fb-embed

8 min de leitura

As estratégias de Diversidade no Brasil e os impactos gerados pela pandemia

Você já parou para pensar em como estará o mundo daqui alguns meses ou anos? E a sua empresa? Em um mundo que é cada vez mais VUCA ou VICA em português - volátil (volatility), incerto (uncertainty), complexo (complexity) e ambíguo (ambiguity), certezas passam a ser contestadas. O futuro é, a cada dia, mais incerto. Conheça o panorama das estratégias de Diversidade em tempos de Covid-19.

Colunista Thalita Gelenske

Thalita Gelenske

06 de Julho

Compartilhar:
Artigo As estratégias de Diversidade no Brasil e os impactos gerados pela pandemia

A pandemia nos trouxe uma dimensão que já sabíamos: temos poucas certezas. E uma dessas poucas certezas é que o digital é uma realidade sem volta. O mundo corporativo ganhou mais agilidade nos últimos três meses do que nos últimos anos. 

Esse movimento está transformando as empresas, impactando todas as áreas e é nesse cenário que vemos o surgimento e o fortalecimento dos programas de diversidade organizacional.

O benchmarking para entender a importância da diversidade nas empresas (inclusive em tempos de pandemia)

Para estimular que mais organizações construam espaços e culturas mais empáticas, diversas e inclusivas, nós, da Blend Edu - startup que desenvolve experiências educacionais para promover a empatia, diversidade e inclusão nas organizações - realizamos um estudo de benchmarking chamado "Panorama das Estratégias de Diversidade no Brasil e os Impactos da Covid-19". 

Ao longo desse texto, vamos trazer um resumo e destacar alguns insights gerados pela pesquisa, mas ela também pode ser baixada na íntegra aqui.

Cerca de 45 grandes empresas brasileiras participaram (organizações como Natura, Tim, Carrefour,  Ambev, P&G, Prudential, L'Oreal, Ipiranga, Movile, Vale, etc.), compartilhando suas práticas voluntariamente, como uma forma de apostar inteligência coletiva, mostrando que possuem um mindset em linha com o tempo que vivemos hoje, cada vez mais aberto, transparente e colaborativo.

No estudo, conseguimos obter um bom panorama de como as estratégias de diversidade estão estruturadas. Descobrimos que mais de 64% possuem uma área específica e dedicada para a gestão de diversidade ou orçamento dedicado à essa área. Normalmente, este tema é parte do escopo das áreas de RH, mas também é liderado pelas áreas de sustentabilidade ou marketing, por exemplo.

De acordo com o estudo, as 4 dimensões mais trabalhadas dentro dos programas de diversidade são “Gênero” (93%), “Pessoas com Deficiência” (85%), “Raça/etnia” (80%) e “LGBTI” (68%) e é unânime entre as empresas a percepção de que ações educacionais são fundamentais para o engajamento e comprometimento das pessoas com a estratégia de diversidade. 

Mais de 60% das empresas possuem seus objetivos do programa de diversidade associados à criação de cultura inclusiva e gestão de talentos, seguidos pelo impacto no resultado do negócio. 

Por outro lado, apesar de em 71% das empresas a área responsável pelo tema de diversidade possuir objetivos e metas específicos, em apenas 4% tais aspectos influenciam a avaliação de performance e remuneração dos colaboradores.

Além disso, apesar de 100% das empresas respondentes concordarem que “ações educacionais são fundamentais para o engajamento e comprometimento dos colaboradores e líderes na estratégia de diversidade”, 75% de fato possuem ações de treinamento e desenvolvimento estruturada para colaboradores. 

Apesar de 93% das empresas considerarem importante acompanhar tendências e aplicá-las no programa de diversidade, apenas 31% consideram seu programa com um grau de inovação alto ou muito alto, mostrando que ainda existe um potencial para reinventar a gestão da diversidade.  

O que percebemos, então, é que ainda há um enorme espaço para melhorias. Construir uma cultura inclusiva tem se mostrado não só um imperativo ético e moral, como uma necessidade para a sustentabilidade do negócio no longo prazo. 

Quer conferir a lista completa com as ações mais recorrentes implementadas como parte de um programa de diversidade? Baixe o relatório completo do benchmarking, clicando aqui.

A liderança como peça-chave

58% das empresas afirmam que a alta liderança compreende a relevância das ações de diversidade. Por outro lado, apenas 47% concordam que esta liderança de fato apoia as ações do programa

Para tornar o cenário ainda mais crítico, apenas 29% das organizações percebem que a maioria dos seus colaboradores estão comprometidos e participam ativamente das ações do programa de diversidade. 

