fb-embed

2 min de leitura

O que falta nas lideranças para transformação digital

As lideranças que fazem diferença no processo de transformação digital devem colocar mais fichas na experiência do cliente do que na tecnologia em si

Colunista Joseph Teperman

Joseph Teperman

26 de Agosto

Compartilhar:
Artigo O que falta nas lideranças para transformação digital

“Preciso de alguém para nos ajudar na nossa transformação digital.” Essa foi uma das frases que mais ouvimos nos últimos dois ou três anos.

Todas as lideranças que se prezam estão olhando para isso. Algumas mais avançadas, outras ainda engatinhando.

Mas quem deve ser protagonista desse movimento? CTOs, CIOs, CDOs (spoiler: não contrate um CDO, a não ser que queira um PMO de luxo), CRHOs, CEOs?

Nenhuma das anteriores. O protagonista deve ser... o CLIENTE.

Óbvio, não? Infelizmente não... Vemos muita gente esquecendo de colocar o cliente no centro desta transformação. Depositando todas as suas fichas na tecnologia em si, sem pensar em qual problema ela vai solucionar.

Se o cliente é o protagonista, a liderança “da porta para dentro” deve ser da área de negócios. De quem está (ou deveria estar) ouvindo o mercado e se antecipando às necessidades dele (com uso de tecnologia – obviamente), que deve puxar as transformações na sua organização. Este é o pilar central de qualquer transformação digital.

Mas, e meu ou minha CIO ou CTO?

Opa... essa pessoa é fundamental neste processo. É quem faz a dupla dinâmica com a área de negócio.

Alguém que além de estar mais do que atualizado tecnologicamente, deve entender do seu negócio também.

CTOs e CIOs “tiradores de pedido” atrapalham o seu negócio. Você precisa de líderes que entendam o impacto que você quer gerar no seu produto, serviço, atendimento etc. E que, a partir daí e junto com quem está na ponta, procure e implemente a melhor solução tecnológica para a tua demanda de negócio. Insistimos: a tecnologia, por si só, não resolve nada.

Com estes dois pilares bem preenchidos, você precisa então olhar para aquilo que dá liga a tudo isso: a cultura e a dinâmica organizacional.

Transformação digital não existe sem transformação cultural. Não queira lutar contra este fato.

Sua empresa precisa estar aberta a SER digital.

Essencialmente, você precisa que toda a sua organização se adapte a isso. Toda a sua organização precisa ter o novo mindset. Em português, e em maiúsculas: Novo Estado Mental. Toda a empresa precisa colocar o cliente no centro.

Isto significa revisitar como as coisas são mensuradas, como a comunicação se dá, como as pessoas são medidas, como os erros são tolerados (ou incentivados), como se aprende, como se ensina e como se lidera (recomendamos saber mais sobre liderança adaptativa, do Ronald Heifetz).

Fomentar isso é papel de toda a liderança, e o fiel da balança é o seu RH. Se você tem RH business partners, desenvolva-os (ou substitua) por um RH business player!


*Artigo escrito em colaboração com Paulo Aziz Nader, sócio da Amrop Inniti

Compartilhar:

Autoria

Colunista Joseph Teperman

Joseph Teperman

CEO da Amrop INNITI, Board Member, Lifelong Learner, Anticarreirista

Artigos relacionados

Imagem de capa Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Precisamos falar sobre o esgotamento que a produção incessante e sem propósito está fazendo com que mais da metade da população adoeça.

Carol Olinda

6 min de leitura

Imagem de capa Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Não cabe mais só fazermos decisões com base na intuição, por isso, é necessário reconhecer que tipo de compreensão sobre people analytics estamos criando!

Galo Lopez

5 min de leitura

Imagem de capa Qual a forma mais eficaz de gerar conexão entre as gerações dentro da sua empresa?

Liderança, times e cultura

20 Maio | 2024

Qual a forma mais eficaz de gerar conexão entre as gerações dentro da sua empresa?

Afim de tentar criar uma conexão entre gerações, um evento corporativo também pode ser oportunidade de construir este elo entre colaboradores e é isso que Alexandre Cunha e Gustavo Ayres contam para nós neste relato.

Gustavo Ayres e Alexandre Cunha

3 min de leitura

Imagem de capa Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

Gestão de pessoas

20 Maio | 2024

Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

O olhar pela questão etária sempre precisa ser algo mais atento e que consiga prever os estranhamentos que podem acontecer em nosso trabalho, afinal, a diversidade está também nesse olhar das necessidades distintas que cada geração possui em determinado momento.

João Roncati

3 min de leitura