atividades presenciais e virtuais

Oshrat Binyamin

6 min de leitura

Imagem de capa Inspirar para inovar

Estratégia e execução

14 Setembro | 2021

Inspirar para inovar

Inspirar o time é uma maneira, também, de investir no negócio

Gabriela Onofre

2 min de leitura

Imagem de capa Planejamento estratégico para pequenas e médias empresas

Business content

31 Agosto | 2021

Planejamento estratégico para pequenas e médias empresas

Projeções flexíveis para metas e objetivos do negócio no médio e longo prazo possibilitam melhor preparo das PMEs diante das incertezas do mercado

Angela Miguel

5 min de leitura

Imagem de capa Coopetição: o que as empresas de tecnologia têm a ensinar às outras indústrias?

Estratégia e execução

26 Agosto | 2021

Coopetição: o que as empresas de tecnologia têm a ensinar às outras indústrias?

Ao fazer uso desta estratégia de negócios, as organizações cooperam com seus concorrentes, promovendo inovação, gerando negócios e desenvolvendo seus mercados

Paulo Cesar do Nascimento

5 min de leitura