fb-embed

3 min de leitura

A importância do design thinking nas decisões de negócio

Razão + Emoção = Inovação

Érico Fileno

03 de Setembro

Compartilhar:
Artigo A importância do design thinking nas decisões de negócio

Responda rápido: você toma uma decisão com base apenas na razão ou também leva em conta a emoção? Se procuramos contrabalançar o que pensamos e sentimos para encontrar a melhor solução, o mesmo deveria ocorrer em uma empresa. Contudo, muitos líderes decidem de maneira pragmática, com foco apenas em números de planilhas e, consequentemente, optam por cancelar um projeto que ainda nem saiu do papel e que poderia ser algo surpreendente. 

O design thinking como busca de soluções

As empresas começam a perceber que estão perdendo oportunidades. E é por isso que ressalto a urgência em mudar a forma de pensar dos responsáveis pela tomada de decisões e ir além dos números. Hoje, pipocam negócios ancorados em soluções inovadoras que ameaçam a hegemonia das grandes companhias em diversos setores. Para acompanhar o avanço das fintechs no mercado financeiro, por exemplo, os bancos tradicionais ampliaram seu espaço voltado para startups e expandiram a equipe de profissionais especializados em design thinking. 

Isso porque o design vai justamente na contramão ao paradigma das decisões dos líderes, equilibrando os pensamentos analítico (baseado na razão) e o criativo (emoção), e atuando na área de intercâmbio dos dois por meio da lógica do pensamento abdutivo, que busca novas ideias e conhecimentos para validar algo existente ou criado pela mente humana. Ele não resulta em verdades absolutas que são inquestionáveis, mas aponta os caminhos mais prováveis e procura a melhor explicação. E não teria como ser diferente quando se cria algo novo ou se realiza a melhoria em alguma solução. É necessário, portanto, um mix entre números e cenários, entre passado e futuro, entre pragmatismo e imaginação. O objetivo é reduzir o ângulo da mira para acertar o alvo, resultando em uma solução mais assertiva. 

As etapas das tomadas de decisão com design thinking

A abordagem em solucionar problemas complexos do design thinking vem ganhando força no cenário global há cerca de 20 anos, o que pode ser considerado recente, mas que já demonstrou a sua eficácia em inúmeros empreendimentos de sucesso. O processo de tomada de decisão no design é mais ágil e composto basicamente por quatro etapas:

Pensar

Consiste em identificar o problema com dados preliminares, fazer bons questionamentos, determinar o propósito, reconhecer os influenciadores dentro e fora da empresa, estabelecer bom relacionamento na equipe, compartilhar experiências anteriores, criar redes de suporte, praticar alteridade para mapear os stakeholders e antecipar reações positivas ou negativas à solução. 

Sentir 

etapa que busca descobrir o real problema, construir um canal de confiança entre os participantes do projeto, fazer perguntas e anotações com foco nos detalhes, adotar uma atuação transparente para ouvir, ver e sentir com um viés inédito. 

Fazer

É caracterizado pela ação. O foco inicial abrange três aspectos: qual o problema a resolver, como afeta meu cliente e o meu negócio, e qual a melhor saída. Em seguida, parte-se para a tática de ação por meio da comparação, da apresentação e escolha de alternativas, da ponderação dos pontos de vista dos outros integrantes da equipe e do adiamento da decisão ou da proposta de um novo estudo. 

Acompanhar

Segue o desenvolvimento do projeto, quando se procura identificar erros e acertos, gerir expectativas, aplicar filtros, realizar um programa de governança, pivotar o projeto se ocorrer falta de engajamento do time quanto à solução e empoderar os integrantes para atuar de forma rápida em busca de uma nova alternativa se for o caso. 

Diante de problemas complexos é preciso ter uma nova abordagem, envolvendo as pessoas que atuam no desenvolvimento de uma solução. Ser disruptivo é quebrar tabus, correr riscos e seguir numa direção totalmente inédita. Propor alternativas com foco em um cenário racional pré-estabelecido é como ver apenas a ponta de um iceberg. Há muito mais por baixo d’água – e só quem consegue enxergar a sua totalidade será capaz de sair na frente e provocar uma grande transformação.

Compartilhar:

Autoria

Érico Fileno

Diretor-executivo de Inovação da Visa

Artigos relacionados

Imagem de capa Blockchain e gestão pública: um match interessante

Transformação Digital

22 Abril | 2024

Blockchain e gestão pública: um match interessante

Você sabia que o uso de blockchain promove maior sustentabilidade e pode ajudar na redução do consumo de energia?

Matheus Laupman

5 min de leitura

Imagem de capa Desvendando o cérebro criativo

Gestão de pessoas

20 Abril | 2024

Desvendando o cérebro criativo

Neurociência e práticas de inovação caminham juntas para destravar o potencial criativo humano

Lilian Cruz e Andréa Dietrich

6 min de leitura

Imagem de capa Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

Gestão de pessoas

17 Abril | 2024

Como capacitar os chefes para que eles sejam líderes?

A tríplice necessidade de capacitação aos líderes que todo chefe precisa aprender

Samir Iásbeck

3 min de leitura

Imagem de capa Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Gestão de pessoas

16 Abril | 2024

Como as estratégias de gestão podem reduzir os custos elevados dos reajustes anuais dos planos de saúde empresariais?

Entenda os impactos e estratégias para garantir a sustentabilidaded dos planos de saúde, que devem aumentar em até 25% neste ano.

Katia De Boer

5 min de leitura