fb-embed

Gestão de pessoas

2 min de leitura

Medindo a eficiência de um jeito mais eficiente

Olhando mais para a liberdade e menos para o controle, devemos ter em mente que as pessoas precisam de autonomia para decidir em qual contexto conseguem produzir mais e melhor

Colunista Viviane Mansi

Viviane Mansi

16 de Junho

Compartilhar:
Artigo Medindo a eficiência de um jeito mais eficiente

Um dos receios da gestão ao adotar o trabalho remoto é como medir a produtividade. Será que as pessoas trabalham da mesma forma como se estivessem nos escritórios? Tivemos pelo menos um ano e meio para avaliar as lições desse novo jeito de trabalhar. O que esses meses nos ensinaram?

O resultado depende de vários detalhes, mas essencialmente de como medimos sucesso. Se sucesso pode ser resumido na quantidade de horas trabalhadas, talvez tenha sido bem útil – trabalhamos mais em casa. Os dias se tornaram mais longos e é difícil colocar um ponto final ao encerrar o dia.

Estamos mais concentrados? Depende das situações com as quais lidamos no formato de “home-tudo”. Para algumas pessoas, o trabalho remoto foi sensacional, mas para outras têm sido bem desgastante, provando, uma vez mais, que uma solução única, com tanta diversidade de necessidades, sempre deixa a desejar. Bom mesmo é poder decidir em qual contexto nossa produtividade aumenta e optar por ele.

Mas quando a gente sai desse jeito já consolidado de ver as coisas, vem outra grande e linda oportunidade: medir a entrega.

Controle e liberdade

Por que será que isso, que é o que importa no final das contas, parece ser mais difícil? Meu palpite é de gostamos muito de controlar. Ai, que delícia que é isso. Mas a gente controla apenas algumas coisas (a quantidade de horas trabalhadas, os dias por semana em que vamos fisicamente para o escritório, as ações executadas).

Medir sucesso, realizações e entregas é mais difícil. Isso ocorre porque a gente tem que dar liberdade. E isso incomoda. Difícil também porque é um exercício mais completo de planejamento, visão de futuro e de estabelecer “objetivos fim” e não “objetivos meio”.

Liberdade tem sido moeda cada vez mais valiosa e difícil de lidar. Exigirá de nós mais soft skills, um bom exercício de liderança, de empatia e de confiança.

Trabalho é uma responsabilidade, claro. Liberdade, então, é uma responsabilidade e meia. No entanto, vale cada minutinho desse exercício. Quando tivermos mais foco no resultado final (e não nos controles rotineiros) a empresa tende a crescer de forma exponencial. As pessoas também.

Observação importante: acredito em processos, não em controles. Esses sempre aparecem quando há sujeira debaixo do tapete.

Gostou do artigo da Viviane Mansi? Saiba mais sobre lideranças e relações de trabalho na pandemia assinando gratuitamente nossas newsletters e escutando nossos podcasts em sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Viviane Mansi

Viviane Mansi

Viviane Mansi

Viviane Mansi é executiva, conselheira e professora. Está atualmente na Diageo e passou por empresas como Toyota, GE, Votorantim e MSD. É coautora de Emoção e Comunicação – Reflexão para humanização das relações de trabalho.

Artigos relacionados

Imagem de capa Desvendando o cérebro criativo

Gestão de pessoas

20 Abril | 2024

Desvendando o cérebro criativo

Neurociência e práticas de inovação caminham juntas para destravar o potencial criativo humano

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

6 min de leitura

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura

Imagem de capa A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

Gestão de pessoas

11 Abril | 2024

A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência

Ivan Cruz

5 min de leitura