fb-embed

1 min de leitura

Por que a moeda digital do Facebook é uma "loucura" que pode funcionar

O site da revista Inc. Magazine levantou algumas razões pelas quais a iniciativa pode ser considerada uma daquelas ideias “tão loucas que podem funcionar”.

Lizandra Almeida

03 de Julho

Compartilhar:
Artigo Por que a moeda digital do Facebook é uma "loucura" que pode funcionar

O anúncio de que o Facebook planeja, já no primeiro semestre de 2020, lançar sua própria moeda digital, a Libra, surpreendeu muita gente, gerando um misto de entusiasmo, dúvidas e, até mesmo, uma certa preocupação no que diz respeito à regulamentação. 

Pode funcionar porque: é o Facebook e apesar do Facebook

Com 2,3 bilhões de usuários, a rede social tem condições de tornar a Libra amplamente aceita nos países ocidentais. Ao mesmo tempo, porém a confiança do público no Facebook tem sofrido turbulências.

Por isso mesmo, tem se destacado o fato de que a Libra nasce com o suporte de 28 empresas e organizações, como Mastercard, Visa, eBay e Uber. Além disso, a nova moeda digital terá por trás dela uma cesta de moedas “físicas” e um conjunto de ativos de baixa volatilidade.

Para além dos limites do mundo dos negócios

De acordo com o Facebook, a moeda virtual tem como seu principal público-alvo as milhões de pessoas que não têm contas bancárias ou acesso a serviços financeiros, mas possuem smartphones. Isso inclui populações de países que não conseguem ter uma moeda estável. 

Assim, se a Libra funcionar, o Facebook vai transcender o mundo dos negócios e assumir funções que, até agora, eram exclusivas dos governos.

Compartilhar:

Autoria

Lizandra Almeida

Lizandra Magon de Almeida é diretora operacional da Revista HSM. Além disso, ela é jornalista, editora e tradutora, sócia-diretora da Pólen Editorial, Colmeia Edições e da Pólen Livros, respectivamente empresas de criação e desenvolvimento de conteúdo, autopublicação e editora de livros. Atua no mercado editorial desde 2000, tendo trabalhado na Publifolha e prestado serviços para editoras como Globo, Leya, Larousse, Siciliano, Summus, entre outras. É formada em Jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da USP, com pós-graduação em Gestão do Conhecimento e da Inovação pelo SENAC-SP. Foi integrante do programa 10.000 Mulheres, do banco de investimentos Goldman Sachs em parceria com a Fundação Getúlio Vargas de São Paulo.

Artigos relacionados

Imagem de capa Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Precisamos falar sobre o esgotamento que a produção incessante e sem propósito está fazendo com que mais da metade da população adoeça.

Carol Olinda

6 min de leitura

Imagem de capa Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Não cabe mais só fazermos decisões com base na intuição, por isso, é necessário reconhecer que tipo de compreensão sobre people analytics estamos criando!

Galo Lopez

5 min de leitura

Imagem de capa Qual a forma mais eficaz de gerar conexão entre as gerações dentro da sua empresa?

Liderança, times e cultura

20 Maio | 2024

Qual a forma mais eficaz de gerar conexão entre as gerações dentro da sua empresa?

Afim de tentar criar uma conexão entre gerações, um evento corporativo também pode ser oportunidade de construir este elo entre colaboradores e é isso que Alexandre Cunha e Gustavo Ayres contam para nós neste relato.

Gustavo Ayres e Alexandre Cunha

3 min de leitura

Imagem de capa Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

Gestão de pessoas

20 Maio | 2024

Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

O olhar pela questão etária sempre precisa ser algo mais atento e que consiga prever os estranhamentos que podem acontecer em nosso trabalho, afinal, a diversidade está também nesse olhar das necessidades distintas que cada geração possui em determinado momento.

João Roncati

3 min de leitura