fb-embed

Gestão de pessoas

4 min de leitura

Microgerenciamento: um vilão silencioso

Quando há uma busca excessiva por detalhes, há insegurança. Microgerenciamento é a busca insaciável do inseguro em preencher o vazio que a falta de confiança causa, gerando uma pressão desnecessária na equipe e estimulando um ambiente propício para burnout

Colunista Wesley Barbosa

Wesley Barbosa

16 de Agosto

Compartilhar:
Artigo Microgerenciamento: um vilão silencioso

O excesso de insegurança dos líderes gera um comportamento muito conhecido no meio corporativo, o microgerenciamento. Um modus operandi que funciona como uma espécie de busca insaciável de se sentir no controle. Além do comportamento não entregar ao indivíduo o que ele busca, isso ainda gera desmotivação e desconfiança por parte do seu time.

Um estudo feito pela Journal of experimental Psychology sugere que pessoas que sentem que estão sendo vigiadas performam em um nível inferior. O estudo revela que “a pressão que induz o monitoramento explícito do desempenho (monitoramento por outros) prejudica o aprendizado da categoria de integração de informações que funciona melhor sem grandes demandas de memória de trabalho e controle de atenção”. O fracasso (e o sucesso) da habilidade depende em parte de como o ambiente de desempenho influencia a atenção, e sobre até que ponto a execução da habilidade depende do controle de atenção de maneira explícito.

Em outras palavras, o desempenho de um profissional pode piorar significantemente caso seu líder esteja gerando uma pressão através do excesso de atenção que este coloca sobre seu trabalho.

De acordo com algumas pesquisas, o microgerenciamento pode ser vantajoso em algumas circunstâncias, como em situações de curta duração onde seja necessário treinar novos profissionais ou aumentar a produtividade dos funcionários de baixo desempenho, e controlar problemas de alto risco (especialmente aqueles em que é preciso um olhar de especialistas). Entretanto, sintomas como baixa moral do time, alto turnover, redução de produtividade e falta de satisfação podem estar diretamente associados ao microgerenciamento.

Efeitos negativos do microgerenciamento

Os impactos são tão negativos que o microgerenciamento está ranqueado como um dos maiores motivos de pedidos de demissão. Ambos, líderes e liderados, podem desenvolver burnout devido ao ecossistema tóxico criado pela atenção excessiva ao trabalho, e para evitar demissões e mal-estar contínuo, é preciso estabelecer alguns passos importantes:

1. Tenha consciência do cenário: perceba quais comportamentos precisam ser mudados e reflita sobre o impacto que ele pode causar e como você pode gerenciá-lo;

2. Encontre referências: busque líderes mais seniores para te ajudar a entender como se posicionar e criar estratégias para unir, dar voz e fortificar o time;

3. Autoavaliação: crie consciência sobre tua participação no ecossistema do microgerenciamento. Perguntas como “o que eu faço para contribuir para isso” ou “há algo que posso fazer para ajudar” te posicionam para a perspectiva correta para agir;

4. Estabelecer gestão por resultados, não por esforço: a verdadeira tarefa é encontrar um equilíbrio entre cumprir com eficácia as obrigações diárias e planejar estrategicamente para o futuro. Alinhe o que você espera se seus liderados e mantenha a comunicação ativa sobre o que eles sabem que se espera deles. Com metas claras, fica mais fácil de gerir os resultados por etapas. A sugestão é fazer checkins periódicos, sugerido por todos;

5. Delegue com autonomia: “contrate pessoas boas e as deixem em paz”: a máxima de William L. McKnight, ex-CEO da 3M, se faz necessária aqui. O segredo de uma boa gestão por autonomia é a contratação assertiva. Assim, conheça melhor seu time, alinhe os profissionais de acordo com os valores e cultura existente, além de manter todos integrados.

A pesquisa ainda aponta que a delegação adequada de tarefas pode ser a chave primária para combater o comportamento de microgerenciamento; no entanto, algumas outras sugestões incluem:

• Desenhar uma visão do futuro do time;

• Contratar pessoas por caráter e habilidades esperadas;

• Desenvolver cultura de valores e comportamentos;

• Criar um processo claro de alinhamento entre todos;

• Estruturar processos que preveem erros, para diminuir a pressão entre os colaboradores sobre riscos.

A conclusão é que o microgerenciamento está presente em todos os níveis da empresa, mas especialmente entre novos líderes, que utilizam do mecanismo para preencher a ausência da confiança que muitas vezes é proveniente de uma boa experiência em gestão.

Uma vez que esse líder começa a subir de hierarquia, ele leva consigo uma “resposta de sobrevivência”. Portanto, se torna extremamente crucial de priorizar o treinamento desses novos gestores, para que tenhamos uma mudança significativa na educação da liderança corporativa em uma de suas principais raízes.

Trago mais estratégias para somar estas acima no episódio #111 do No Brain No Gain Cast, que pode te ajudar a estruturar uma mudança estrutural no teu time de forma sustentável e iminente.

Gostou do artigo do Wesley Barbosa? Saiba mais sobre microgerenciamento, liderança e gestão de pessoas assinando gratuitamente nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Wesley Barbosa

Wesley Barbosa

Wesley Barbosa

Saiu da periferia de Maceió e se tornou executivo do Facebook no Vale do Silício e Sócio da XP Investimentos. É o fundador da Become, empresa de educação executiva e corporativa. É professor de Neurociências, com aulas ministradas na quarta maior universidade do mundo, UC Berkeley, e Singularity University, ambas na Califórnia. Também é professor convidado da Fundação Dom Cabral. Foi o executivo responsável por trazer o Baidu (o Google chinês) para a América Latina. Também liderou startups chinesas de games sociais, como o Colheita Feliz, e o idealizador da ONG chancelada pela ONU e acelerada por Stanford, Ajude o Pequeno.

Siga o colunista no Instagram - @wesleybarbosa - e ouça o podcast de Wesley Barbosa, No Brain No Gain, no Spotify.

Artigos relacionados

Imagem de capa Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Precisamos falar sobre o esgotamento que a produção incessante e sem propósito está fazendo com que mais da metade da população adoeça.

Carol Olinda

6 min de leitura

Imagem de capa Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Não cabe mais só fazermos decisões com base na intuição, por isso, é necessário reconhecer que tipo de compreensão sobre people analytics estamos criando!

Galo Lopez

5 min de leitura

Imagem de capa Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

Gestão de pessoas

20 Maio | 2024

Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

O olhar pela questão etária sempre precisa ser algo mais atento e que consiga prever os estranhamentos que podem acontecer em nosso trabalho, afinal, a diversidade está também nesse olhar das necessidades distintas que cada geração possui em determinado momento.

João Roncati

3 min de leitura

Imagem de capa Como desenvolver a empatia no ambiente de trabalho

Gestão de pessoas

14 Maio | 2024

Como desenvolver a empatia no ambiente de trabalho

Habilidades comunicacionais cada vez mais serão necessárias para que consigamos lidar com os processos cotidianos do futuro. Por isso, é hora de continuar o aprendizado contínuo e focar na maneira que estamos lidando com os nossos vínculos.

Daniela Cais Chieppe

3 min de leitura