fb-embed

Tecnologia e inovação

3 min de leitura

O buzz do Clubhouse

O início de fevereiro foi agitado no universo digital com o frenesi da nova rede social do momento, o Clubhouse

Gabriela Onofre

03 de Março

Compartilhar:
Artigo O buzz do Clubhouse

Lançada em março de 2020 nos Estados Unidos, com a proposta de ser uma plataforma multitask baseada em áudio, uma espécie de podcast interativo. O tipping point de adoção aconteceu por aqui em fevereiro de 2021, e fez muita gente entrar no Clubhouse. Aliás, alguns não saem mais de lá.

É fato que houve muitas críticas por ainda ser exclusiva para usuários de iOS, e entendo a frustração. No entanto, nenhuma plataforma que queira ser universal será limitada. Do ponto de vista de tecnologia, faz sentido começar controlado, com número restrito de usuários, o entendimento da usabilidade e garantir a estabilidade do sistema. A entrada de Elon Musk numa conversa, por exemplo, gerou tanto buzz que a rede quase caiu.

Claro que nós brasileiros, que adoramos uma novidade (e uma rede social) entramos em peso. Uma pesquisa recente, comandada pela consultoria de inteligência de mercado Sensor Tower, apontou que o Brasil já estava em sexto lugar no ranking de países que mais baixaram o aplicativo, no fim da primeira quinzena de fevereiro. Até a data, eram 308 mil instalações acumuladas, com grande potencial de crescimento e de oportunidades.

A estratégia de aquisição também ajudou a gerar este buzz. Ao começar pelos perfis mais influentes da internet e gerar escassez, já que a entrada é só por convite (como também ocorreu com Orkut, Facebook e Nubank em seus lançamentos), acabou gerando FOMO (Fear of Missing Out) em muita gente, e chegou a criar um mercado clandestino de venda de convites. Reportagens chegaram a divulgar sites e perfis pedindo 600 reais por um acesso ao Clubhouse.

Nada disso é necessário, quem está ativo na rede, além dos dois convites iniciais, vai ganhando convites à medida que participa ou criar salas. Você certamente conhece alguém que está lá e pode te puxar.

Contextos e conexões sociais

Outra sacada é que o Clubhouse chega num momento delicado quanto o que vivemos, de isolamento social, poder trocar experiências e contribuir com a sua opinião por áudio acaba dando uma sensação de proximidade que as outras redes, por meio de fotos, vídeos e textos, não conseguem (ou ainda não conseguiram). Ali mostra-se vulnerabilidade, emoção já que com a voz não tem muito como maquiar.

Também estamos muito mais conectados, então a novidade se espalhou rapidamente. Eu mesma tinha mais de cinco grupos, em um único dia, falando sobre a rede, pedindo convite e divulgando espontaneamente o aplicativo.

Descobertas e variedades

Nos primeiros dias, muita gente entrava para falar de Clubhouse. Era comum, nesse sentido, abordagens sobre como o aplicativo impactaria as relações, o mundo do marketing, etc.. Com o passar dos dias, novas possibilidades foram sendo descobertas. Há grupos fixos, todos os dias no mesmo horário, há papos de temas bem específicos e salas fechadas. Tem até sala para imitar piloto e tráfego aéreo, ótima para boas risadas.

O mais legal e interessante é que ali é possível ter um espaço democrático para a troca de ideias e experiências, e você ainda pode dividir a sala com alguém que não teria acesso em outra situação, seja a pessoa anônima ou celebridade.

Você pode entrar numa sala para ouvir, como você faria com rádio, enquanto faz outra coisa e ainda pode sair à francesa, pelo botão de “leave quitely”. Algumas trocas também são tão enriquecedoras que a rede tem grande potencial viciante. Você quer ouvir mais, entender mais, interagir mais. No entanto, essa mesma diversidade de assuntos e salas faz com que, às vezes, seja difícil saber aonde ir.

Por isso, acredito que o melhor seja uma boa curadoria de quem seguir, já que o algoritmo vai se encarregar de te avisar os conteúdos relacionados a eles e a seus assuntos de interesse. Se bem aproveitado, o Clubhouse pode ser um South by Southwest (SXSW) de todo dia.

O potencial da rede é imenso e, por enquanto, minha experiência tem sido bacana. Se você puder, entre. Nem que seja por curiosidade. Se a rede vai ser parte do nosso hábito do dia a dia, só o tempo dirá. Pela adoção inicial tem muito potencial.

Compartilhar:

Autoria

Gabriela Onofre

Trocou as grandes corporações pelo mundo das startups e atualmente é CMO da unico, IDTech especializada em tecnologia para identidades digitais.

Artigos relacionados

Imagem de capa E a Justiça brasileira também se transformaAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

E a Justiça brasileira também se transforma

Pode-se dizer que a transformação digital da administração pública é uma marca da metaeconomia. E, no ranking do Banco Mundial de governos mais digitais, o Brasil perde só para a Coreia do Sul, superando estrelas digitais como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Estônia, França, Índia e Rússia. Como? O poder judiciário é exemplo a observar.

Ademir Piccoli
Imagem de capa Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Em 2022, o assunto foi metaverso. Em 2023, o assunto foi o fracasso do metaverso – ou, pelo menos, seu adiamento. Em 2024, é hora de olhar para o todo em vez de focar detalhes, e começar a enxergar o que o autor deste artigo, que se define como cypherpunk, chama de “metaeconomia”. O nome talvez seja provisório, mas trata-se de um novo ciclo econômico, construído em 25 anos de digitalização, interconexão e a convergência de forças específicas.

Courtnay Guimarães

14 min de leitura

Imagem de capa Inovar, em primeiro lugar, com as pessoasAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Inovar, em primeiro lugar, com as pessoas

Imagine qual seria a missão de empresa metalmecânica fundada por um torneiro mecânico em Aracruz (ES) em 1980. Você vai se surpreender com a Imetame: “contribuir para as pessoas realizarem sonhos”. Como mostra esta reportagem, os líderes da companhia capixaba se viram como “intensivos em capital humano” e decidiram se diferenciar inovando no tratamento com pessoas, dos colaboradores às da comunidade. Ao menos para organizações intensivas em capital humano, isso pode ser um booster e tanto.