fb-embed

3 min de leitura

Voluntariado empresarial: quais são os benefícios para empresas e funcionários?

Marcelo Nonohay

10 de Setembro

Compartilhar:
Artigo Voluntariado empresarial: quais são os benefícios para empresas e funcionários?

Você já ouviu falar de voluntariado empresarial? Muitas empresas têm adotado programas do tipo e gerado benefícios para elas e seus funcionários.

A HSM Management fez uma entrevista exclusiva com Marcelo Nonohay, referência na área de voluntariado empresarial e diretor da MGN, empresa especializada em gestão de projetos para transformação social, sobre o assunto. Ele explica quais benefícios são esses e dá exemplos concretos de empresas que têm feito isso no Brasil.

Confira a entrevista abaixo. 

Por que as empresas desenvolvem programas de voluntariado empresarial?

Os principais benefícios de uma atividade de voluntariado são aqueles relacionados ao seu impacto social na ponta. Esse deve ser o norte para a criação, planejamento e execução de um programa de voluntariado.

Quando falamos em um programa de voluntariado no âmbito corporativo, inevitavelmente, temos que ter um olhar que vai além da ação social em si. Assim como qualquer outra iniciativa corporativa, o programa de voluntariado empresarial deve ter um alinhamento com objetivos organizacionais e deve ser planejado visando maximizar os seus impactos positivos para a empresa.

Há várias dimensões do impacto dos programas de voluntariado. Na prática, dificilmente uma empresa leva todas elas em consideração, mas deveria! Esses impactos são verificados nas pessoas, no ambiente interno e no ambiente externo.

Quais são as dimensões relacionadas ao impacto nas pessoas que praticam o voluntariado?

Partindo de uma perspectiva individual, existem pesquisas que mostram os benefícios do serviço voluntário para a saúde mental e emocional, como por exemplo o estudo “Doing Good is Good for You”, realizado pela United Healthcare e a plataforma Volunteer Match. Essa pesquisa foi realizada entre pessoas que foram voluntárias nos últimos 12 meses e mostrou que 76% se sentem mais saudáveis, 94% sentem uma melhoria no humor e 78% reportaram menor nível de estresse. A atividade voluntária reduz a pressão arterial e está correlacionada com maior longevidade.

Do ponto de vista profissional, a participação em programas de voluntariado ajuda no desenvolvimento de competências como liderança, comunicação e resolução de problemas, ao mesmo tempo em que desenvolve trabalho em equipe.

Em termo de atitudes e comportamentos, colaboradores que participam de ações sociais promovidas por sua empresa desenvolvem maior sentimento de pertencimento e maior identificação de valores pessoais com os valores organizacionais.

Como os impactos individuais se relacionam com o ambiente interno?

Essas três dimensões individuais têm reflexo em outras três dimensões corporativas. Na medida em que as ações voluntárias são consistentes e duradouras, elas se tornam aliadas para a melhoria do clima e um ativo para gerenciar a cultura organizacional. Além disso, os programas de voluntariado aproximam trabalho e propósito, algo que é muito valorizado por diversos profissionais e auxilia na atração e retenção de talentos. Tudo isso faz com que as equipes sintam-se mais engajadas, o que tem impacto direto em aumentos de produtividade e rentabilidade, segundo pesquisa recente.

Como isso tudo beneficia o ambiente externo?

Como as ações voluntárias acontecem na comunidade, é claro que encontramos reflexos externos desses programas. Por excelência, a dedicação de horas de trabalho por causas de interesse social é um veículo de relacionamento comunitário e institucional com vários stakeholders. Se bem gerenciado, o programa de voluntariado empresarial pode contribuir de forma muito positiva na reputação e no posicionamento de marca.  

Como as empresas vêm aproveitando as vantagens dos programas de voluntariado empresarial?

Há muitos programas de voluntariado empresarial que são alinhados ao negócio das empresas. É o caso, por exemplo, do trabalho desenvolvido pelo escritório Central da C&A, onde o foco é a cadeia da moda, e pela Serasa Experian, onde a atuação é em educação financeira. Nesses casos, é muito comum o desenvolvimento de ações de voluntariado baseadas em habilidades (skill based). Esse tipo de ação tem a capacidade de desenvolver habilidades profissionais ao mesmo tempo em que reforçam o propósito e a cultura organizacional.

Há casos também em que a empresa aprofunda o seu relacionamento com a comunidade por meio do seu programa de voluntariado. Como exemplo, o Instituto Votorantim tem uma espécie de gincana de voluntariado, chamada Desafio Voluntário. Nessa estratégia gameficada, as unidades de diversas empresas realizam ações locais em Organizações Sociais e Escolas Públicas em dezenas de cidades ao mesmo tempo.

Compartilhar:

Autoria

Marcelo Nonohay

Diretor da MGN

Artigos relacionados

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura

Imagem de capa A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

Liderança, times e cultura

11 Abril | 2024

A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência

Ivan Cruz

5 min de leitura

Imagem de capa Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

Liderança, times e cultura

10 Abril | 2024

Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

É necessário compreender como empresas estão alcançando crescimento acima de 30% ao ano através de uma cultura analítica madura. Aprenda com casos reais de empresas que transformaram seus negócios com estratégias orientadas por dados nas tomadas de decisão.

Denys Fehr

7 min de leitura