fb-embedUm mapa para acessar capital, o combustível para o crescimento das empresas HSM Management

6 min de leitura

Um mapa para acessar capital, o combustível para o crescimento das empresas

Endeavor, EY e EDP Ventures detalham o Mapa de Acesso a Capital, documento gratuito que orienta quem tem um negócio sobre as melhores decisões financeiras para crescer

09 de Novembro

Compartilhar:
Artigo Um mapa para acessar capital, o combustível para o crescimento das empresas

Nos últimos sete meses, a principal preocupação das empresas foi sobreviver à crise desencadeada pela pandemia do coronavírus. Apenas sobreviver, no entanto, não basta. Voltar a crescer é essencial para que os negócios sigam gerando empregos, movimentando a economia e impulsionando o país para frente. Mas o que empreendedores e empreendedoras precisam para retomar o rumo dessa trajetória, fazendo a roda voltar a girar?

Um dos elementos essenciais é o acesso a capital, combustível para o crescimento das empresas. Tendo esse cenário em vista, a Endeavor – organização global sem fins lucrativos que apoia o empreendedorismo de alto impacto – lançou o Mapa de Acesso a Capital. O documento, construído com apoio da EY e da EDP Ventures, orienta quem tem um negócio sobre como tomar as melhores decisões financeiras para crescer. Nele, mentores e parceiros esclarecem os principais desafios de empreendedores e empreendedoras, mapeados a partir de mais de 400 interações com as empresas da rede Endeavor ao longo dos últimos 5 anos.

Como o acesso a capital funciona na prática? Qual é o cenário para as empresas que precisam levantar recursos hoje? Qual o impacto disso para as empresas? Essas e outras perguntas são respondidas abaixo por Renata Mendes, gerente de Políticas Públicas da Endeavor, Raquel Teixeira, sócia-líder de Private da EY no Brasil e América do Sul e líder dos programas Winning Women e Empreendedor do Ano, e Rosario Cannata, gestor de investimentos da EDP Ventures. Confira:

1. Vivemos um período de crise aguda devido à pandemia de coronavírus. Em que medida as empresas – em especial, as de alto crescimento – têm conseguido levantar recursos para avançar com suas atividades nos últimos meses?

Raquel Teixeira: A crise mudou os hábitos de consumo da população, gerando aumento ou redução de demandas por determinados produtos e serviços. As empresas tiveram de se adaptar a uma nova realidade e os negócios foram atingidos de diferentes maneiras, tirando alguns projetos que ainda estavam na gaveta, principalmente aqueles ligados à transformação digital. E isso exigiu o levantamento de maior capital, antes previsto para outras iniciativas. Cada empresa deve analisar o que é melhor dentro da sua realidade antes de decidir qual caminho seguir na hora de captar esses recursos.

2. Quais são as dúvidas mais comuns que os empreendedores demonstram ter ao buscar capital para seus negócios?

Rosario Cannata: Quando encontramos empreendedores que estão captando capital pela primeira vez, as dúvidas mais comuns são sempre relacionadas ao instrumento que poderá ser utilizado na rodada, como mútuo conversível ou equity investment, ao possível valor da transação e ao envolvimento dos investidores na governança da empresa. Na EDP Ventures, nós investimos muito tempo na construção do contrato e na estruturação da governança em conjunto com a startup. Daí a importância de uma plataforma como o Mapa de Acesso a Capital, que explica em detalhes todas as alternativas do mercado para que os empreendedores estejam o mais informados possível no momento da tomada de decisão. 

3. O que exatamente é o Mapa de Acesso a Capital e de que forma ele pode ajudar superar os desafios dos empreendedores ao buscar capital?

Renata Mendes: O Mapa de Acesso a Capital é um guia completo e inédito no Brasil que oferece conceitos, instruções e boas práticas para acessar nove alternativas de financiamento para empresas: investimento anjo, seed, série A/B, growth capital, private equity, capital de giro, linhas de crédito, debêntures e venture debt. O objetivo do mapa é ajudar os empreendedores e empreendedoras a tomar melhores decisões de acesso a capital, de acordo com o momento e a estratégia de crescimento da empresa, para que possam ir atrás do principal combustível para escalar seus negócios. 

Até hoje, não existia um material que mapeasse todas as opções de acesso a capital no país, muito menos o passo a passo de como conseguir o financiamento ou investimento.  O MAC é de empreendedor para empreendedor: o material tem o viés do empreendedor, mostrando o que é melhor pra ele – algo difícil para ele conseguir em outro lugar. Por isso, o Mapa vai ajudar muitos empreendedores a sanar as dores causadas pela falta de conhecimento e preparação acerca do processo de acesso a capital.

4. Por que a Endeavor, com o apoio de EY e EDP, decidiu encampar essa iniciativa? O que ela tem de diferente de outras do gênero?

