fb-embedA sua empresa é ágil? HSM Management

Gestão de pessoas

4 min de leitura

A sua empresa é ágil?

O caminho para a evolução dos negócios passa pela adoção de uma mentalidade ágil, focada em inovação e adaptação, elementos-chave para a construção de culturas empreendedoras

Andre Sanches

26 de Abril

Compartilhar:
Artigo A sua empresa é ágil?

Muito se tem falado sobre o empreendedorismo e, no Brasil, vivemos um momento de crescimento único. Considero empreender a criação de novos negócios ou a evolução de negócios existentes. Atenção: empreendedorismo não é a simples abertura de empresa, mas uma atitude de transformar um problema em oportunidades de geração de renda, emprego e impostos.

Empreende-se por dois motivos: 1) Oportunidade: um produto ou serviço desenvolvido a partir de uma necessidade; e 2) Necessidade: com menor espaço e oportunidades no mercado formal e/ou corporativo, pequenos negócios são criados (parte informal) e depois formaliza-se (MEI - Microempreendedor Individual, por exemplo).

O maior motivo empreendedor dos brasileiros é pela necessidade. A análise da série histórica da Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), realizada no Brasil com o apoio do Sebrae, aponta a marca histórica de empreendedorismo recente: um quarto da população adulta envolvida com seu próprio negócio.

Seja por oportunidade ou por necessidade, este aumento no empreendedorismo leva a uma maior concorrência e à necessidade de ter uma mentalidade (mindset) ágil para driblar os desafios que aparecerão pela jornada empreendedora. Para quem tem mais de uma pessoa envolvida no negócio, já podemos falar de ter uma cultura ágil para maior evolução dos empreendedores envolvidos.

O que é mindset ágil

O mindset é uma forma de pensar e de agir que prioriza e dá foco em certas coisas em detrimento de outras. Originado em 2001, o Manifesto Ágil estabelece o conjunto de valores e princípios para melhor desenvolvimento ágil (agile) de software, e desde então o termo agile ganhou escala e transcendeu as fronteiras de tecnologia, sendo atualmente aplicado a tudo: negócios, startups, empreendedorismo, organizações, pessoas, governança, tudo é para ser ágil.

Gosto do termo ágil como uma preocupação (e, por que não, uma obsessão?) em inovar e agregar cada vez mais valor às pessoas (às partes interessadas: colaboradores, clientes, fornecedores, acionistas, executivos, governo, etc.).

Com o passar dos anos, comprovou-se que as organizações com empreendedores de mindset ágil têm a capacidade de se adaptar rapidamente a um mercado em constantes mudanças, exatamente o contexto do mundo atual: tudo muda o tempo todo. Está praticamente impossível acompanhar, evoluir, competir, empreender em tudo.

Relembro a boa e velha (e tão atual) teoria da evolução do biólogo Charles Darwin: na luta pela sobrevivência aquele que sobrevive não é necessariamente o mais forte e, sim, o que melhor se adapta às condições do ambiente em que vive.

Adaptabilidade é palavra de ordem do novo mindset. E como fazer isso?

De forma individual: Avaliando diretamente em qual das mentalidades que você está: fixa ou de crescimento? A base vem do livro “Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso” da professora de psicologia de Stanford, Dra. Carol Dweck.

A mentalidade fixa é aquela em que a pessoa determina: acredito que minha inteligência, personalidade, caráter são fixos e obsoletos e meu potencial é determinado no momento do meu nascimento, portanto não alterável.

Na mentalidade de crescimento o indivíduo afirma que acredita que seu sucesso se baseia no trabalho duro, aprendizado, treinamento, resiliência e determinação.

De forma coletiva: Adicionamos os elementos comprovados ao longo das duas últimas décadas para o trabalho colaborativo (do latim, trabalhar junto, ajudar), mantendo o foco em três pilares: 1) Clientes: quem precisa; 2) Pequenas equipes: quem faz; 3) Redes de network: quem ajuda.

Tenho acompanhado pessoas e organizações que têm adotado esta nova mentalidade e 90% têm obtido sucesso direto em seus negócios. Os demais estão no processo de virada ágil de chave.

Cultura ágil

A cultura, em uma sociedade, é moldada pelo conjunto de tradições, crenças, costumes, histórias, vivências e aprendizado ao longo da convivência social, sejam mutáveis ou não. Cultura empreendedora se refere aos valores, crenças e ações que definem a forma como uma pessoa conduz seu negócio.

