fb-embed

3 min de leitura

Por que cuidar do ciclo de vida do colaborador dentro da empresa?

Bruno Soares

13 de Agosto

Compartilhar:
Artigo Por que cuidar do ciclo de vida do colaborador dentro da empresa?

Em um passado não tão distante, o papel do setor de recursos humanos nas empresas era, basicamente, cuidar da burocracia de entrada e de saída de colaboradores. Hoje, para as companhias que entendem o papel estratégico do RH, a atuação dele começa antes da contratação e vai além do desligamento de um profissional.

Olhar para o ciclo completo de relacionamento de uma pessoa com uma empresa é essencial para contratação eficaz, produtividade, engajamento e melhora do clima organizacional. Assim, além de economizar recursos com turnover, por exemplo, as empresas ainda potencializam seus resultados com uma equipe motivada e produtiva.

Muito mais do que o papel burocrático, o RH hoje é peça fundamental para o crescimento saudável de uma empresa. Quem gera valor ao negócio são os colaboradores; sem eles não há quem crie estratégias ou execute funções essenciais para manter a empresa ativa. Se por um lado o mercado de trabalho apresenta bastante mão-de-obra disponível, por outro, é difícil encontrar colaboradores comprometidos, que tenham as habilidades necessárias para o trabalho, se encaixem na cultura organizacional e se mantenham satisfeitos.

Quando encontram o profissional que apresente as características necessárias para exercer determinada função, as empresas devem investir na retenção. Além disso, é necessário ficar atento em relação às ações de retenção, que mudam de acordo com o ciclo de vida do funcionário na empresa. Entenda como o RH é estratégico no acompanhamento do ciclo de vida de um profissional dentro de uma empresa:

Atração e contratação

Além dos processos de admissão, um RH estratégico se antecipa e pensa em ações de atração de talentos que tenham fit com a empresa. Isso pode ser feito por meio de iniciativas de employer branding, construindo uma forte imagem de marca empregadora, apresentando de forma transparente a cultura e mostrando os benefícios que a empresa oferece aos seus colaboradores. Assim, pessoas que se identificarem com o perfil da empresa irão se submeter às vagas.

Início das atividades

Assim que o profissional entra na empresa é essencial que seja feito um onboarding – o termo está associado ao processo de integração de colaboradores recém-contratados. Dessa forma, este se adapta à cultura organizacional e conhece os processos da companhia. Assim, o colaborador tem menos atrito no período inicial, consegue desenvolver seu trabalho e se sentir parte do negócio de forma mais rápida.

Evolução

Durante seu ciclo de vida dentro de uma empresa, o profissional precisa se desenvolver. Por isso, auxiliar na criação de um plano de carreira, manter expectativas alinhadas e até mesmo oferecer benefícios para o profissional aprimorar seus conhecimentos são estratégias que o aproximam da empresa e o fazem crescer. A retenção é facilitada se o colaborador enxerga um caminho nítido dentro do negócio e a empresa dá subsídio para que ele adquira conhecimento para tal evolução. Além disso, é importante estar atento à evolução na vida pessoal do colaborador. 

Desligamento

Caso aconteça alguma situação em que seja necessário o desligamento de um profissional, é preciso acompanhamento além das questões burocráticas. O profissional que está saindo da empresa se sente mais livre para apontar possíveis pontos de melhoria ou exaltar ações positivas. Por isso, uma entrevista após o desligamento é essencial para evoluir as práticas de RH das empresas.

Mudanças favoráveis

É negativo manter o colaborador estático durante a jornada na companhia. Uma empresa que acompanha de perto e oferece mudanças positivas durante o ciclo de vida do colaborador tende a ser um lugar mais agradável de se trabalhar e, portanto, tende também a reter mais talentos. Ouvir o colaborador em todos os seus estágios dentro da organização é essencial para entender suas necessidade e incentivar a evolução conjunta: do negócio e do profissional.

Quando a empresa olha para todo o ciclo de vida do colaborador, é possível acelerar o processo de onboarding de maneira saudável, aumentar o engajamento dos colaboradores, retê-los mais felizes e por mais tempo. Como consequência, teremos colaboradores mais preparados, felizes e agregando mais valor ao negócio.

Compartilhar:

Autoria

Bruno Soares

Cofundador e CEO da Feedz

Artigos relacionados

Imagem de capa O crescimento das HRTechs impulsiona a economia brasileira

Transformação Digital

24 Abril | 2024

O crescimento das HRTechs impulsiona a economia brasileira

HRTechs surgem para agilizar processos e oferecer variedade de benefícios, porém, desafios como imersão digital persistem. Investir em colaboradores traz diferenciais competitivos e reduz turnover, apontando para um futuro promissor no setor de benefícios corporativos no Brasil

Charles Schweitzer

2 min de leitura

Imagem de capa Blockchain e gestão pública: um match interessante

Transformação Digital

22 Abril | 2024

Blockchain e gestão pública: um match interessante

Você sabia que o uso de blockchain promove maior sustentabilidade e pode ajudar na redução do consumo de energia?

Matheus Laupman

5 min de leitura

Imagem de capa Desvendando o cérebro criativo

Gestão de pessoas

20 Abril | 2024

Desvendando o cérebro criativo

Neurociência e práticas de inovação caminham juntas para destravar o potencial criativo humano

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

6 min de leitura