fb-embed

2 min de leitura

Construindo um negócio no longo prazo

Em um mercado em que gerar efeitos de rede vira, cada vez mais, um diferencial competitivo, o software de gestão de redes adquire uma importância renovada

05 de Novembro

Compartilhar:
Artigo Construindo um negócio no longo prazo

O dia a dia do empresário moderno parece requerer muito mais do que as 24 horas disponíveis no dia. Além de gerenciar o lado financeiro e administrativo do negócio é necessário ainda organizar o marketing, a comunicação, gestão de pessoas e as estratégias de engajamento e fidelização de clientes, entre outras áreas, para se manter dentro do mercado competitivo que estamos.

Para as empresas que buscam estabelecer seu negócio visando o longo prazo, pode ser muito valioso coletar e gerenciar informações de seus clientes, para depois desenvolver campanhas que atinjam o público-alvo correto com a mensagem adequada. Com isso é possível entender quem é o seu consumidor e o que ele procura, construindo estratégias de fidelização ao redor disso.

Uma pesquisa da Zoho feita no Brasil com mais de 400 donos de empresas revelou que 54% deles acreditam que anúncios nas redes sociais é a abordagem com mais impacto em seus clientes. Apesar disso, mais de 30% deles não gerenciam suas redes ou captam dados de clientes por elas.

Existem diversas razões para isso, como falta de conhecimento ou dificuldade em entender a tecnologia disponível. Infelizmente pouco se fala sobre os softwares de gestão de redes e criam-se estigmas. Por exemplo, 62% dos que possuem um negócio acreditam que o preço cobrado por softwares é muito alto, sendo que existem diversas opções gratuitas no mercado. Essa ideia de que a tecnologia é cara foi construída e acaba desencorajando quem está começando.

Outro ponto que chama atenção na pesquisa é a quantidade de empresas que estão preocupadas com a segurança de seus usuários. Apesar de 88% dos entrevistados nunca ter perdido nada com invasões, falha de segurança ou hacks, só 9% disseram que não pagariam para oferecer segurança aos clientes em seus sites. Isso demonstra uma conscientização por parte dos proprietários, principalmente com a chegada da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entrará em vigor em agosto do ano que vem.

As empresas precisam escolher fornecedores que tenham visão de longo prazo e que valorizem os quatro pilares institucionais empresariais – clientes, produtos, funcionários e cultura. Muitas marcas de tecnologia acabaram se perdendo nisso, focando mais na divulgação de um nome do que no produto em si. Isso precisa mudar, até porque 27% dos empresários levam em conta as funcionalidades antes de comprar um programa enquanto só 12% levam em conta o fabricante/desenvolvedor.

Compartilhar:

Autoria

Artigos relacionados

Imagem de capa Mulheres na liderança: desafios para a equidade de gênero em posições de alta gestão

Gestão de pessoas

29 Maio | 2024

Mulheres na liderança: desafios para a equidade de gênero em posições de alta gestão

Apesar do crescimento contínuo na presença de mulheres em cargos de liderança, a equidade de gênero ainda está distante. A valorização da liderança feminina é essencial para a construção de uma cultura organizacional sólida e ética.

Rafaela Dialma Gonçalves Scrivano

3 min de leitura

Imagem de capa Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Precisamos falar sobre o esgotamento que a produção incessante e sem propósito está fazendo com que mais da metade da população adoeça.

Carol Olinda

6 min de leitura

Imagem de capa Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Não cabe mais só fazermos decisões com base na intuição, por isso, é necessário reconhecer que tipo de compreensão sobre people analytics estamos criando!

Galo Lopez

5 min de leitura