Renata Mendes: Criamos o Mapa com o objetivo de oferecer as ferramentas necessárias para que os empreendedores se sintam preparados para ir atrás de capital para impulsionar o crescimento de seus negócios, entendendo seus desafios, momento e qual forma de financiamento procurar. A diferença é que a Endeavor, juntamente de EY e EDP, desenvolveu um material com o apoio de mais de 40 mentores da sua rede, especialistas de mais de 25 organizações especializadas, como redes de investidores, fundos e assessorias, e com insights colhidos durante mais de 400 mentorias com empreendedores realizadas nos últimos cinco anos. 

Além disso, o guia também oferece mapeamentos de players do ecossistema. Conhecemos muito de perto o que dói na jornada dos empreendedores. Construímos um material que é "de, por e para empreendedores", além de ser o único no país a reunir todas as opções e orientações para acessar capital, seja via financiamento ou investimento.

5. O Mapa aborda duas frentes principais de acesso a capital: crédito e equity. Quais são as vantagens e desvantagens de cada uma dessas alternativas? Para que tipo de negócios elas são indicadas?

Raquel Teixeira: As operações de dívida, se bem estruturadas e adequadas ao fluxo de caixa do projeto, possuem o potencial de aumentar o valor do negócio para o acionista. Isso ocorre todas as vezes que o capital de terceiros via operação de crédito é empregado em um negócio com taxa de retorno superior à de captação. As companhias alavancadas corretamente também tendem a possuir uma maior liquidez, o que contribui para a aceleração dos planos de investimentos. No entanto, as operações de dívida usualmente exigem garantias reais da empresa devedora e impõem à operação uma necessidade de disciplina e capacidade de geração de caixa capazes de garantir o repagamento.

Por outro lado, se as operações de equity não pressionam o caixa das companhias, elas têm como efeito colateral a diluição da participação societária. Os novos sócios têm como tese de investimento que aquele capital injetado contribuirá para o incremento do valor do negócio e a consequente valorização de suas ações compradas. Portanto, também possuem o direito de interferir na gestão do ativo. Não há um modelo mais adequado, mas é comum que empresas em estágio inicial de desenvolvimento não tenham risco de crédito consolidado, o que dificulta o acesso às dívidas de maneira competitiva e, consequentemente, tenham o equity como uma alternativa mais viável de acesso a capital.

6. Em que medida é importante que as empresas tenham acesso a capital para voltar a crescer? E que diferença isso pode fazer para a recuperação da economia do país?

Rosario Cannata: Num ano em que o consumo será naturalmente mais baixo, as empresas mais capitalizadas serão aquelas que vão sobreviver melhor à crise e retomar mais rapidamente o ritmo de crescimento no curto prazo. Mais capital garante mais capacidade de reter talentos e clientes, mais chance de “pivotar” o modelo de negócio readaptando produtos e serviços ao novo contexto e mais possibilidade de ocupar o espaço deixado por concorrentes em crise.

Compartilhar:

Autoria

Artigos relacionados

Imagem de capa Como contratar e reter os profissionais de tecnologia na sua empresa

Gestão de pessoas

01 Julho | 2022

Como contratar e reter os profissionais de tecnologia na sua empresa

Em alta, eles estão recusando vagas cada vez mais. Atratibilidade, atualização tecnológica e, claro, adequação salarial são a chave para conquistá-los

Gregory Goris

4 min de leitura

Imagem de capa Verdades desconfortáveis (que ninguém conta) sobre a inovação aberta

Inovação

30 Junho | 2022

Verdades desconfortáveis (que ninguém conta) sobre a inovação aberta

Ao tratar o processo de inovação aberta com uma mentalidade de proteção, as organizações perdem seus principais benefícios

Alexandre Waclawovsky | Wacla

5 min de leitura

Imagem de capa Contratação de minorias e LGPD: como lidar com a insegurança jurídica

Diversidade

30 Junho | 2022

Contratação de minorias e LGPD: como lidar com a insegurança jurídica

Lei Geral de Proteção de Dados impõe limites ao tratamento de dados pessoais na contratação de minorias. Mas isso não quer dizer que empresas devem deixar de buscar a inclusão e a diversidade

Priscila Novis Kirchhoff, Jackeline Gomes Falcão e Rafaella Medina Peres

5 min de leitura

Imagem de capa LGBTI+: as melhores empresas para trabalhar

Diversidade

29 Junho | 2022

LGBTI+: as melhores empresas para trabalhar

No Mês do Orgulho, foram divulgadas as 38 empresas reconhecidas por oferecem um ambiente mais inclusivo no mercado de trabalho brasileiro

Sandra Regina da Silva

3 min de leitura

Imagem de capa Como sua organização pode ser para todos e todas

Diversidade

29 Junho | 2022

Como sua organização pode ser para todos e todas

Esse é um longo caminho que passa ainda por inclusão, equidade e pertencimento

Fred Alecrim

3 min de leitura

Imagem de capa Inclusão e inovação caminham de mãos dadas

Diversidade

28 Junho | 2022

Inclusão e inovação caminham de mãos dadas

Promover a diversidade LGBTQIAPN+ nas empresas é algo deve acontecer o ano todo, não só em junho (e em todas as empresas, que agora têm exemplos para seguir)

Ana Paula Kagueyama

3 min de leitura