fb-embed

Liderança

2 min de leitura

Reflexões sobre o Papel de Líder

As transformações e o futuro da liderança.

Colunista Rubens Pimentel

Rubens Pimentel

15 de Março

Compartilhar:
Artigo Reflexões sobre o Papel de Líder

De forma geral, temos perdido a conexão com o que é mais essencial no papel de líder, que é conduzir seus liderados aos resultados que realmente fazem diferença para um grupo de pessoas, uma equipe, uma empresa, um estado... uma nação.

Com a chegada do Quiet Ambition (leia esta matéria para entender o conceito https://l1nq.com/xCOZa), enxergo uma crise sem precedentes na sucessão dos quadros de liderança nas empresas.

Mas por que isso está acontecendo?

Estamos dando um péssimo exemplo às novas gerações: trabalhamos 16 horas por dia e cuidamos questionavelmente de nossa saúde e de nossas famílias.

A conquista de um posto de liderança não se trata de merecimento, ser escolhido, ou de ganhar mais dinheiro ou poder. Trata-se da responsabilidade assumida em tornar nossas equipes, empresas e sociedade mais produtivas, prósperas, livres e felizes. E isso começa com a consciência de nosso papel e o entendimento da essência de liderar: ser o Hub de produtividade da equipe.

Colocar em prática esse conceito significa dominar algumas técnicas e protocolos de liderança, como saber proporcionar um ambiente no qual as pessoas se engajem e se motivem, construir confiança permanente entre todos na equipe, usar um bom protocolo de comunicação, consistente priorização e delegação técnica. Este é o único caminho já testado, com resultados comprovados, que traz produtividade e equilíbrio nas agendas pessoais, familiares e de trabalho.

Quer saber por onde começar?

Uma leitura essencial para todo líder é o livro “Os 5 desafios das equipes”, de Patrick Lencioni, onde é possível aprender e praticar a construção de confiança entre líder e liderados. Confiança é a base da pirâmide para a entrega de resultados financeiros, do clima organizacional e da saúde mental de todos.

Patrick Lencione

Pense como seria ser liderado por alguém que nos reconhece, corrige, conduz aos resultados e está à nossa frente para nos defender, acima para tomar as decisões mais difíceis, ao nosso lado para criar soluções criativas e de frente, olho no olho, quando precisa ser franco e direto. Agora, pense em tudo ao contrário e faça sua escolha.

Inauguro esta coluna com uma promessa: vamos “desromantizar” a liderança e o papel do líder, e meu manifesto é por um ambiente de trabalho que diverte as pessoas e resultados profissionais que as engrandecem. Qualquer coisa fora deste contexto é mero pretexto e grito em redes sociais para justificar o desequilíbrio e a falta de competência de chefes ruins.

Pense nisso com carinho!

Compartilhar:

Colunista

Colunista Rubens Pimentel

Rubens Pimentel

Rubens Pimentel

Rubens Pimentel é CEO da Trajeto Desenvolvimento Empresarial e já treinou mais de 32 mil executivos e profissionais.

Artigos relacionados

Imagem de capa Cultura data-driven: como estratégias baseadas em dados podem guiar equipes e direcionar o crescimento organizacional

Cultura organizacional

17 Julho | 2024

Cultura data-driven: como estratégias baseadas em dados podem guiar equipes e direcionar o crescimento organizacional

Com a informação se tornando uma commoditie crucial, as organizações que não adotarem uma cultura data-driven, que utiliza dados para orientar decisões e estratégias, vão ficar pelo caminho. Entenda estratégias que podem te ajudar neste processo!

Felipe Mello

3 min de leitura

Imagem de capa Qual a forma mais eficaz de gerar conexão entre as gerações dentro da sua empresa?

Liderança

20 Maio | 2024

Qual a forma mais eficaz de gerar conexão entre as gerações dentro da sua empresa?

Afim de tentar criar uma conexão entre gerações, um evento corporativo também pode ser oportunidade de construir este elo entre colaboradores e é isso que Alexandre Cunha e Gustavo Ayres contam para nós neste relato.

Gustavo Ayres e Alexandre Cunha

3 min de leitura