fb-embed

Gestão de pessoas

2 min de leitura

Meninas/mulheres nas áreas de STEAM

Desde criança, mulheres não são encorajadas a seguir pela carreira de ciência, matemática, tecnologia, engenharia e artes (STEAM). A batalha contra a desigualdade continua e vários programas atuam nesta luta para equalizar a diferença de gênero e o machismo existente nestas áreas.

Colunista Ana Fontes

Ana Fontes

06 de Maio

Compartilhar:
Artigo Meninas/mulheres nas áreas de STEAM

Sabia que foi uma mulher quem ajudou a criar a vacina contra o Covid-19? E o que falar de tantas outras figuras femininas importantes na ciência, como Marie Curie, Dorothy Vaughan, Mary Jackson, Katherine Johnson, Laysa Peixoto, entre outras.

E qual o propósito de citar essas mulheres que tiveram papéis primordiais em diferentes áreas da ciência? As citei com o intuito de ajudá-los a mergulhar no tema de hoje que é: Meninas/mulheres nas áreas de STEAM.

STEAM é uma sigla em inglês para os nichos de ciências, tecnologia, engenharia, artes e matemática. Porém, mesmo com nomes tão incríveis nesse e em outros setores dentro desse guarda-chuva, infelizmente as mulheres ainda são minorias nessas profissões. E tudo se deve - adivinhem só - ao machismo e ao preconceito.

Com certeza já deve ter reparado que os postos dentro dessas categorias são ocupados majoritariamente por homens. Em números, isso quer dizer que apenas uma mulher para cada quatro homens atuam nas áreas de STEAM, de acordo com um levantamento de 2021 feito pela UNESCO, em parceria com o British Council.

Esse número alarmante ocorre pela falta de incentivo por parte dos próprios professores, pais e até mesmo da sociedade, que acredita que muitas dessas profissões são essencialmente masculinas.

Sem contar que desde muito novas, meninas e mulheres são obrigatoriamente direcionadas para áreas específicas, que foram definidas para elas. Essa falta de equidade nesse setor - e em tantos outros - é chamada de segregação horizontal.

Entretanto, graças ao avanço da sociedade - que anda a passos lentos, mas melhor do que não andar para lugar nenhum -, esse cenário vem mudando.

Já existem, inclusive, alguns projetos, como o RME Acelera, criado pela Rede Mulher Empreendedora, e o Menina Ciência, Ciência Menina, da UFABC, que estimula garotas a ingressarem nas áreas de STEAM, Programas como Laboratória, Reprograma, PrograMaria e tantas outras iniciativas

Enquanto o nosso programa visa oferecer conhecimento para que mulheres ingressem nesse setor com seu negócio próprio, o projeto comandado pela Universidade Federal do ABC começa lá do início, ajudando alunas a entrarem em cursos universitários que fazem parte do nicho de STEAM.

E o suporte nessa fase inicial dos estudos é primordial, pois mesmo superando essa primeira barreira, que é entrar na universidade, muitas vezes a própria sala de aula é hostil por conta dos alunos e dos próprios professores.

Toda essa ajuda é oferecida pelo projeto justamente para evitar um cenário comum entre mulheres que desejam ingressar em STEAM: o de pedir transferência para um curso de humanas pela falta de acolhimento nesses ambientes onde homens ainda são predominantes.

Apesar de ainda estarmos bem longe da equidade nesses setores e não termos uma rede de apoio dos homens, tudo nos faz crer que em breve as áreas de STEAM estarão tomadas de mulheres inteligentes, super capazes e incríveis, que mostrarão que podemos sim ser cientistas, especialistas em tecnologia, engenheiras e muito mais.

Mais uma vez elas mostrarão que mulheres podem ser o que quiserem.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Ana Fontes

Ana Fontes

Ana Fontes

Ana Fontes é empreendedora social, fundadora da Rede Mulher Empreendedora (RME) e do Instituto RME. É vice-presidente do Conselho do Pacto Global da ONU Brasil e Membro do Conselhão da Presidência da República – CDESS. Além disso, é delegada líder do W20, grupo de engajamento do G20. Conselheira da Seguros Unimed, do Instituto Avon e da UAM/Grupo Anima. Foi vencedora dos Prêmios: Empreendedor Social 2023, na categoria Inclusão Social e Produtiva, e do Executivo de Valor 2023, na Categoria Empreendedorismo Social. Foi eleita uma das mulheres mais poderosas do Brasil pela Revista Forbes Brasil, em 2019, e capa da edição sobre Diversidade, Inclusão e Equidade, em 2022. Em março de 2022 lançou seu primeiro livro: “Negócios: um assunto de mulheres - A força transformadora do empreendedorismo feminino”.

Artigos relacionados

Imagem de capa Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Precisamos falar sobre o esgotamento que a produção incessante e sem propósito está fazendo com que mais da metade da população adoeça.

Carol Olinda

6 min de leitura

Imagem de capa Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Não cabe mais só fazermos decisões com base na intuição, por isso, é necessário reconhecer que tipo de compreensão sobre people analytics estamos criando!

Galo Lopez

5 min de leitura

Imagem de capa Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

Gestão de pessoas

20 Maio | 2024

Como será o mercado de trabalho nos próximos anos: jovens trabalhando lado a lado dos mais velhos?

O olhar pela questão etária sempre precisa ser algo mais atento e que consiga prever os estranhamentos que podem acontecer em nosso trabalho, afinal, a diversidade está também nesse olhar das necessidades distintas que cada geração possui em determinado momento.

João Roncati

3 min de leitura

Imagem de capa Como desenvolver a empatia no ambiente de trabalho

Gestão de pessoas

14 Maio | 2024

Como desenvolver a empatia no ambiente de trabalho

Habilidades comunicacionais cada vez mais serão necessárias para que consigamos lidar com os processos cotidianos do futuro. Por isso, é hora de continuar o aprendizado contínuo e focar na maneira que estamos lidando com os nossos vínculos.

Daniela Cais Chieppe

3 min de leitura