fb-embed

Gestão de pessoas

4 min de leitura

A importância dos conselhos no plano de sucessão de empresas familiares

Sucessão de organizações familiares muitas vezes se tornam uma questão delicada e complexa. Nesse sentido, qual a importância de um conselho nesse trabalho estratégico em um momento crucial?

Farias Souza

25 de Março

Compartilhar:
Artigo A importância dos conselhos no plano de sucessão de empresas familiares

De acordo com dados do IBGE, as empresas familiares são responsáveis por 65% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e representam 75% dos postos de trabalho.

Dada a sua significativa contribuição para a economia, o processo sucessório nessas organizações muitas vezes se torna uma questão delicada e complexa. Nesse contexto, a presença de um conselho desempenha um papel estratégico crucial, proporcionando uma perspectiva externa e imparcial que ajuda a mitigar conflitos.

Em essência, o conselho consultivo funciona como um espaço neutro para discussões, fomentando uma comunicação aberta e construtiva entre os membros da família e os principais stakeholders.

Consultores executam um trabalho crucial na implementação de estratégias de sucessão para promover longevidade, estabilidade e prosperidade da organização.

Isso inclui análise profunda das dinâmicas internas, como estrutura organizacional, cultura, valores e metas em longo prazo. A singularidade de cada companhia demanda abordagem personalizada no planejamento sucessório, considerando atuais relações, preparação das próximas gerações e gestão de ativos.

Pensando em médio e longo prazo

É essencial ressaltar que antecipar o planejamento do processo sucessório aumenta significativamente as chances de êxito.

Nesse sentido, os conselheiros, juntamente com os membros da família e os diretores, devem promover uma transição gradual de uma cultura organizacional para outra, criando assim as condições necessárias para que a organização possa operar de forma autônoma, mesmo na ausência repentina de seu líder atual.

Para isso, é fundamental que o fundador da companhia esteja disposto a delegar responsabilidades gradualmente aos outros membros e esteja aberto às mudanças. Independentemente da troca de cadeiras de gestores, as organizações devem estar atentas e acompanhar as transformações no mundo dos negócios, garantindo assim sua longevidade.

Imparcialidade

Um dos principais objetivos dos conselheiros é orientar a seleção do sucessor de maneira justa e baseada em méritos, garantindo que as habilidades e competências do candidato estejam alinhadas com as necessidades estratégicas da corporação.

Essa abordagem busca assegurar uma sucessão que fortaleça a continuidade e o crescimento sustentável do negócio, ao invés de privilegiar interesses pessoais ou familiares.

A imparcialidade destes profissionais desempenha um papel fundamental, ajudando a evitar favoritismos e garantindo que a escolha do sucessor seja embasada inteiramente em critérios objetivos. Dessa forma, a decisão final reflete o melhor interesse da empresa, promovendo mudanças de forma transparente e alinhada com os objetivos estratégicos de longo prazo.

Mediando conflitos

A criação de um ambiente de governança eficaz é outra responsabilidade dos conselheiros. O foco recai sobre o estabelecimento de políticas e procedimentos transparentes para a gestão empresarial, aliados a uma comunicação clara e objetiva.

Essa abordagem não apenas visa minimizar o impacto dos confrontos entre parentes e demais sócios, mas também é elemento importante para assegurar a continuidade dos negócios.

Dentro das startups

Startups frequentemente enfrentam desafios de sucessão devido à forte associação com seus fundadores, que mantêm uma relação estreita com a corporação, assemelhando-se, em certa medida, a uma estrutura familiar.

Quando um desses líderes deixa repentinamente a organização ou falece, o negócio pode perder sua direção, uma vez que não há um sucessor natural em vista. Lidar com essas questões em startups requer uma visão de longo prazo para garantir sua viabilidade contínua.

Mesmo sendo de pequeno porte, é viável constituir um corpo de conselheiros para fornecer orientação e apoio em tais circunstâncias.

Exemplos bem-sucedidos

O Walmart, uma das maiores redes de varejo global, é uma empresa familiar que valoriza a presença de conselhos em sua estrutura organizacional. Além do Conselho de Administração, o Walmart instituiu outro somente de consultores, formado por líderes experientes de diversas indústrias.

Esses consultores fornecem insights estratégicos e inovações cruciais para auxiliar na adaptação às contínuas mudanças do mercado.

Além disso, preparam a companhia com antecedência para uma eventual mudança de direção, quando necessária.

Um dos maiores conglomerados empresariais do Brasil, o Grupo Votorantim, reconhecendo a importância da expertise diversificada, estabeleceu um conselho consultivo composto por especialistas em áreas fundamentais, tais como finanças, mercado de capitais e tecnologia, visando fortalecer sua governança corporativa e estratégias de gestão.

A atuação dos profissionais não se limitou apenas à orientação sobre questões financeiras, mas também desempenhou um papel crucial na transição geracional da empresa, enquanto impulsionava a modernização das operações do grupo para acompanhar as tendências do mercado e as demandas tecnológicas em constante evolução.

As empresas familiares são extremamente importantes na economia brasileira e os conselheiros são peças fundamentais durante o processo de mudança de liderança; um momento crítico para essas organizações. Nesse período, marcado por conflitos e desafios delicados, eles atuam como facilitadores imparciais.

A expertise e orientação deles é essencial para a seleção do sucessor, o fomento da capacitação e do desenvolvimento, e para fortalecer a governança corporativa. Desta forma, esses profissionais são determinantes para garantir o equilíbrio e o sucesso contínuo de uma organização.

Compartilhar:

Autoria

Farias Souza

Farias Souza é CEO da Board Academy, uma EdTech de formação e desenvolvimento de conselheiros consultivos, independentes, fiscais e de administração de empresas.

Artigos relacionados

Imagem de capa Desvendando o cérebro criativo

Gestão de pessoas

20 Abril | 2024

Desvendando o cérebro criativo

Neurociência e práticas de inovação caminham juntas para destravar o potencial criativo humano

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

6 min de leitura

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura

Imagem de capa Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Gestão de pessoas

15 Abril | 2024

Aerofólios, back office e diferenciação competitiva

Você sabe qual foi a revolução do aerofólio na Fórmula 1? Imagina de que maneira podemos utilizar esta lógica para a diferenciação no empreendedorismo? É essa reflexão que Valter Pieracciani nos convida a fazer em seu novo texto para a HSM Management.

Valter Pieracciani

3 min de leitura