fb-embed

1 min de leitura

Mecanicista ou organismo vivo?

É fato que o paradigma mecanicista ainda prevalece dentro das organizações, mas venho observando um bonito movimento de empresas e líderes que buscam o próximo nível de consciência. É tempo de refletir.

Tiago Petreca

14 de Novembro

Compartilhar:
Artigo Mecanicista ou organismo vivo?

Insano talvez seja aquele que, em sua inquietude, decidiu não desbravar novos mundos. Recolher-se em um casulo no qual não cabemos mais não sufoca somente o corpo - reprime a alma.
 Assim vejo muitas de nossas organizações: confinadas em um paradigma, desejosas de mudança, mas com medo de rasgar a casca que criaram. Tentam alargá-la, mas se encolhem ao menor sinal de uma fresta. Estão presas ao modelo antigo, em suas próprias estruturas. Mas, por dentro, o novo deseja surgir, romper o casulo e bater asas em um novo mundo. 

É lindo ver esse impulso por um ambiente mais humano, mais vivo. Tenebroso perceber o quanto a casca de uma visão de mundo mecanicista se comporta como armadura, trazendo a falsa sensação de segurança e limitando profundamente o desabrochar de organizações que querem ser mais vivas. 


O paradigma pelo qual a grande maioria das organizações opera já criou o seu melhor: tecnologias, inovação, riqueza, exploração do espaço e do gene. Mas também consumiu boa parte dos recursos naturais e da alma humana. O mundo virou máquina e as pessoas engrenagens. 

O novo se dá nas organizações que abraçam a coragem para romper esse paradigma e experimentar novos vôos. Empresas que transgredem a armadura e se reconhecem como organismos vivos. Que não pensam na natureza como algo que compõe políticas de sustentabilidade e sim como exemplo de como se deve fazer gestão 

E, quando falamos neste tipo de empresa, muitos imaginam hippies ou ecologistas do mundo corporativo. Por isso convido você a conhecer mais sobre companhias como Buurtzorg, FAVI, Morning Star e Sun Hydraulics. Assim, sua mente poderá transpor os pré-conceitos do mundo mecanicista. 

E destaco: o nível de consciência de uma organização é determinado pela consciência de suas lideranças. Portanto, a responsabilidade neste processo de evolução está em cada um de nós.

Compartilhar:

Autoria

Tiago Petreca

Especialista em gestão de negócios pela USF, Coach certificado pelo ICC, atuou com projetos corporativos para empresas como Natura, Nestlé e Bradesco.

Artigos relacionados

Imagem de capa Blockchain e gestão pública: um match interessante

Transformação Digital

22 Abril | 2024

Blockchain e gestão pública: um match interessante

Você sabia que o uso de blockchain promove maior sustentabilidade e pode ajudar na redução do consumo de energia?

Matheus Laupman

5 min de leitura

Imagem de capa Desvendando o cérebro criativo

Gestão de pessoas

20 Abril | 2024

Desvendando o cérebro criativo

Neurociência e práticas de inovação caminham juntas para destravar o potencial criativo humano

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

6 min de leitura

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura