fb-embed

3 min de leitura

Blockchain: o que isso significa para o RH?

Tecnologia pode ajudar a baratear busca por talentos e a evitar as infames mentiras nos currículos.

Colunista Athila Machado

Athila Machado

21 de Outubro

Compartilhar:
Artigo Blockchain: o que isso significa para o RH?

Os holofotes em torno do blockchain têm aumentado, e motivos não faltam. Em linhas gerais, trata-se de uma base de dados contínua, na qual pessoas e empresas podem armazenar e compartilhar informações de modo seguro.

O blockchain também está mudando não só a forma com que os processos são executados, mas, acima de tudo, como se dão as relações descentralizadas, em que nenhuma entidade controla ou dita as regras. Tudo passa por um mecanismo de consenso que verifica e aprova as transações, eliminando a necessidade de um intermediário.

E aí, surge a pergunta: como essa tecnologia pode ajudar o RH? O número de startups para o segmento de RH vem crescendo, e existem várias soluções baseadas em blockchain para problemas comuns à área, como recrutamento, verificação, referência, contratos inteligentes, ciclo de vida do funcionário, transações seguras, comparecimento, conformidade e auditoria.

Eles trazem, no entanto, desafios que precisam ser resolvidos. No mercado de trabalho, são questões que oneram a cadeia e trazem lentidão a todo processo. Vamos a eles:

Problemas de fornecimento de talentos: se você observar o recrutamento e a contratação, há pouca visibilidade das informações sobre os trabalhadores disponíveis e uma correspondência ineficiente.

Custo da mão de obra: em mercados de talentos ineficientes, os empregadores pagam de 15% a 30% do custo do contrato aos intermediários. No lado receptor, empreiteiros, fornecedores, consultores ou freelancers, às vezes, precisam esperar muitos meses antes de serem pagos. Isso não é apenas frustrante para as partes envolvidas, mas também afeta a viabilidade dos negócios. Só no Reino Unido, quase 20% das PME enfrentam a falência devido a atrasos nos pagamentos.

Fraude de candidatos: há baixa confiança na identidade e nas qualificações dos candidatos e muitos contam mentiras em seus currículos.

Outras questões específicas do mercado de trabalho envolvem o viés de seleção e os grupos de talentos que mudam rapidamente. Então, para onde tudo isso nos levará? Tal como acontece com distintas áreas, os desenvolvimentos tecnológicos – e sua adoção – levam tempo.

A implementação de soluções baseadas em blockchain para lidar com alguns dos desafios de RH mencionados acima não acontecerá da noite para o dia, provavelmente será um processo gradual. Podemos, inclusive, pensar em ondas dessa tecnologia no trabalho. A primeira, talvez, seja em torno da verificação de candidatos baseada em blockchain, um caso de uso direto. Os pagamentos de funcionários em tempo real podem ser outro. Já a segunda pode ser sobre melhores mercados de talentos, mais visibilidade do trabalho. Também poderia implicar mais confiança no mercado.

Agora, é claro, há desafios, como os atuais, relacionados ao custo e velocidade de transação. Então, vamos precisar acertar o processo, e isso não será uma tarefa fácil. Conheça, a seguir, alguns projetos de blockchain:

R_Block: é uma rede de contratação descentralizada e à prova de identidade. Os usuários da plataforma possuem suas habilidades e seus dados de experiência e decidem com quem desejam compartilhar essas informações e quando. Os trabalhadores podem ganhar “CV tokens” por compartilhar seu perfil e interagir com recrutadores, e podem transformar suas habilidades comprovadas e histórico de trabalho em um currículo compartilhável.

TiiQu: é uma plataforma baseada em blockchain que usa a imutabilidade e a fonte verificável de qualidades de dados para criar um passaporte digital. Ele pode, entre outras funções, ser usado como prova da confiabilidade, da identidade e das qualificações profissionais de um indivíduo. Resumindo: no TiiQu, há a missão de remover as suposições e as suposições das afirmações de um indivíduo sobre si mesmo.

Vault: é a primeira plataforma de combate ao assédio alimentada por blockchain do mundo. Permite que os usuários registrem experiências de assédio, armazenem evidências e memorandos pessoais. Os usuários têm controle total sobre as informações armazenadas em seu cofre. Nenhuma outra parte pode acessá-lo sem consentimento explícito.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Athila Machado

Athila Machado

Athila Machado é cofundador da Mereo, HRTech focada em gestão de performance, talentos, reconhecimento e recompensa.

Artigos relacionados

Imagem de capa Mulheres na liderança: desafios para a equidade de gênero em posições de alta gestão

Gestão de pessoas

29 Maio | 2024

Mulheres na liderança: desafios para a equidade de gênero em posições de alta gestão

Apesar do crescimento contínuo na presença de mulheres em cargos de liderança, a equidade de gênero ainda está distante. A valorização da liderança feminina é essencial para a construção de uma cultura organizacional sólida e ética.

Rafaela Dialma Gonçalves Scrivano

3 min de leitura

Imagem de capa Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Quais os passos para criar empresas renovadoras?

Precisamos falar sobre o esgotamento que a produção incessante e sem propósito está fazendo com que mais da metade da população adoeça.

Carol Olinda

6 min de leitura

Imagem de capa Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Gestão de pessoas

22 Maio | 2024

Por onde percorre o entendimento de people analytics?

Não cabe mais só fazermos decisões com base na intuição, por isso, é necessário reconhecer que tipo de compreensão sobre people analytics estamos criando!

Galo Lopez

5 min de leitura