Aprofundando: a cultura ágil envolve o conjunto de conhecimentos, habilidades, valores e métodos que têm como objetivo acelerar o ritmo de criação, desenvolvimento, entrega e adaptabilidade dos respectivos produtos e serviços.

Como construir esta cultura ágil? Utilizando as bases e princípios da agilidade:

  • Desenvolvimento/processo incremental.
  • Comunicação e Colaboração.
  • Inspeção e Adaptação.
  • Transparência e Simplicidade.
  • Melhoraria contínua da produtividade e da qualidade.
  • Ciclos iterativos de entrega.
  • Avaliação e Feedbacks constantes.
  • Pequenas equipes multidisciplinares (complementares).
  • Segurança para errar, aprender, desaprender e reaprender.

Empreender é uma grande atividade empírica, ou seja, é necessária a experimentação como aquisição de conhecimento para aprimorar e ajustar o caminho. Certamente você, empreendedor, nunca fez antes o que está fazendo agora, pois o contexto sempre muda: a venda de um mesmo produto a um mesmo cliente é distinta, pois o mundo mudou entre a primeira e a segunda venda. Estamos sempre fazendo tudo pela primeira vez (com mais bagagem, experiência e aprendizado anterior).

Ao aplicamos as bases da agilidade no empirismo, construímos uma jornada sólida de aprendizado, alavanca fundamental na direção do propósito empreendedor.

Independentemente dos desafios, empreendedores que praticam o mindset ágil e a adotam a cultura ágil em seus negócios tornam-se campeões em adaptabilidade, entregando produtos e serviços de valor a seus clientes em maior velocidade, portando aumentando seu potencial empreendedor.

Confira mais conteúdos sobre gestão de pessoas em nossas newsletters e nossos podcasts.

Compartilhar:

Autoria

Andre Sanches

É mentor, palestrante, consultor nacional/internacional de agilidade humano/organizacional. Fundador da startup Alotuz e criador do #JornadaÁgil731, sócio do Instituto Êxito de Empreendedorismo e membro da Confraria do Empreendedor.

Artigos relacionados

Imagem de capa Como contratar e reter os profissionais de tecnologia na sua empresa

Gestão de pessoas

01 Julho | 2022

Como contratar e reter os profissionais de tecnologia na sua empresa

Em alta, eles estão recusando vagas cada vez mais. Atratibilidade, atualização tecnológica e, claro, adequação salarial são a chave para conquistá-los

Gregory Goris

4 min de leitura

Imagem de capa Promover a felicidade no trabalho é uma missão do negócio

Gestão de pessoas

09 Junho | 2022

Promover a felicidade no trabalho é uma missão do negócio

Colaboradores felizes são mais engajados e, por isso, atendem melhor aos clientes

Diogo Oishi

6 min de leitura

Imagem de capa Paralelismo: a chave do sucesso

Gestão de pessoas

01 Junho | 2022

Paralelismo: a chave do sucesso

O ser humano, em geral, não consegue atuar em duas tarefas que demandam atenção ao mesmo tempo. Por isso, a organização dos processos é essencial

Gabriel Tessarini

4 min de leitura

Imagem de capa Contra uma “great resignation”, ofereça um “great onboarding”

Gestão de pessoas

25 Maio | 2022

Contra uma “great resignation”, ofereça um “great onboarding”

Além de entender o que causa pedidos de demissão voluntária, RH e lideranças devem adotar uma integração mais estruturada para fortalecer a retenção de talentos

Leonardo Pujol

7 min de leitura

Imagem de capa Treinamento corporativo em meio à natureza

Gestão de pessoas

13 Maio | 2022

Treinamento corporativo em meio à natureza

Parque Estadual de Vila Velha, no Paraná, oferece vivências customizadas a empresas

Sandra Regina da Silva

5 min de leitura

Imagem de capa A experiência do colaborador como estratégia no combate ao turnover

Gestão de pessoas

28 Abril | 2022

A experiência do colaborador como estratégia no combate ao turnover

A pandemia transformou o mercado de trabalho. E, para enfrentar a alta rotatividade de colaboradores, o RH também precisa se transformar

Leonardo Pujol

6 min de leitura