Menu

96% dos participantes de uma pesquisa de Stanford atribuem a seus trabalhos iniciais o aprendizado de habilidades cruciais em sua carreira

Seu primeiro emprego importa mais do que os outros? Ele molda sua carreira de algum modo?

A resposta a ambas as questões é “sim”, ao menos segundo os participantes de uma pesquisa realizada pela Stanford Graduate School of Business sobre o primeiro emprego. Entre os respondentes – ex-alunos, alunos atuais e leitores da revista da escola –, 96% disseram que seu primeiro emprego – um “bico” ou para valer – lhes deu habilidades que influenciaram sua trajetória profissional.

Hoje CEO no mundo corporativo, Philip C. Kantz começou a trabalhar na marinha mercante norte-americana. “Acredito que administrar a ponte de um navio oito horas por dia me ajudou a desenvolver e a refinar habilidades de liderança; ganhei habilidades de gestão de equipes e de projetos”, diz ele.

Para o empreendedor serial Nuh Sedat Kurtaram, o trabalho de verão em um bar de hotel em Antalya, Turquia, sua primeira incursão profissional, o superexpôs a pessoas e culturas estrangeiras – e isso o auxilia toda vez que ele funda empresas.

Às vezes, o primeiro emprego é uma forma de descobrir do que você não gosta, relata Arturo Cazares, que, quando criança, mudou-se do
México para os Estados Unidos com os pais e, antes dos 16 anos, trabalhou na colheita em lavouras na Califórnia. “Com o serviço braçal, desenvolvi senso ético e disciplina fortes e também fiquei motivado a continuar os estudos.” Cazares graduou-se em Stanford em 1984 e concluiu o MBA em 1989. Ele já foi vice-presidente de várias empresas de tecnologia do Vale do Silício e atualmente é diretor de operações da CipherCloud.

Como os primeiros empregos terminaram? A maioria pediu demissão e partiu para trabalhos que não tinham relação com a primeira posição, mas 10% foram promovidos dentro da mesma organização. Onze por cento foram demitidos, e até a demissão no primeiro emprego pode fornecer lições de longo prazo. É o que ensina a história de Harold Eastman.

Ele ingressou no mundo do trabalho aos 13 anos, capinando o mato em uma creche em Renton, Washington, mas foi demitido depois de apenas um dia. “Aprendi a não ser desencorajado pelo fracasso e a continuar tentando.” Eastman concluiu o MBA em 1962, já dirigiu empresas de milhões de dólares de faturamento e hoje atua, em uma segunda carreira, como fotógrafo profissional.

Seu pai deu uma boa ajuda a sua autoestima, contudo: foi com ele questionar o chefe e descobriu a razão da demissão – ele era pequeno demais para aguentar carpir. “Isso foi reconfortante, porque entendi que eu não era um mau trabalhador.” Seu pai guardou a nota de US$ 5 ganha naquele dia e lhe deu na formatura do ensino médio. Ele ainda a tem.

Outro profissional demitido do primeiro emprego – pondo preços em latas de um supermercado na Carolina do Norte –, sem dar o nome, diz o que aprendeu: “Ser inteligente não significa que você consegue fazer um trabalho simples”.

Como conseguiram

Para conseguir o primeiro emprego, a pesquisa mostrou a importância do networking. Quase a metade dos participantes – 45% – soube do trabalho por meio de um amigo, parente, professor ou mentor, e apenas 15% responderam a um anúncio. Muitos entrevistados começaram a carreira no serviço militar. Um total de 61% permaneceu no trabalho mais de um ano, e 26% ficaram por um verão ou apenas alguns meses.

Relatos de primeiro emprego

John W. Boyd

Primeiro emprego: engenheiro aeronáutico no Ames Aeronautical Laboratory. “Fui promovido do túnel de vento menor e mais simples para o maior em 18 meses.”

Lição aprendida: “A de que você precisa confiar nas pessoas para ser bem-sucedido”.

