fb-embed

3 min de leitura

Equilíbrio em tempos de crise

Colunista Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

18 de Março

Compartilhar:
Artigo Equilíbrio em tempos de crise

O mês de março é marcado mundialmente pela data relembrada no dia 8, quando a mulher é parabenizada pela sua força e conquistas históricas. 

O 8M reforça a necessidade de movimentos e ações afirmativas pela equidade, diversidade, inclusão e combate à violência contra nós.

Contudo, março de 2020 tem sido diferente. A pandemia mundial estabelecida pelo novo coronavírus, o Covid-19, tomou a frente dos principais assuntos do mês. 

Eventos e manifestações foram cancelados. 

Creches, escolas e universidades vêm sendo fechadas e empresas estão estipulando o home office para seus funcionários como medidas preventivas.

E, agora, fica a pergunta: como reprogramar as nossas vidas para uma rotina onde não há uma divisão clara entre horário comercial e o resto do dia?

O hábito de colocar o crachá, encher a caneca de café e ligar o computador no escritório começa a ser desafiado por um vírus que traz medo e distanciamento físico forçado entre as pessoas.

A cultura do mundo corporativo tradicional enfrenta uma guerra silenciosa há algum tempo. O Vale do Silício, as startups e o modelo de espaços de trabalho compartilhado, os coworkings, estão reinventando a nossa relação com o universo empresarial.

Quando companhias como Microsoft, Apple, Google, XP, lideram a decisão de implementar o home office como medida preventiva contra a disseminação do novo coronavírus, como fica o profissional que, habituado com a sua jornada segmentada, precisa agora, encontrar o equilíbrio entre o seu universo profissional e pessoal?

Para as mulheres e, especialmente as mães, essa divisão entre as nossas versões corporativa, pessoal e familiar é um desafio que vem sendo trabalhado há décadas.

Qual a mãe que nunca precisou atender uma ligação da escola em uma reunião importante ou saiu mais cedo do escritório para buscar o filho com febre na escola? 

Estas reconexões com a vida pessoal e familiar em meio ao ambiente corporativo são exemplos de como a experiência feminina pode agregar positivamente em um momento como este. 

O modelo de liderança Shakti, que propõe o equilíbrio entre o poder feminino e masculino nos negócios, é uma ferramenta de transformação que traz a proposta de estimular o equilíbrio de forças - energias - que estão presentes em todos nós, independentemente do gênero.

Como empresas que se abrem para este modelo de liderança e negócios podem estimular o equilíbrio dessas habilidades em tempos especialmente difíceis? 

Mentorias internas podem ser uma solução efetiva e de baixo custo envolvido, especialmente, se forem estimuladas a acontecerem entre cargos e pessoas diversas.

Você pode se interessar também:

eBook Empreendedorismo e Crise. Baixe agora.

Com o aumento e estímulo do home office, mentorias online são ferramentas práticas para estimular os colaboradores e aproximar pessoas pelo ambiente virtual, quando, na realidade presencial temos que nos manter afastados uns dos outros.

Outro grande desafio deste momento é compreender o equilíbrio para apresentar resultados efetivos de produtividade. 

Quando a nossa rotina impõe um modelo de produtividade das 9h às 18h, podemos nos surpreender com os resultados obtidos ao abrir novas possibilidades às empresas e negócios. 

É neste momento que precisamos saber interpretar nossos resultados e aprender a ler os sinais do nosso corpo. 

Apesar de quase ter sido banalizado por gurus formulados, o autoconhecimento continua sendo a base para o exercício da liderança.

Conhecer a nós mesmos não requer uma viagem espiritual para o alto de uma montanha gelada. 

Momentos de silêncio e conexão com nossa mente bastam para atingir esse lugar. 

Vejam só que grande oportunidade o momento apresenta para este estímulo: é o meio externo nos impulsionando a conviver de forma mais equilibrada com nossos meios internos. 

Sejam eles físicos, no caso das empresas, sejam eles emocionais e espirituais, no caso dos colaboradores.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal

Elisa Rosenthal é a diretora presidente do Instituto Mulheres do Imobiliário. LinkedIn Top Voices, TEDx Speaker, produz e apresenta o podcast Vieses Femininos. Autora de Proprietárias: A ascensão da liderança feminina no setor imobiliário.

Artigos relacionados

Imagem de capa Inteligência artificial no trabalho: estratégia ou desespero?

Transformação Digital

19 Julho | 2024

Inteligência artificial no trabalho: estratégia ou desespero?

A inteligência artificial (IA) está no centro de uma das maiores revoluções tecnológicas da nossa era, transformando indústrias e redefinindo modelos de negócios. No entanto, é crucial perguntar: a sua estratégia de IA é um movimento desesperado para agradar o mercado ou uma abordagem estruturada, com métricas claras e foco em resultados concretos?

Marcelo Murilo

13 min de leitura

Imagem de capa SHIFT: Um novo modelo de gestão para liderar na complexidade

Gestão de pessoas

17 Julho | 2024

SHIFT: Um novo modelo de gestão para liderar na complexidade

Conheça o framework SHIFT pela consultora da HSM, Carol Olinda.

Carol Olinda

4 min de leitura

Imagem de capa Cultura data-driven: como estratégias baseadas em dados podem guiar equipes e direcionar o crescimento organizacional

Liderança, times e cultura

17 Julho | 2024

Cultura data-driven: como estratégias baseadas em dados podem guiar equipes e direcionar o crescimento organizacional

Com a informação se tornando uma commoditie crucial, as organizações que não adotarem uma cultura data-driven, que utiliza dados para orientar decisões e estratégias, vão ficar pelo caminho. Entenda estratégias que podem te ajudar neste processo!

Felipe Mello

3 min de leitura

Imagem de capa ESG e a expansão de negócios de impacto socioambiental

ESG

15 Julho | 2024

ESG e a expansão de negócios de impacto socioambiental

Explorando como a integração de práticas ESG e o crescimento dos negócios de impacto socioambiental estão transformando o setor corporativo e promovendo um desenvolvimento mais sustentável e responsável.

Ana Hoffmann

3 min de leitura