fb-embed

2 min de leitura

Nós tocamos nossa Nona Sinfonia e você ganha duas revistas

Guilherme Soárez

22 de Maio

Compartilhar:
Artigo Nós tocamos nossa Nona Sinfonia e você ganha duas revistas

Novembro é, tradicionalmente, o mês da HSM Expo, considerado um dos principais eventos de executivos do hemisfério Sul. Trata-se de um acontecimento importante no calendário de eventos da cidade de São Paulo, impacta o Brasil corporativo como um todo e tem repercussão até em alguns pontos da América Latina. Para nós, da orquestra da HSM, é o ápice. É como se ensaiássemos o ano inteiro e agora apresentássemos o coral do último movimento da Nona Sinfonia de Beethoven.

Em razão da importância do décimo-primeiro mês do ano em nossas vidas, resolvemos oferecer aos nossos assinantes as duas revistas juntas: a revista impressa tradicional e a revista extra. Elas mantêm uma conversa entre si e, assim, tornam-se duplamente úteis e impactantes para os leitores.

Se a revista 131, impressa, ostenta na capa um assombroso caso de gestão em condições VUCA (volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade), a Fundação Renova, esta, digital, ostenta um report sobre o complexo futuro dos serviços financeiros, que vem sendo moldado pelos seis Ds das tecnologias exponenciais – digitalização, decepção (durante o período em que o crescimento não aparece), disrupção, desmonetização, desmaterialização e democratização. Eu diria que observar os acontecimentos nesse front rende lições para todos os setores de atividade. 

Se a revista 131 montou um dossiê inteiro sobre os “squads”, os times por excelência da filosofia ágil, esta contém um estudo sobre como trababalhar com a metodologia e as equipes ágeis em toda a organização.

Se a revista 131 traz um artigo sobre como os líderes podem fazer melhores perguntas e obter desempenho superior, esta aborda como podem formular os problemas do modo mais eficaz.

Se a revista 131 aborda a transformação digital com sugestões práticas de como podemos aproveitar a inteligência artificial nos negócios, esta aqui aborda o fenômeno com David Rogers ensinando a criar redes de clientes.

Se a revista 131 levanta a bola dos desafios proporcionados pela chegada da geração Z às organizações, esta corta, ao publicar o que seria o redesenho das experiências de entrar no mercado de trabalho sob medida para esses jovens. Se a 131 fala do que faz uma carreira executiva sair dos trilhos, esta mostra como a mesma carreira pode ser colocada nos trilhos novamente.

Eis o convite de novembro: cantemos juntos a Nona Sinfonia do conhecimento de gestão.

Compartilhar:

Autoria

Guilherme Soárez

Guilherme Soárez, CEO da HSM

Artigos relacionados

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura

Imagem de capa A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

Liderança, times e cultura

11 Abril | 2024

A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência

Ivan Cruz

5 min de leitura

Imagem de capa Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

Liderança, times e cultura

10 Abril | 2024

Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

É necessário compreender como empresas estão alcançando crescimento acima de 30% ao ano através de uma cultura analítica madura. Aprenda com casos reais de empresas que transformaram seus negócios com estratégias orientadas por dados nas tomadas de decisão.

Denys Fehr

7 min de leitura