fb-embed

Tecnologia e inovação

2 min de leitura

Use a tecnologia para aprimorar a gestão pública e o relacionamento com o cidadão

A inovação ainda encontra desafios na gestão pública, mas não é impossível implementá-la. Com soluções tecnológicas eficientes, a administração pública pode automatizar processos, reduzir a dependência de papel, aumentar a eficiência e diminuir erros humanos

Emanoelton Borges

06 de Novembro

Compartilhar:
Artigo Use a tecnologia para aprimorar a gestão pública e o relacionamento com o cidadão

Estamos passando por uma profunda transformação digital, e a gestão pública não está alheia às mudanças. Um exemplo disso é o uso da inteligência artificial (IA), que avança nos governos federal e estaduais. De acordo com uma recente pesquisa do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, a tecnologia em cena é de longe a mais mencionada por 45% dos órgãos federais e 22% dos estaduais.

Historicamente associada à burocracia e à morosidade, a administração pública pode finalmente vislumbrar alternativas para desconstruir essa imagem. Nesse sentido, as govetchs são aliadas de peso. Com soluções eficientes, é possível, por exemplo, automatizar processos, reduzir a dependência de papel, aumentar a eficiência e diminuir erros humanos.

Além disso, as plataformas digitais simplificam a participação do cidadão nas políticas governamentais e tornam mais fácil o dia a dia das pessoas, permitindo que acessem serviços via web, participem de ações públicas e estejam mais engajadas com a comunidade.

Ainda nesse contexto, prefeitos, governadores e secretários podem basear suas ações em dados. Isso faz com que as tomadas de decisões sejam orientadas em evidências extraídas por business intelligence (BI). Há também o papel crucial dessas aplicações no que diz respeito à proteção de dados governamentais e à implementação de medidas de segurança cibernéticas, a fim de evitar violações e vazamentos de informações confidenciais.

No entanto, é preciso reforçar sobre os desafios que a inovação ainda encontra dentro dos órgãos públicos. O principal empecilho se volta à cultura tradicional de alguns setores, resistentes às mudanças e novas abordagens, além da escassez de recursos financeiros direcionados à tecnologia. A aquisição de novas ferramentas depende de dinheiro e da capacitação dos funcionários, e isso requer investimentos substanciais.

Ainda assim, não é impossível implementar ações inovadoras na gestão pública, mas é preciso que as equipes estejam preparadas para adotar essas transformações. Portanto, os governos devem desenvolver estratégias extremamente claras, pensando nas áreas prioritárias, estabelecendo métodos específicos e alocando os recursos adequados.

Compartilhar:

Autoria

Emanoelton Borges

Emanoelton Borges é CEO da Alfa Group, empresa administrada pela Holding Alfa Group, e sócio-fundador da Dome Ventures, corporate venture govtech que foi concebida para transformar o futuro das instituições públicas, por meio de inovação e soluções digitais para governos e prefeituras através do desenvolvimento de startup.

Artigos relacionados

Imagem de capa E a Justiça brasileira também se transformaAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

E a Justiça brasileira também se transforma

Pode-se dizer que a transformação digital da administração pública é uma marca da metaeconomia. E, no ranking do Banco Mundial de governos mais digitais, o Brasil perde só para a Coreia do Sul, superando estrelas digitais como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Estônia, França, Índia e Rússia. Como? O poder judiciário é exemplo a observar.

Ademir Piccoli
Imagem de capa Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Em 2022, o assunto foi metaverso. Em 2023, o assunto foi o fracasso do metaverso – ou, pelo menos, seu adiamento. Em 2024, é hora de olhar para o todo em vez de focar detalhes, e começar a enxergar o que o autor deste artigo, que se define como cypherpunk, chama de “metaeconomia”. O nome talvez seja provisório, mas trata-se de um novo ciclo econômico, construído em 25 anos de digitalização, interconexão e a convergência de forças específicas.

Courtnay Guimarães

14 min de leitura

Imagem de capa Inovar, em primeiro lugar, com as pessoasAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Inovar, em primeiro lugar, com as pessoas

Imagine qual seria a missão de empresa metalmecânica fundada por um torneiro mecânico em Aracruz (ES) em 1980. Você vai se surpreender com a Imetame: “contribuir para as pessoas realizarem sonhos”. Como mostra esta reportagem, os líderes da companhia capixaba se viram como “intensivos em capital humano” e decidiram se diferenciar inovando no tratamento com pessoas, dos colaboradores às da comunidade. Ao menos para organizações intensivas em capital humano, isso pode ser um booster e tanto.