fb-embed

1 min de leitura

Squads: sua empresa ainda vai ter muitos

– O meu squad tem o PO, um back-end, um front-end, um arquiteto, um QA, um tester, um UX, um DBA, um DevOps, um security. –Por que não tem scrum master?

12 de Maio

Compartilhar:
Artigo Squads: sua empresa ainda vai ter muitos

Esse diálogo, que pode parecer de outro planeta para profissionais de marketing e vendas, recursos humanos ou finanças, refere-se a um tipo de estrutura que tomou conta da área de desenvolvimento de software: o squad – esquadrão, em inglês. (Alguns tratam o termo no feminino – a squad.)

A vasta maioria das organizações de software se baseia hoje nesse tipo de equipe, que é montada por projeto (e, portanto, temporária) e composta de profissionais de múltiplas disciplinas, com autonomia, e baseada em uma metodologia ágil, como scrum, kanban ou outra qualquer.

A novidade é que, em tempos de transformação digital, os squads estão se estendendo a outros tipos de empresas, fora do setor de tecnologia da informação, e a outras atividades, que não apenas desenvolvimento de software. Cheios de simbologia, como as máscaras tribais que ilustram este Dossiê e os nomes que lembram games, esses times ágeis podem ser uma poderosa ferramenta de descentralização para qualquer companhia, garantindo-lhe maior velocidade para atender ao mercado e a capacidade de atrair jovens talentos. Mas têm um senão: eles exigem perfis profissionais com características bem diferentes dos padrões atuais, como o leitor verá a seguir. 

GLOSSÁRIO:

Arquiteto = desenvolve o contexto estratégico, identifica as necessidades e mapeia o mercado;

back-end = programa usando tecnologias do lado servidor (como Java, C# e PHP);

DBA =  gerencia o banco de dados;

DevOps =  integra as áreas de desenvolvimento e operações;

front-end =  programa usando tecnologias do lado cliente (como HTML e JavaScript);

PO  =  é o dono de produto;

QA = responde por qualidade;

scrum master = facilita o método ágil scrum no dia a dia (pode chamar-se agile coach também);

security = responde por segurança;

tester = faz testes de qualidade;

UX = cuida da experiência do usuário.

Compartilhar:

Autoria

Artigos relacionados

Imagem de capa A inevitável transição do People Analytics para o People Intelligence

Liderança, times e cultura

11 Abril | 2024

A inevitável transição do People Analytics para o People Intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência.

Ivan Cruz

5 min de leitura

Imagem de capa A cultura data driven acelera a transformação digital

Liderança, times e cultura

10 Abril | 2024

A cultura data driven acelera a transformação digital

É necessário compreender como empresas estão alcançando crescimento acima de 30% ao ano através de uma cultura analítica madura. Aprenda com casos reais de empresas que transformaram seus negócios com estratégias orientadas por dados nas tomadas de decisão.

Denys Fehr

7 min de leitura

Imagem de capa Além da liderança: o papel estratégico dos executivos C-level na era da automação

Gestão de pessoas

08 Abril | 2024

Além da liderança: o papel estratégico dos executivos C-level na era da automação

A automação cada vez mais faz parte de nosso cotidiano e a liderança precisa acompanhar este movimento: muito além da produção, muito além das lideranças que conhecemos.

Renan Salinas

3 min de leitura

Imagem de capa Qual a chave para uma boa tomada de decisão?

Gestão de pessoas

05 Abril | 2024

Qual a chave para uma boa tomada de decisão?

Cada vez mais será necessário exercermos nosso pensamento crítico diante das experiências cotidianas. Mas você sabe o que é isso, necessariamente? Sabe não cair no julgamento?

Galo Lopez

2 min de leitura