fb-embed

Gestão de pessoas

2 min de leitura

A importância da análise de dados na experiência do cliente

A personalização é a chave para conquistar clientes e impulsionar negócios e a fidelização depende de uma interação fluida e personalizada, desde o primeiro contato até o pós-venda.

Rodrigo Antunes

15 de Junho

Compartilhar:
Artigo A importância da análise de dados na experiência do cliente

Todos os dias empresas de todo o mundo pensam em formas de impulsionar seu negócio e conquistar clientes, seja expandindo sua marca, ou ampliando seu faturamento. No entanto, para que isso aconteça é necessário conhecer e trazer experiências personalizadas e autenticas aos clientes, o que só é possível por meio do conhecimento da jornada deste consumidor.

Resultados da pesquisa CX Trends 2023, realizada pela Opinion Box em parceria com a Octadesk, apontam que 87% dos consumidores dão preferência para marcas que oferecem uma boa experiência, e 75% fazem essa escolha mesmo que precisem fazer investimentos maiores.

Atualmente, muito se fala sobre a importância dos dados e, de fato, eles são a ferramenta necessária para que as companhias conheçam seu público. Um empresário que sabe qual o perfil do seu cliente tem todos os artifícios necessários para proporcionar uma jornada de compra que o fidelize.

Analisar dados ajuda a entender o comportamento do cliente, identificar o que ele gosta e o que prefere. Com isso, é possível conhecer quem de fato frequenta o seu estabelecimento, chamá-lo pelo nome, saber quantas vezes ele vai até você, quais itens mais procura, entre outros indicadores relevantes para ações e campanhas efetivas.

Uma experiência positiva do cliente vai muito além de apenas atender às suas necessidades básicas. Envolve criar uma jornada fluida, desde o primeiro contato até o pós-venda. Cada ponto de contato, seja ele físico ou digital, é uma oportunidade de causar um impacto duradouro. Os desafios são maiores no físico, mas por meio de soluções tecnológicas, como Data Driven, é possível melhorar e muito a relação de consumidor versus cliente no varejo físico.

É mais do que um simples serviço prestado, a experiência do cliente é a sensação, a memória e o relacionamento que ele constrói ao interagir com uma marca. A importância dessa jornada reside na capacidade de influenciar diretamente a fidelidade do consumidor, sua satisfação e até mesmo sua propensão a recomendar a marca para outros.

É preciso entender a análise de dados como uma das chaves para personalizar o atendimento ao consumidor, tornando a experiência de compra mais prazerosa. Conhecendo seu cliente, fica mais fácil oferecer o que ele mais quer e facilitar a vivência dele no ambiente físico, como já acontece no mundo digital.

Compartilhar:

Autoria

Rodrigo Antunes

CEO e fundador da U-ALL Solutions

Artigos relacionados

Imagem de capa Inteligência Artificial e Gestão de Pessoas: como incorporar essa realidade nas empresas sem desumanizá-la?

Gestão de pessoas

10 Julho | 2024

Inteligência Artificial e Gestão de Pessoas: como incorporar essa realidade nas empresas sem desumanizá-la?

A IA está revolucionando o setor de pessoas e cultura, oferecendo soluções que melhoram e fortalecem a interação humana no ambiente de trabalho.

Fernando Ferreira

6 min de leitura

Imagem de capa Um segredo bem guardado das "purpose-first"

Gestão de pessoas

06 Julho | 2024

Um segredo bem guardado das "purpose-first"

As empresas familiares são cruciais para o País por sua contribuição econômica e, nos dias atuais, por carregarem legado e valores melhor do que corporations. Mas isso só ocorre quando está estabelecido o reconhecimento simbólico dos líderes de propósito que se vão...

Luis Lobão

10 min de leitura

Imagem de capa Executivos descrentes, colaboradores confusos e estratégias falhas: é preciso organizar a “casa”

Gestão de pessoas

04 Julho | 2024

Executivos descrentes, colaboradores confusos e estratégias falhas: é preciso organizar a “casa”

A efetividade das estratégias empresariais é frequentemente comprometida pela falta de alinhamento, comunicação e priorização, resultando em descrença e baixa implementação, com apenas 3% dos executivos confiando no sucesso das suas estratégias.

Athila Machado

4 min de leitura