É visível o desafio de sensibilização e criação de consciência coletiva. Apesar de já termos 68% empresas que monitoram indicadores, poucas (25%) afirmaram publicar esses relatório interna ou externamente. Desta forma, fica difícil que mais pessoas se sintam responsáveis pelo programa, uma vez que não possuem visibilidade dos avanços e GAPs.

O poder da colaboração e da inovação

Mais organizações estão compreendendo o poder da colaboração. A participação em redes empresariais e grupos de networking de diversidade, compartilhando boas práticas e potencializando a inteligência coletiva, é um grande aliado das organizações. 

Além desta ser a 3ª ação com maior taxa de implementação nas empresas - ficando apenas atrás de campanhas de comunicação e eventos internos -, existe uma unanimidade em relação à sua importância (100% das empresas), e 56% possuem grupos de afinidade (que podem, muitas vezes, atender esse objetivo internamente).

Ao mesmo tempo, inovar se torna algo cada vez mais essencial. Um percentual de 93% das empresas considerarem importante acompanhar tendências e aplicá-las no programa de diversidade, apenas 31% consideram seu programa com um grau de inovação alto ou muito alto, mostrando que ainda existe um potencial para reinventar a gestão da diversidade. 

Talvez por isso, diante da pandemia, a principal preocupação dos líderes de diversidade (respondentes da pesquisa) está relacionada a repensar e inovar sua estratégia de diversidade.

Impactos da Covid-19 nos programas de diversidade:

Não é surpresa ver que 100% das empresas afirmaram terem sido impactadas pela pandemia. Grande parte das organizações (45%) afirmam terem continuado seus esforços de diversidade, realizando pequenos ajustes. Apesar de ser uma minoria, torna-se preocupante o fato de 15% das organizações respondentes terem pausado suas atividades de diversidade.

Ao serem questionados sobre "qual sua maior preocupação diante da pandemia?", os líderes de diversidade afirmaram que precisam repensar e inovar sua estratégia de diversidade, seguida pela reflexão de como manter os esforços de sensibilização e treinamento vivos, mesmo neste cenário de trabalho remoto. Não é à toa que muitas organizações estão buscando alternativas digitais para suas ações educacionais, assim como as oferecidas pela Blend Edu.

Já a terceira maior preocupação está relacionada a manter o engajamento e as atividades dos grupos de afinidade/ diversidade e a quarta apoiar os colaboradores de grupos de risco em situação de maior vulnerabilidade.

Por fim, vimos que as principais insights e transformações potencializadas pela Covid-19 foram:

  1. O digital é uma realidade sem volta

  2. Curadoria emerge como uma habilidade chave

  3. O digital como alternativa à redução de orçamento

  4. O papel chave da liderança, que deve "walk the talk"  especialmente em cenários de incerteza

Um volume expressivo de organizações concordou que a pandemia impulsionou os esforços de transformação digital (93%), ampliando a abertura à ações digitais (88%), inclusive em relação à estratégia de educação digital (73%). 

Quer ver mais detalhes sobre as respostas das empresas e das descobertas realizadas pelo benchmarking? Baixe o relatório completo clicando aqui.

Mas… como avançar?

Primeiramente, temos que ter muito cuidado com o diversity washing. Apesar de apenas 5% das organizações afirmarem que o objetivo do seu programa é “potencializar reputação da marca”, vemos que o tipo de ação mais implementada são as “campanhas de comunicação, que podem acabar sendo percebidas como diversity washing (quando a empresa se posiciona como sendo muito diversa, sem sustentar essa imagem com ações, políticas e práticas internas sólidas).

Paralelamente, os programas de treinamento se mostram como um tipo de ação extremamente relevante. Todas as empresas respondentes considerarem ações educacionais fundamentais para o engajamento e comprometimento das pessoas com a estratégia de diversidade e 60% já afirmaram ter treinamentos estruturados, tornando esta a 5ª ação mais implementada entre as organizações pesquisadas.

Dados do Instituto Ethos também reforçam essa crença: entre as 500 maiores empresas do Brasil, 7 a cada 10 já possuem treinamentos sobre diversidade.

Além disso, há um alto percentual (93%) de empresas que concordam que monitorar indicadores é importante para a efetividade do programa de diversidade. 

