fb-embedLGPD: 4 passos para ajudar sua empresa a entrar na conformidade a tempo HSM Management

Tecnologia e inovação

3 min de leitura

LGPD: 4 passos para ajudar sua empresa a entrar na conformidade a tempo

Segundo pesquisa da Akamai Technologies, 24% das empresas entrevistadas ainda não sabem o que é LGPD

09 de Julho

Compartilhar:
Artigo LGPD: 4 passos para ajudar sua empresa a entrar na conformidade a tempo

A Lei Geral de Proteção de Dados traz novos rumos para a segurança de dados no Brasil. Com o objetivo de estabelecer regras sobre coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de dados pessoais, a lei, que entra em vigor em agosto 2020, eleva o padrão de proteção e traz penalidades significativas para empresas que não cumprirem a norma.

De acordo com uma nova pesquisa da Akamai Technologies, a maior rede de distribuição de conteúdo da Internet (CDN) e provedora de serviços de segurança em nuvem, feita com mais de 400 empresas/tomadores de decisão pela Toluna, faltando menos de 3 meses para a lei entrar em vigor, 24% dos entrevistados ainda não sabe o que é LGPD, e dos que têm conhecimento sobre a lei, 43% não sabem quando ela entra em vigor.

Prazo curto para estar em conformidade

“As empresas estão em uma corrida contra o tempo”, acredita Claudio Baumann, Diretor Geral da Akamai no Brasil. “Com tão pouco tempo para entrar em vigor, segundo nossa pesquisa, 64% dos entrevistados ainda não estão totalmente em conformidade com a lei, um número alto já que temos menos de 90 dias para a vigência”, afirma.

Segundo a pesquisa, 80% dos entrevistados alegam que as informações dos funcionários e clientes estão seguras, em contrapartida, dizem que ainda não estão em total conformidade com a lei. O que levanta o questionamento: quais devem ser os próximos passos para cobrir essas lacunas?

A Akamai Technologies preparou 4 dicas para ajudar as empresas brasileiras a entrarem em conformidade a tempo.

1) Identifique os dados captados e defina uma equipe de controle

Como e quais informações são captadas de clientes e funcionários? Pessoal, sensível, pública, anonimizada? Ela é captada por meio físico ou digital? Quem são os operadores internos e externos para mensuração de exposição da empresa à LGPD? Crie uma equipe ou contrate um encarregado (Pessoa Física ou Jurídica) com capacitação para exercer as atividades previstas na LGPD.

2) Crie protocolos de consentimento

É fundamental exercer controle do consentimento e anonimização dos dados para atender possível solicitação do titular, além de revisar e criar documentos (contratos, termos, políticas) para uso interno e externo. A criação de um banco de dados para auxiliar o controle dos pedidos dos titulares dos dados – acesso, confirmação, anonimização, consentimento, portabilidade etc – também é necessária.

3) Segurança dos Dados

O objetivo da LGPD é proteger os usuários e seus dados de acessos não autorizados, em situações acidentais ou ilícitas. Para isso, é necessária a adoção de medidas de segurança para a conservação ou eliminação das informações, assim como a elaboração de documentos que evidenciem essas ações.

O acesso aos dados através da internet, seja de funcionários trabalhando remotamente, seja pelos clientes ou pelo público em geral, cria uma potencial vulnerabilidade importante, devido à exposição às ameaças cibernéticas. Há soluções de mercado para implementar essas proteções.

4) Tratamento dos dados

Educar funcionários é fundamental quando falamos de LGPD. É preciso estabelecer regras de boas práticas ao captar, administrar e tratar os dados internos da empresa. Estabelecer procedimentos, normas de segurança, diminuição de riscos no tratamento de dados pessoais é um dos primeiros passos para manter informações de funcionários e clientes seguras.

“É inevitável que o Brasil siga os passos de países europeus ao discutir a segurança de dados pessoais, principalmente com o número de roubo de informações acontecendo nos últimos anos. Vale lembrar que a lei europeia aplicou mais de R$ 684 milhões em multas desde que entrou em vigor. O quanto antes as empresas iniciarem o processo de conformidade, menos suscetíveis estarão à penalidades”, comentou Baumann.

Compartilhar:

Autoria

Artigos relacionados

Imagem de capa Open banking: uma revolução muito além do setor financeiro

Tecnologia e inovação

30 Junho | 2021

Open banking: uma revolução muito além do setor financeiro

As mudanças provocadas pelo open banking irão abranger todos os setores. Assim, o termo mais correto para esse movimento é open business, pois os entraves que separam indústrias e negócios serão quebrados

Francisco Murillo Larraz

5 min de leitura

Imagem de capa Covid-19: o “dark side” do delivery

Tecnologia e inovação

27 Abril | 2021

Covid-19: o “dark side” do delivery

A explosão do Ifood, Rappi e afins esconde um problema maior: os restaurantes nem sempre podem sobreviver de delivery

Bruno Campos

3 min de leitura

Imagem de capa A “hora H” do SXSW: hackear ou habilitar o ser humano?

Tecnologia e inovação

07 Abril | 2021

A “hora H” do SXSW: hackear ou habilitar o ser humano?

Painéis do festival mostram o poder revolucionário do hackeamento genético e mental do ser humano, além da necessidade de habilitarmos nossa espécie para a tomada de decisões mais coletivas e qualificadas

Lilian Cruz

6 min de leitura

Imagem de capa Transformação digital nas empresas: por uma atualização tecnológica

Tecnologia e inovação

27 Março | 2021

Transformação digital nas empresas: por uma atualização tecnológica

Neste artigo, listo 11 ferramentas essenciais para que você e sua empresa possam crescer através de boas ferramentas e soluções digitais

Tony Ventura

8 min de leitura

Imagem de capa O buzz do Clubhouse

Tecnologia e inovação

03 Março | 2021

O buzz do Clubhouse

O início de fevereiro foi agitado no universo digital com o frenesi da nova rede social do momento, o Clubhouse

Gabriela Onofre

3 min de leitura

Imagem de capa Benefícios do deep learning no ensino a distância

Tecnologia e inovação

25 Janeiro | 2021

Benefícios do deep learning no ensino a distância

Essa tecnologia tem o potencial de transformar e desenvolver tantas áreas e também pode ser usada para avançar o e-learning

Luiz Alexandre Castanha

2 min de leitura