fb-embed

Tecnologia e inovação

3 min de leitura

O equilíbrio entre aceleração tecnológica e as limitações humanas

A tecnologia pode ser uma aliada poderosa para todos os desafios de aprendizado, mas não é uma solução universal. É preciso encontrar maneiras de capacitar as pessoas de forma eficaz, com ajuda da tecnologia, mas respeitando os ritmos naturais de cada um

Colunista Luiz Alexandre Castanha

Luiz Alexandre Castanha

31 de Outubro

Compartilhar:
Artigo O equilíbrio entre aceleração tecnológica e as limitações humanas

Vivemos em uma era de avanços tecnológicos vertiginosos, onde a informação e o conhecimento fluem em uma velocidade sem precedentes. A rápida adoção de aplicativos que conquistam milhões de usuários rapidamente, como o Threads da Meta, ilustra a intensa aceleração do mundo digital.

A nova rede social de Mark Zuckerberg chegou à incrível marca de 100 milhões de usuários em apenas cinco dias! Somente como efeito de comparação, o TikTok levou nove meses, o Instagram dois anos e meio e o Facebook mais de quatro anos, segundo dados da PwC e do Yahoo!.

Essas pesquisas indicam que essa celeridade é uma realidade inegável, refletindo a disseminação veloz de conhecimento e a adesão das pessoas às novas tecnologias em conjunto com a síndrome FOMO (fear of missing out, que traduzida para o português significa “medo de ficar de fora”).

Caracterizada pela necessidade constante que uma pessoa tem de estar informada a todo momento e não querer ficar de fora do que acontece no mundo lá fora, pode gerar até medo e ansiedade quando, por algum momento, uma pessoa imagina perder algum acontecimento importante.

No entanto, por trás desse comportamento, existe um dilema intrigante: como conciliar a crescente demanda por aprendizado acelerado com as limitações inerentes à natureza humana?

Assim como os aplicativos que buscam conquistar usuários em um piscar de olhos, as empresas enfrentam a pressão de capacitar seus colaboradores com rapidez para se manterem competitivas em um ambiente de negócios em constante transformação. Métodos como o microlearning e o uso de inteligência artificial (IA), incluindo aplicativos populares como o WhatsApp, emergem como soluções para acelerar o processo de aprendizagem.

Mas, apesar dos avanços tecnológicos e das metodologias inovadoras, é fundamental reconhecer as limitações inerentes ao aprendizado humano. Certos conhecimentos, especialmente aqueles que demandam profundidade e estruturação, não podem ser assimilados rapidamente.

Tome, por exemplo, o curso de odontologia, que hoje requer anos de estudo intensivo. Embora tecnologias e ferramentas auxiliem, há um limite para a velocidade com que se pode absorver um grande número de informações complexas.

Para encontrar um equilíbrio, a especialização e a segmentação do conhecimento se tornam fundamentais. Ao dividir o aprendizado em partes mais gerenciáveis e especializar-se em áreas específicas, podemos otimizar a aprendizagem. Isso permite que profissionais, como o dentista, se concentrem em aspectos específicos de sua profissão – como a ortodontia, por exemplo – e alcancem maior profundidade em menos tempo, aprofundando o aprendizado de forma mais eficaz.

E a tecnologia desempenha um papel fundamental nesse processo. Ferramentas como o ChatGPT e um chatbot de WhatsApp podem fornecer informações específicas e imediatas, facilitando a absorção rápida de conhecimento.

É importante reconhecer que, embora a tecnologia seja uma aliada poderosa, não é uma solução universal para todos os desafios de aprendizado. Mas a inclusão de pílulas de conhecimento imediato pode facilitar o acesso a informações essenciais de maneira ágil.

A busca por um equilíbrio entre a aceleração tecnológica e as limitações humanas é a chave para o sucesso. É nosso desafio encontrar maneiras de capacitar as pessoas de forma eficaz, aproveitando a tecnologia como aliada, mas sempre respeitando os ritmos naturais de aprendizado. Nesse equilíbrio, encontraremos o caminho para um futuro mais promissor e harmonioso.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Luiz Alexandre Castanha

Luiz Alexandre Castanha

Luiz Alexandre Castanha é CEO da NextGen Learning, administrador de empresas com especialização em gestão de conhecimento e storytelling aplicado à educação, coautor do livro Olhares para os Sistemas.

Artigos relacionados

Imagem de capa E a Justiça brasileira também se transformaAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

E a Justiça brasileira também se transforma

Pode-se dizer que a transformação digital da administração pública é uma marca da metaeconomia. E, no ranking do Banco Mundial de governos mais digitais, o Brasil perde só para a Coreia do Sul, superando estrelas digitais como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Estônia, França, Índia e Rússia. Como? O poder judiciário é exemplo a observar.

Ademir Piccoli
Imagem de capa Inovar, em primeiro lugar, com as pessoasAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Inovar, em primeiro lugar, com as pessoas

Imagine qual seria a missão de empresa metalmecânica fundada por um torneiro mecânico em Aracruz (ES) em 1980. Você vai se surpreender com a Imetame: “contribuir para as pessoas realizarem sonhos”. Como mostra esta reportagem, os líderes da companhia capixaba se viram como “intensivos em capital humano” e decidiram se diferenciar inovando no tratamento com pessoas, dos colaboradores às da comunidade. Ao menos para organizações intensivas em capital humano, isso pode ser um booster e tanto.

Imagem de capa Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Em 2022, o assunto foi metaverso. Em 2023, o assunto foi o fracasso do metaverso – ou, pelo menos, seu adiamento. Em 2024, é hora de olhar para o todo em vez de focar detalhes, e começar a enxergar o que o autor deste artigo, que se define como cypherpunk, chama de “metaeconomia”. O nome talvez seja provisório, mas trata-se de um novo ciclo econômico, construído em 25 anos de digitalização, interconexão e a convergência de forças específicas.

Courtnay Guimarães

14 min de leitura

Imagem de capa Inovações para um novo ciclo econômicoAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Inovações para um novo ciclo econômico

O novo ciclo econômico talvez fosse definido pelo poeta Vinícius de Moraes como “enjoadinho”. Ao menos, tem uma característica em comum com o Poema Enjoadinho do autor, que começa com “Filhos, filhos?/Melhor não tê-los/Mas se não os temos/Como sabê-los?” e termina com “Porém, que coisa/Que coisa louca/Que coisa linda/Que os filhos são!”. Esta reportagem ajuda a saber dos negócios (filhos) nascentes da metaeconomia.