fb-embed

Liderança, times e cultura

2 min de leitura

“A tendência é que as produções, inclusive culturais, acabem se tornando educativas”, destaca Kondzilla, empresário e produtor de sucesso

O momento da Gerando Falcões, na Casa SP, trouxe uma perspectiva crítica sobre o crescimento do fenômeno cultural da Favela e o impacto pode ser tão grande que fez Kondzilla afirmar: “sorte dos gringos que não falamos inglês!”

Guilherme Batista

11 de Março

Compartilhar:
Artigo “A tendência é que as produções, inclusive culturais, acabem se tornando educativas”, destaca Kondzilla, empresário e produtor de sucesso

Existe uma grande geração “Nem-nem”, como dizemos. São jovens que não estão trabalhando ou estudando. Para Edu Lyra, isso é um “tiro no pé” e o maior sentido é: são pessoas que acabarão indo contra a direção necessária para tornar a própria relação social sustentável.

Um dos assuntos tratados na palestra, que contou com a presença de Marilia Marton, Secretária do Governo do Estado de São Paulo, ao lado de seu co-colaborador Armando Júnior e Renato Barreiros, da Fábrica de Cultura, foi a questão da educação e da capacitação no trabalho.

Kond, empresário e produtor da Kondzilla, maior portal e produtora de funk do Brasil há pelo menos 15 anos, destacou a importância de olharmos as produções muito além da própria manifestação cultural. A tendência, para o empresário, é olhar estes processos com olhares mais pedagógicos e educacionais e isso precisa também ser a complexidade que a indústria digital precisa ter.

“Há particularidades de comunicação e nichos, seja na Microsoft, BTG, Google. É uma tendência que isso ocorra e cada vez mais será necessário ter essa perspectiva. Integrar e treinar precisa ter essa capacitação constante e assim podermos garantir que estes trabalhos também sejam acessíveis para a economia criativa”, destacou Kond.

Kond ainda fez menção ao quanto o “mindset” precisa mudar e é tarefa nossa perpetuar a ideia de que a educação é sim o futuro, se tratando em questões de capacitação e cada vez mais referenciais.

Quando a questão foi “O que teremos que acertar?”, a palestra passou a discutir sobre o crescimento da cultura da periferia de São Paulo. É bem claro, inclusive por todos os paulistanos, o quanto a cultura da favela ressoa na cidade e no mercado, como um todo.

O estilo, as músicas, a maneira de comemorar e o tamanho do mercado cresceu exponencialmente nos últimos dez anos. Renato Barreiros, da Fábrica de Cultura, destacou o quanto é necessário ganhar espaço e até internacionalizar com o tamanho que poderia ter.

Na moda isso já chegou às passarelas de Paris e Itália. Cada vez mais outros tipos de estéticas brasileiras, como o futebol, dão forma a essa escala e mostram um potencial gigantesco que isso pode ressoar em diferentes pontos geográficos em um futuro não tão distante.

“O projeto precisa continuar como missão do Estado. Precisamos não desistir e dar continuidade aos projetos como uma inteligência de nação. Não podemos desistir de nada e de ninguém”, destaca Edu Lyra.

Compartilhar:

Colunista

Guilherme Batista

Editor da HSM Management. Mestre em Comunicação e Processos culturais, com ênfase em Inteligência Artificial e Semiótica.

Artigos relacionados

Imagem de capa A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

Gestão de pessoas

11 Abril | 2024

A inevitável transição do people analytics para o people intelligence

O cenário é de rápidas transformações e uma coisa é certa: a IA chegou para ficar e as companhias precisam absorvê-la e usá-la a seu favor. Por isso, é hora de estar preparado para usar isso com inteligência

Ivan Cruz

5 min de leitura

Imagem de capa Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

Gestão de pessoas

10 Abril | 2024

Como a cultura data-driven acelera a transformação digital

É necessário compreender como empresas estão alcançando crescimento acima de 30% ao ano através de uma cultura analítica madura. Aprenda com casos reais de empresas que transformaram seus negócios com estratégias orientadas por dados nas tomadas de decisão.

Denys Fehr

7 min de leitura

Imagem de capa 3 aspectos para alcançar o RH ambidestro e auxiliar a transformação no futuro

Liderança, times e cultura

27 Março | 2024

3 aspectos para alcançar o RH ambidestro e auxiliar a transformação no futuro

As transformações estão cada vez mais complexas e, por isso, é necessário que o RH vá além das funções transacionais e esteja preparado para as transformações que este futuro vai requerer.

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

5 min de leitura