fb-embed

3 min de leitura

Novas funções dos líderes na 2ª onda de transformação digital (com IA)

As novas missões são pelo menos sete. Entre outras coisas, os líderes precisarão implantar o padrão de carimbar os materiais informando que houve uso de IA ali

Wilian Domingues

23 de Dezembro

Compartilhar:
Artigo Novas funções dos líderes na 2ª onda de transformação digital (com IA)

Quando achávamos que a covid-19 tinha subido ao máximo a régua sobre os aspectos digitais das empresas, e sobre a inovação, vem o ChatGPT e virou tudo de cabeça pra baixo.

Estou convencido de que a inovação não é apenas um diferencial competitivo, mas uma necessidade de sobrevivência.

Também estou muito seguro em pensar que a inteligência artificial vai acabar com as poucas fronteiras que a antiga globalização não tinha conseguido derrubar. Tudo é mais fluido, acessível e rápido.

E, nesse cenário que os líderes, serão provados.

O presente artigo trata disso, porque todos os líderes serão testados quanto a sua capacidade de promover a cultura de inovação e integrar isso tudo com a inteligência artificial (IA). Para começar, aposto que haverá uma corrida aos estudos; dentro de algum tempo saber fazer prompts e conhecer o básico sobre IA será mandatório para os líderes e para quem estiver buscando uma nova posição no mercado.

Mas quais são os novos papéis, ou funções, dos líderes?

O que os líderes precisam começar a fazer

Listei sete funções novas. No mínimo, sete.

1.Integrar a IA em tudo

Como os líderes terão de ser inovadores – e, portanto, visionários acima de tudo (tendo de visualizar futuros e estrategizar para alcançá-los) –, a primeira nova exigência gritante da era da IA para eles é a compreensão profunda de como a IA pode ser integrada nas operações diárias e na estratégia de longo prazo, transformando processos, produtos e serviços. Aqui teremos mais perguntas que respostas para a maioria dos líderes.

2. Customizar sistemas legados

Será novo papel dos líderes também aprovar orçamentos de customização dos sistemas legados, agora incluindo ferramentas de IA. O que era de certa forma fácil de aprovar quanto customização, agora será mais desafiador porque os resultados serão obtidos na linha do tempo.

3. Adaptar-se aos novos dashboards

Os líderes precisarão se adaptar aos novos dashboards das ferramentas de business intelligence (BI). Veremos ferramentas como páginas em branco, sem nenhum dash, exigindo do líder que construa o melhor prompt possível para extrair os dados.

4. Engajar os times com IA

Os líderes precisarão ter em seus radares quão engajados seus times estão no tema também. Estimular a inovação e o conhecimento serão novas ferramentas nos planos de desenvolvimento individual (PDIs) dos times a curtíssimo prazo. Os líderes também precisarão pensar em como usar a IA para acelerar o PDI das pessoas do seu time. Investir em tecnologia e na formação de competências digitais, particularmente em IA, é crucial. Líderes devem garantir que os colaboradores não apenas entendam as ferramentas de IA disponíveis, mas também sejam capazes de usá-las criativamente para impulsionar a inovação.

5. Cuidar da tríade essencial

Os líderes ainda precisarão se aprofundar em temas como governança, segurança da informação e ética. Isso vai ser necessário porque o potencial das ferramentas de IA vai muito além dos limites propostos e colocados pelo login e pelo perfil do usuário na rede. O uso de IA pode potencializar reuniões, pode promover insights e também pode trazer contextos negativos. Os líderes deverão estar cientes dos impactos éticos e sociais da IA. Isso inclui abordar questões de viés e privacidade, garantindo que a IA seja usada de maneira responsável e justa.

6. Explicitar o uso de IA

Os líderes precisarão incentivar seus times a colocar “carimbos” nos materiais informando que houve uso de IA para produzir o material e também precisarão explicar o funcionamento dos algoritmos contratados. Essa parte da cultura de inovação é importante.

7. Fazer uso pessoal da IA

Os líderes precisam não apenas advogar pela inovação, mas também adaptar-se ativamente às novas tecnologias. Isso significa estar à frente no uso de sistemas baseados em IA, demonstrando sua aplicabilidade e incentivando outros a explorar seu potencial. O exemplo vem de cima.

A INTEGRAÇÃO DA IA NA CULTURA de uma organização oferece um caminho empolgante e desafiador para o futuro. Líderes que reconhecem e abraçam este potencial podem não apenas transformar suas organizações, mas também estabelecer novos padrões de excelência e inovação no mundo empresarial. Ao agir como catalisadores da mudança, esses líderes estarão na vanguarda da próxima onda de inovações transformadoras, impulsionadas pela poderosa combinação de liderança visionária e inteligência artificial.

Crédito da imagem: Shutterstock, com inteligência artificial

Compartilhar:

Autoria

Wilian Domingues

Wilian Domingues é CIO da Paschoalotto.

Artigos relacionados

Imagem de capa Blockchain e gestão pública: um match interessante

Transformação Digital

22 Abril | 2024

Blockchain e gestão pública: um match interessante

Você sabia que o uso de blockchain promove maior sustentabilidade e pode ajudar na redução do consumo de energia?

Matheus Laupman

5 min de leitura

Imagem de capa Desvendando o cérebro criativo

Gestão de pessoas

20 Abril | 2024

Desvendando o cérebro criativo

Neurociência e práticas de inovação caminham juntas para destravar o potencial criativo humano

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

6 min de leitura

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura