fb-embed

3 min de leitura

Neurociência aplicada em treinamentos corporativos pode estimular o bem-estar dos colaboradores

Nos últimos anos, as empresas vêm percebendo vantagens de se aproximar da neurociência para desenvolver modelos de gestão mais eficientes e sustentáveis.

Colunista Luiz Alexandre Castanha

Luiz Alexandre Castanha

13 de Outubro

Compartilhar:
Artigo Neurociência aplicada em treinamentos corporativos pode estimular o bem-estar dos colaboradores

Nos últimos anos vivenciamos o avanço da neurociência e suas mais diferentes aplicações em áreas como marketing, educação, design, economia, entre tantas outras. O tema, antes desconhecido e de difícil entendimento, ganhou uma atenção expressiva desde que seus resultados começaram a se mostrar relevantes e transformadores em vários aspectos do dia a dia das pessoas.

O mesmo vale para o ambiente corporativo, que nos últimos anos vem percebendo vantagens de se aproximar da neurociência para desenvolver modelos de gestão mais eficientes e sustentáveis.

Afinal, já não é novidade que estamos vivendo um momento de mudanças aceleradas em relação ao ambiente de trabalho. Não apenas as expectativas das pessoas mudaram como também a maneira como desempenhamos nossas atividades.

Neurociência organizacional

De fato, nunca foi tão importante entender de pessoas e é justamente neste cenário que a neurociência surge como ferramenta importante, capaz de oferecer um novo olhar a respeito de como melhorar a gestão do comportamento humano, nos mais diferentes desafios vividos pelas empresas hoje.

Por isso, cada vez mais a segurança psicológica tem sido pauta no universo corporativo e a neurociência organizacional é uma ótima forma de estimular o bem-estar no trabalho. O aumento do interesse por essa área nada mais é que reflexo da necessidade das companhias em reduzir essa incidência de estresse e síndrome de burnout entre os profissionais, algo que tem aumentado consideravelmente nos últimos anos no país.

No entanto, por mais que o assunto esteja em evidência, sabemos que nem sempre a qualidade e profundidade das informações disponíveis são suficientes, gerando muitas dúvidas a respeito de como a aplicação da neurociência dentro das empresas pode realmente contribuir para melhorar a gestão de pessoas.

Neurociência aplicada a treinamentos corporativos

A aplicação da neurociência como ferramenta em treinamentos corporativos aliados à tecnologia – cada vez mais avançada – vem alcançando resultados expressivos. O estudo das respostas do cérebro no mundo corporativo acompanha a evolução tecnológica e já incorpora até exames de ressonância magnética que mapeiam as atividades cerebrais e associam as movimentações com situações do dia a dia profissional. 

As diversas técnicas aplicadas nestes casos pela neurociência servem para compreender bases inconscientes que determinam o modo como a pessoa age em situações de pressão ou conflito, por exemplo. A partir dessa informação, é possível criar treinamentos que ajudem a aprendizagem para cada caso específico. Ou seja, os treinamentos com essa abordagem podem acontecer de diferentes formatos, como aulas expositivas, dinâmicas em grupo e até envolverem técnicas de gamificação, vídeos interativos e realidade virtual. 

Gigantes de tecnologia já fazem uso

Com o avanço da tecnologia, a aplicação da neurociência em educação corporativa acontece de forma cada vez mais interativa, assertiva e qualificada. Grandes empresas como Microsoft, Google e Facebook utilizam em sua rotina práticas e aprendizados oriundos dessa ciência para construção de políticas e estratégias de gestão mais eficientes, que ajudam a melhorar a performance e bem-estar de suas equipes.

O Facebook, por exemplo, realiza um treinamento para seus colaboradores com o uso de óculos de realidade virtual em simulações de gerenciamento de conflitos. Durante a atividade, um personagem tenta persuadir o profissional a esconder seus erros de um chefe virtual. 

As decisões do jogador influenciam o enredo do vídeo e o algoritmo compara o desempenho com a média geral. Embora não existam respostas certas ou erradas, ao identificar como o cérebro reage, por meio da neurociência, é possível compreender certos tipos de comportamento, resolver problemas e alinhar expectativas. Em alguns casos, os colaboradores recebem até a orientação de terapeutas e são realocados internamente – tudo focado para o bem-estar dos funcionários e bom funcionamento das equipes e do fluxo de trabalho.

Benefícios da neurociência nas organizações

Como vimos até aqui, as vantagens da neurociência na educação corporativa têm o potencial de fazer com que os profissionais desenvolvam o autoconhecimento e o autocontrole, diminuindo o estresse e ampliando o potencial de aprendizado.

Ao fazer uso deste conhecimento, os gestores ganham não apenas em resultados, mas na formação de uma equipe mais lúcida, engajada e voltada à melhoria contínua. Logo, aumenta-se a competitividade e a satisfação com as tarefas, tornando melhor a qualidade do que é produzido dentro e fora das empresas.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Luiz Alexandre Castanha

Luiz Alexandre Castanha

Luiz Alexandre Castanha é CEO da NextGen Learning, administrador de empresas com especialização em gestão de conhecimento e storytelling aplicado à educação, coautor do livro Olhares para os Sistemas.

Artigos relacionados

Imagem de capa A inevitável transição do People Analytics para o People Intelligence

Liderança, times e cultura

11 Abril | 2024

A inevitável transição do People Analytics para o People Intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência.

Ivan Cruz

5 min de leitura

Imagem de capa A cultura data driven acelera a transformação digital

Liderança, times e cultura

10 Abril | 2024

A cultura data driven acelera a transformação digital

É necessário compreender como empresas estão alcançando crescimento acima de 30% ao ano através de uma cultura analítica madura. Aprenda com casos reais de empresas que transformaram seus negócios com estratégias orientadas por dados nas tomadas de decisão.

Denys Fehr

7 min de leitura

Imagem de capa Além da liderança: o papel estratégico dos executivos C-level na era da automação

Gestão de pessoas

08 Abril | 2024

Além da liderança: o papel estratégico dos executivos C-level na era da automação

A automação cada vez mais faz parte de nosso cotidiano e a liderança precisa acompanhar este movimento: muito além da produção, muito além das lideranças que conhecemos.

Renan Salinas

3 min de leitura

Imagem de capa Qual a chave para uma boa tomada de decisão?

Gestão de pessoas

05 Abril | 2024

Qual a chave para uma boa tomada de decisão?

Cada vez mais será necessário exercermos nosso pensamento crítico diante das experiências cotidianas. Mas você sabe o que é isso, necessariamente? Sabe não cair no julgamento?

Galo Lopez

2 min de leitura