fb-embed

Gestão de pessoas

3 min de leitura

Inteligência emocional: as expectativas das empresas em relação aos líderes

Programas de diversidade, recrutadores humanizados e investimento na capacitação dos funcionários estão entre iniciativas de empresas que querem fazer a diferença no mercado de trabalho

Allessandra Canuto e Valéria Oliveira

16 de Março

Compartilhar:
Artigo Inteligência emocional: as expectativas das empresas em relação aos líderes

Nos corredores corporativos e nas salas de reuniões, a discussão sobre o que constitui um líder eficaz é constante. Enquanto algumas teorias enfatizam traços de personalidade específicos, como carisma ou determinação, uma característica se destaca como fundamental em um mundo em constante mudança: a inteligência. Não se trata apenas do QI, mas de um conjunto de habilidades cognitivas e emocionais que permitem aos líderes navegar pelos desafios complexos e imprevisíveis do mundo dos negócios modernos.

A pesquisa da Gartner para 2024 revelou as cinco tendências que estarão cada vez mais presentes no futuro do RH. Entre elas, estão:

  • Desenvolver e formar líderes;

  • Ter os valores das empresas bem definidos e comunicá-los para as pessoas;

  • Estruturar o RH para que possa contar com o apoio das plataformas tecnológicas;

  • Otimizar o que for possível e aproveitar os insights para tomadas de decisões;

  • Estar preparado para um cenário de constante transformação e promover pessoas internamente, realocando quem já conhece a casa e a cultura.

Olhando para essas tendências, é imperativo que os líderes tenham inteligência emocional, uma capacidade de compreender e gerenciar as próprias emoções e as dos outros para promover ambientes de trabalho positivos e inspiradores.

Por onde começar

O primeiro passo para se tornar um líder emocionalmente inteligente é cultivar o autoconhecimento. Isso envolve a capacidade de reconhecer e entender as próprias emoções, bem como seus efeitos sobre seu comportamento e tomada de decisão. Ao compreender nossos os fortes, fraquezas e gatilhos emocionais, é possível desenvolver estratégias eficazes de autorregulação, que permitem lidar com o estresse, manter a calma em situações desafiadoras e tomar decisões com clareza e objetividade.

Outro aspecto crucial da inteligência emocional é a empatia - a capacidade de se colocar no lugar dos outros e entender suas emoções e perspectivas. É preciso ouvir ativamente a equipe, mostrando interesse e considerando as necessidades e sentimentos de cada um. Ao cultivar relacionamentos construtivos baseados na confiança, respeito e compreensão mútua, os líderes podem inspirar lealdade, engajamento e colaboração com seus times.

Também não podemos deixar de citar a necessidade de ter habilidade em expressar ideias e sentimentos de maneira clara e assertiva, ao mesmo tempo que demonstra sensibilidade às emoções dos outros. Ao promover uma cultura de comunicação aberta e honesta, os líderes podem evitar mal-entendidos, resolver problemas de forma eficiente e promover um clima de trabalho positivo e produtivo.

E em um ambiente de negócios em constante mudança, a adaptabilidade e a resiliência são habilidades essenciais para os líderes. Dessa maneira, eles são capazes de se ajustar às mudanças e desafios com calma e confiança, mantendo uma mentalidade positiva e proativa, além de inspirar e motivar suas equipes a enfrentar desafios com coragem e determinação.

Por fim, ser um líder emocionalmente inteligente não é apenas uma vantagem, mas uma necessidade no cenário empresarial atual. Ao desenvolver habilidades de inteligência emocional, os líderes podem criar ambientes de trabalho mais colaborativos, produtivos e positivos, nos quais as equipes se sentem valorizadas, compreendidas e motivadas a alcançar todo o seu potencial.

Portanto, cabe aos líderes investir no desenvolvimento contínuo de suas habilidades emocionais, buscando aprimorar o autoconhecimento, a empatia, a comunicação e a resiliência. Somente assim poderão enfrentar os desafios do mundo dos negócios de maneira eficaz e inspirar suas equipes a alcançar o sucesso em um ambiente cada vez mais complexo e competitivo.

Compartilhar:

Autoria

Allessandra Canuto e Valéria Oliveira

Allessandra Canuto é especialista em temas comportamentais e gestão da cultura. Valéria Oliveira é especialista em desenvolvimento de líderes e gestão da cultura.

Artigos relacionados

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura

Imagem de capa A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

Gestão de pessoas

11 Abril | 2024

A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência

Ivan Cruz

5 min de leitura

Imagem de capa Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

Gestão de pessoas

10 Abril | 2024

Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

É necessário compreender como empresas estão alcançando crescimento acima de 30% ao ano através de uma cultura analítica madura. Aprenda com casos reais de empresas que transformaram seus negócios com estratégias orientadas por dados nas tomadas de decisão.

Denys Fehr

7 min de leitura