Os líderes precisam estar atentos a esses números, aumentando a efetividade e o grau de inovação das suas iniciativas. É este tipo de abordagem que vai permitir que as organizações naveguem com maior tranquilidade durante períodos de altíssima incerteza, como este que estamos vivendo hoje por causa do Coronavírus.

Transformações na prática: a busca por soluções digitais, de baixo custo e inovadoras

Com o cenário atual, praticamente todas as empresas estão se questionando: como inovar a minha estratégia de diversidade, adotando uma abordagem digital, escalável e com um bom custo benefício?

Para apoiar os programas de diversidade das organizações e ajudá-las a encontrar uma resposta para essa pergunta, resolvemos antecipar o lançamento do Diversidade SA para o mês de junho. 

O Diversidade SA a primeira comunidade virtual de aprendizagem do mercado, criada para reunir empresas engajadas em construir uma cultura inclusiva. 

Ou seja, é uma espécie de rede / movimento empresarial similar ao "Movimento Mulher360", "Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+", mas com um formato digital, escalável e interseccional (nosso objetivo é abordar todas as dimensões da diversidade).

Os usuários serão as pessoas responsáveis por liderar o tema de diversidade dentro da organização, que atuarão como multiplicadores e facilitadores, tendo o potencial de atingir todos os colaboradores da empresa. Ao desenvolvermos a solução, entendemos que seria fundamental que as empresas assinantes tivessem acesso à:

  • Master Classes ao vivo: Treinamentos com os melhores especialistas de diversidade ao longo de todo o ano

  • Cursos online exclusivos: Diferentes trilhas  de aprendizagem e cursos on demand para você se especializar e se tornar referência em diversidade e inclusão. 

  • Biblioteca de conteúdos: Curadoria com os melhores materiais sobre diversidade em diferentes formatos (guias, manuais, cases, vídeos, podcasts e resumos de livros).

  • Aprendizagem social: Faça networking com os usuários da plataforma, que lideram os programas de diversidade nas principais empresas do Brasil.

Ou seja, reuniremos em um só lugar o melhor conteúdo de diversidade do mercado!

Manteremos a comunidade viva e disponibilizaremos conteúdo ao longo do ano todo. E, por ser uma solução digital, conseguimos proporcionar escalabilidade para sua estratégia educacional.

Conheça: www.blend-edu.com/diversidade-sa

Nós, da Blend Edu, acreditamos (mais do que nunca) que o mundo pós-coronavírus será ainda mais humano, digital, empático e inclusivo. Seguimos juntos, juntas e juntes.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Thalita Gelenske

Thalita Gelenske

Thalita Gelenske

Fundadora e CEO da Blend Edu, startup que já tem em seu portfólio empresas como 3M, TIM, Reserva, Movile, Grupo Fleury, TechnipFMC, Prumo Logística, brMalls etc. Thalita também está presente na lista da Forbes Under 30 de 2019, como uma dos 6 jovens destaques na categoria Terceiro Setor e Empreendedorismo Social.

Artigos relacionados

Imagem de capa Quais são os caminhos para promover inovação no setor público?

Empreendedorismo

23 Fevereiro | 2024

Quais são os caminhos para promover inovação no setor público?

Antes de iniciar qualquer transformação, é fundamental identificar as áreas problemáticas e entender profundamente os desafios de sistemas quase inflexíveis

4 min de leitura

Imagem de capa A área de Gente e Gestão está pronta para lidar com a desafiadora Inteligência Artificial (IA)?

Empreendedorismo

23 Fevereiro | 2024

A área de Gente e Gestão está pronta para lidar com a desafiadora Inteligência Artificial (IA)?

Um texto sobre IA, feito por mãos humanas e com questionamentos existenciais: será que estamos preparados para este contraponto?

Ivan Cruz

8 min de leitura

Imagem de capa Pós-carnaval de 2024 promete a chegada de novas tendências ao mercado de trabalho; sua empresa está preparada?

Gestão de pessoas

21 Fevereiro | 2024

Pós-carnaval de 2024 promete a chegada de novas tendências ao mercado de trabalho; sua empresa está preparada?

O pós-carnaval chegou: sua empresa está preparada?

Cecília Barçante

5 min de leitura

Imagem de capa Quatro elementos que mostram que o empreendedorismo também nasce nas universidades

Empreendedorismo

21 Fevereiro | 2024

Quatro elementos que mostram que o empreendedorismo também nasce nas universidades

Empreendedorismo, aliado ao desenvolvimento científico, é também crucial para a construção de um futuro sustentável

Ana Calçado

4 min de leitura