Agora: “Ainda estou na mesma empresa”, diz Boyd, 70 anos mais tarde. Lenda no laboratório perto de Mountain View, Califórnia, que se tornou o Nasa Ames Research Center, ele fez carreira na pesquisa dos túneis de vento da Nasa e hoje é assistente especial do diretor. Publicou mais de 20 papers de pesquisa, e seus estudos envolvendo aerodinâmica foram fundamentais para o desenvolvimento das aeronaves supersônicas, como o F-102 e o B-58. Ele também ajudou no projeto das sondas espaciais.

Jim Griffith

Primeiro emprego: dirigir um trem subterrâneo a profundidades de 700 metros por 2,3 quilômetros para abastecer mineiros de prata na Hecla Mining, perto de Wallace, Idaho, nos anos 1970.

Lições aprendidas: “Todo mundo com quem trabalho pode me ensinar algo se estou disposto a ouvir. Os trabalhadores realmente sabem o que está acontecendo e desejam fazer um bom trabalho”.

Agora: “Queria sair de minha área e ir para o que acreditava ser um campo tecnológico crescente e mais estável, mas descobri que me sentia mais à vontade no chão de fábrica”. Depois da graduação, Griffith se mudou para Canton, Ohio, e foi trabalhar na fabricante de rolamentos e aços especiais Timken, começando na produção. Subiu até se tornar CEO, liderando uma transformação que colocou a empresa na lista Fortune 500. Deixou a empresa em 2014 e vive em Nashville, Tennessee, onde continua a trabalhar – para várias empresas.

Yan Gao

Primeiro emprego: assistente de marketing em eventos no hotel Hilton na China.

Lições aprendidas: como construir relacionamentos e como criar materiais de marketing.

Agora: trabalhou nos escritórios da Lancôme em Paris, voltou para a terra natal – a China – e hoje é gerente-geral de marcas da L’Oréal chinesa. Ela liderou equipes de vendas em mais de dez países asiáticos para várias marcas da L’Oréal, incluindo Giorgio Armani, Ralph Lauren e Shu Uemura.

Denis Lowry

Primeiro emprego: salva-vidas no Boiling Springs Country Club, em Lexington, Kentucky.

Lições aprendidas: descrições de cargos podem ser muito inadequadas – ele também tinha de drenar a piscina toda semana e esfregar os azulejos. “Faça o melhor que pode mesmo que o salário seja ruim. Encontre diversão no trabalho.”

Agora: Lowry trabalhou na IBM por três décadas e então se tornou planejador financeiro certificado. Está aposentado e vive na Flórida.

Andrew Rich

Primeiro emprego: gerente de unidade do NBC Studios, em Burbank, Califórnia. “Meu trabalho era fazer o orçamento e então administrar os gastos de produção dos programas de entretenimento exibidos na grade da NBC, como a novela Days of our lives e vários game shows.”

Lições aprendidas: “Produção de TV é um ambiente muito sindicalizado, o que foi bom para abrir os olhos de um recém-formado. Aprendi que nem todo mundo é movido pela eficiência e que as pessoas precisam de habilidades extraordinárias para serem eficientes em um ambiente assim”.

Agora: Rich trabalhou para a CBS na área musical e, mais tarde, cuidou da área de licenciamento da Sony, o que o levou a supervisionar o merchandising global da Copa da França em 1998. Isso o fez começar a própria empresa de serviços de merchandising, a ProMost, com colegas da Sony.

Danica  Jacinto

Primeiro emprego: analista de investimentos do banco Credit Suisse nas Filipinas e em Singapura.

Lições aprendidas: “Desenvolvi habilidades em modelos financeiros, negociações e gestão de projetos. Também tive sorte de ter, no primeiro emprego, mentores que me ajudaram a avançar na carreira”.

Agora: vive seu sabático, como aluna do MBA de Stanford em tempo integral.