fb-embed

Tecnologia e inovação

3 min de leitura

Comportamento, experiência digital e tecnologias no futuro da sala de aula

Quando falamos sobre o futuro e analisamos tendências, é inevitável não vir à nossa mente a digitalização e, com ela, a adoção de novas tecnologias.

Adriano Mussa

09 de Dezembro

Compartilhar:
Artigo Comportamento, experiência digital e tecnologias no futuro da sala de aula

Ferramentas como inteligência artificial, big data e cloud computing ganham um papel importante no processo de automatização de tarefas, na redução dos custos, agilidade e, principalmente, na otimização da oferta e experiência do consumidor final. Inclusive, com as constantes mudanças no modelo de consumo, a transformação digital tornou-se determinante para que grande parte dos negócios sobrevivessem e modelos denominados como "disruptivos" fossem antecipados.

Na área da educação, o percurso segue o mesmo ritmo: percebemos o aumento do uso do meio digital para o ensino em micro-momentos e o aprendizado ao longo da vida (lifelong learning) se torna determinante para uma sociedade que demanda uma atualização constante no desenvolvimento de novas habilidades e skills do futuro de forma ágil e atualizada. Dessa maneira, os formatos online e offline se complementam para entregar o que chamamos de ensino híbrido, onde ambas as partes devem ter uma entrega completa, garantindo que a experiência do aprendizado do aluno seja fluída e atenda a todas as necessidades em ambientes e momentos diferentes.

De acordo com um levantamento do LIT, plataforma de ensino digital da Saint Paul Escola de Negócios, de forma prática, podemos dizer que o nível de aprendizagem no digital pode ser altamente positivo com: 

  1. A mescla de emprego de ferramentas síncronas e assíncronas; 

  2. O aumento do nível de personalização das ofertas de aprendizagem e; 

  3. A intensificação do uso de técnicas ativas de aprendizagem. 

Com isso, em muitas situações e contextos, a aprendizagem digital pode ser mais relevante do que a modalidade do ensino (presencial ou a distância).

A tecnologia em favor da personalização do ensino

Uma vez que falamos sobre a otimização e a personalização do ensino de qualidade, é fundamental entender o quanto os traços de personalidade do usuário estão diretamente ligados aos resultados e à experiência que ele terá no ambiente de estudo. Por meio do modelo/forma de aprendizagem de cada pessoa, conseguimos obter insights enriquecedores tanto no formato de ensino – cada vez mais inovador – quanto no modelo de negócio, tornando-se cada dia mais disruptivo e, principalmente, mais democrático.

Podemos afirmar, pelo mesmo levantamento e linha de raciocínio, que o futuro da sala de aula será integrado à análise de dados, dando ao professor a facilidade de medir a interatividade e o comprometimento dos estudantes com o conteúdo apresentado. Se um dia fez sentido estar em uma sala de aula por horas, repassando o mesmo conteúdo para alunos completamente diferentes, hoje vemos novos modelos de negócios que permitem, de fato, focar nos conteúdos que cada aluno realmente precisa, eliminando os tópicos que já dominam, em tempo real. 

Assim, a entrega será mais assertiva e direcionada para cada aluno, de maneira individual, permitindo que o seu intelecto seja desenvolvido de forma única e por meio de pílulas de aprendizagem que se adaptam aos micro-momentos pessoais e profissionais de cada pessoa. 

A sala de aula do futuro

Ao imaginar a sala de aula do futuro, vemos instituições que usam metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em avaliações holísticas, possibilitadas pelo emprego de múltiplos formatos: testes, fóruns, mini-cases, estudos de caso, aplicações práticas e resolução de problemas. A “lição de casa” para as instituições de ensino é evoluírem com o processo de aprendizagem e trabalhar de forma intensa com analytics, oferecendo relatórios de estratégias de ensino, objetos de aprendizagem e formatos de conteúdos de acordo com cada estilo. 

Resumidamente, a premissa é entregar conteúdo de qualidade para o aluno que, em troca, entrega dados para personalizar e aprimorar uma oferta já feita. Isso é feito por meio de aulas em vídeos, livros, áudios ou até mesmo tecnologias ainda não tão exploradas no setor de educação, como o reconhecimento facial, realidade aumentada, análise de sentimentos, blockchain e data analytics. Essas e outras tecnologias garantem que o processo de aprendizagem seja feito de uma forma ainda mais segura, natural, aumentando o nível de engajamento em sincronismo com as suas jornadas de aprendizagem.

O futuro da sala de aula é, por fim, encontrar na Inteligência Artificial uma forma de ampliar a capacidade humana, usando-a como aliada para levarmos a melhor aprendizagem de forma acessível. É encontrar no uso intensivo de tecnologias exponenciais a democratização da melhor educação em benefício da humanidade.

Compartilhar:

Autoria

Adriano Mussa

Diretor acadêmico e de Inteligência Artificial do LIT

Artigos relacionados

Imagem de capa E a Justiça brasileira também se transformaAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

E a Justiça brasileira também se transforma

Pode-se dizer que a transformação digital da administração pública é uma marca da metaeconomia. E, no ranking do Banco Mundial de governos mais digitais, o Brasil perde só para a Coreia do Sul, superando estrelas digitais como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Estônia, França, Índia e Rússia. Como? O poder judiciário é exemplo a observar.

Ademir Piccoli
Imagem de capa Inovações para um novo ciclo econômicoAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Inovações para um novo ciclo econômico

O novo ciclo econômico talvez fosse definido pelo poeta Vinícius de Moraes como “enjoadinho”. Ao menos, tem uma característica em comum com o Poema Enjoadinho do autor, que começa com “Filhos, filhos?/Melhor não tê-los/Mas se não os temos/Como sabê-los?” e termina com “Porém, que coisa/Que coisa louca/Que coisa linda/Que os filhos são!”. Esta reportagem ajuda a saber dos negócios (filhos) nascentes da metaeconomia.

Imagem de capa Inovar, em primeiro lugar, com as pessoasAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Inovar, em primeiro lugar, com as pessoas

Imagine qual seria a missão de empresa metalmecânica fundada por um torneiro mecânico em Aracruz (ES) em 1980. Você vai se surpreender com a Imetame: “contribuir para as pessoas realizarem sonhos”. Como mostra esta reportagem, os líderes da companhia capixaba se viram como “intensivos em capital humano” e decidiram se diferenciar inovando no tratamento com pessoas, dos colaboradores às da comunidade. Ao menos para organizações intensivas em capital humano, isso pode ser um booster e tanto.

Imagem de capa Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-laAssinante

Tecnologia e inovação

29 Dezembro | 2023

Já vivemos em uma metaeconomia; só falta entendê-la

Em 2022, o assunto foi metaverso. Em 2023, o assunto foi o fracasso do metaverso – ou, pelo menos, seu adiamento. Em 2024, é hora de olhar para o todo em vez de focar detalhes, e começar a enxergar o que o autor deste artigo, que se define como cypherpunk, chama de “metaeconomia”. O nome talvez seja provisório, mas trata-se de um novo ciclo econômico, construído em 25 anos de digitalização, interconexão e a convergência de forças específicas.

Courtnay Guimarães
Imagem de capa De superapp a sistema operacional, WhatsApp amplia oportunidades de negócios

Tecnologia e inovação

24 Novembro | 2023

De superapp a sistema operacional, WhatsApp amplia oportunidades de negócios

O sucesso das relações digitais comerciais está na capacidade de entender, conhecer e interagir em tempo real com os clientes. E a vocação do brasileiro para um bom papo na adoção do aplicativo WhatsApp no ambiente de negócios melhora a experiência do consumidor

Roberto Oliveira

5 min de leitura